Browsed by
Mês: setembro 2013

Buscai-me e vivei!

Buscai-me e vivei!

buscar

Amós 5.4

O livro do profeta Amós salienta que a pessoa necessita buscar o Senhor para viver. “Buscai o bem e não o mal, para que vivais; e, assim, o Senhor, o Deus dos Exércitos, estará convosco”(Amós 5.14).Todo o livro de Amós, o profeta alerta para que a pessoa faça o bem, busque o Senhor, caminhe com Ele.

Viver é o mais importante para o profeta, porque o viver não se limita a esta terra, vida terrena, mas a vida do porvir, a vida celestial. Caminhar com Deus é ter o passaporte para a vida eterna juntamente com Ele e os salvos e bem-aventurados.

A Palavra de Deus está ao alcance de todos, e ao entendimento de todos. O Senhor quer que o busquemos em Espírito e Verdade (João 4.23). Deus não se agrada de orações, cânticos, louvores, ofertas, que não sejam autênticas, fiéis, consagradas. Tudo que é feito da boca para fora, é abominável ao Senhor.

O Senhor nos diz que chegará o dia em que haverá fome sobre a terra, não de alimentos, mas de ouvir as palavras do Senhor (Am 8.11). Procurarão por toda parte e não a encontrarão. Não encontrarão porque a pessoa que rejeitou a Palavra de Deus, nem sempre tem oportunidade de encontrá-la novamente. O Senhor alerta para que a pessoa se prepare para se encontrar com o seu Deus (Am 5.12b). Ninguém sabe com que idade vai se encontrar com o seu Deus, mas um dia vai se encontrar com Ele.

 A oportunidade é única, é singular. Quando o Senhor chama, Ele quer uma resposta: positiva ou negativa. Se positiva – a pessoa gozará das bênçãos prometidas pelo nosso Deus, bênçãos eternas, e um futuro venturoso juntamente com Ele no paraíso celeste. Se negativa – nem sempre a pessoa a tem novamente. Muitas vezes a pessoa procura, procura e não acha lugar para o arrependimento. “Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-O enquanto está perto”. (Is. 55.6).

Eis-me aqui, Senhor

Eis-me aqui, Senhor

Eis-me aqui

Eis-me aqui, Senhor! Ouvi o Seu chamado, para fazer parte do Seu rebanho santo. Muitos são chamados, mas poucos, escolhidos (Mt 22.14). Poucos querem caminhar com Deus, obedecer a Sua santa e bendita Palavra. Poucos anteveem a glória do porvir. “Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no Seu nome”(João 1.12). Assim aconteceu com Samuel quando o Senhor falou com ele (1 Sm 3.8,9). Samuel desenvolveu um ministério abençoado, segundo a palavra do Senhor. E assim, muitos profetas receberam o chamado do Senhor e caminharam com Ele. Todos os que são chamados e que aceitam, são inscritos no livro da vida. Davi disse: “eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito”. Sl 40.7.  O Senhor nos chama para que tenhamos paz com Ele (João 14.27). Para que conheçamos o Amor de Deus que excede a todo entendimento (Ef 3.19;  Fl 4.7); e a salvação de nossa alma/espírito (1 Ts 5.9).

 Ouça o que o Senhor disse a Josué: “Não cesses de falar deste livro da lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido./ Não to mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o SENHOR, teu Deus, é contigo por onde quer que andares” Josué 1.8-9.  Josué ouviu o chamado do Senhor, aceitou e caminhou com Ele toda a sua vida e recebeu bênçãos sem medida. Josué nos deixou a linda mensagem” “Santificai-vos, porque amanhã o SENHOR fará maravilhas no meio de vós” Josué 3.5. Não só Josué aceitou o chamado do Senhor, mas toda a sua casa “… Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR” Josué 24.15b.

A Palavra de Deus nos apresenta um excelente caminho. Caminho de bênçãos, bem-estar, consagração, liberdade, paz, amor, fidelidade, e tudo de bom que consta na Sua Santa e bendita Palavra. Este chamado é para todo aquele que sente e reconhece que tem  necessidade de um Salvador pessoal, isto é, reconhece-se incapaz de  salvar-se sozinho, tem ideia de sua pequenez diante do Senhor, sente que precisa se aproximar de Deus. A decisão de uma pessoa a leva a receber bênçãos sem medida, e no porvir a vida eterna, na nova Jerusalém Celestial. Mas para conseguir essas bênçãos é necessário caminhar com o Senhor Jesus, isto é, ter aceitado o Seu chamado, ter um coração/espírito voltado para as necessidades espirituais. Não adianta reclamar a falta de bênçãos, achar que o Senhor está distante, porque o Senhor é reto, justo, bom, compassivo, amoroso, e quer que todos se salvem.  Ele está sempre no mesmo lugar, no Seu trono (Ap. 22.1).  A responsabilidade é individual, única, intransferível. Cada pessoa é  única, é um mundo singular, diante de Deus, e as bênçãos são de acordo com a sua consagração ao Senhor.

Eis-me aqui, Senhor para cuidar da Sua Casa (Igreja – lugar onde nos reunimos para adorá-lo em Espírito e Verdade, para orarmos, intercedermos uns pelos outros, para nos alegrarmos com novas decisões, conversões, com festas comemorativas, reuniões, etc.). É obrigação de todo convertido levar este Evangelho a todas as pessoas que ainda não O conhecem. Ganhar o máximo de pessoas/almas para o Reino de Deus. É obrigação de todo salvo ser uma bênção nas mãos do Senhor nosso Deus. Visitar e orar com os enfermos (Tg 5.14), porque a visita opera grande alegria no coração do visitado. Todo convertido deve alegrar-se com os que se alegram (Rm 12.15). Amarem uns aos outros como os Senhor os amou primeiro (João 4.7; João 15.12). Todo convertido deve se alegrar com os que se decidem pela Palavra de Deus, e colaborar para o seu crescimento espiritual. Cuidar da manutenção da mesma, para que haja mantimento na casa do Senhor (Ml 3.10).

Mantimento (alimento do espírito, satisfação, regalo, víveres). Entendemos também como mantimento tudo que se refere aos cuidados de uma casa (luz, água, telefone, limpeza, produtos de limpeza, produtos de higiene, ornamentação do templo, instrumentos musicais, cuidados diversos, manutenção de tudo funcionando; programas sociais com as crianças, adolescentes, jovens e adultos). Há necessidade também de um líder espiritual, capacitado, honesto, culto, fiel à Palavra de Deus – (pastor),  que conduza corretamente o rebanho (visitar sempre que há enfermos, em casos de falecimentos dar assistência espiritual a família, fazer o ofício fúnebre, casamentos, batizados,  aconselhamento, não só dos membros da Igreja, mas a todos quantos o procurarem. O líder fica à disposição da Igreja 24 horas por dia. Tudo isso devemos manter com alegria e satisfação, porque é a nossa vida espiritual que está sendo cuidada e valorizada.

 Eis-me aqui, Senhor,  com os meus dízimos e minhas ofertas para que haja mantimento na casa do Senhor, e que haja bênçãos em meu lar (Ml 3.10),  Como disse Malaquias “… e provai-me nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida” (Ml 3.10b). No mesmo capítulo, v. 11 diz: “Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos”. O Senhor repreende o devorador de: alegria, amor, bem-estar, prosperidade espiritual, dedicação e amizade. (Jd 9). No coração humano há um lugar vazio que deve ser preenchido com a presença do Senhor Jesus, este preenchimento deve ser total, e não apenas parte dele. As bênçãos vem inteiras e não pela metade.

Assim, como eu posso contar o número de sementes de uma romã ou de outra fruta qualquer, mas eu não posso precisar quantas frutas resultarão de cada semente, porque cada semente resultará numa grande árvore, e esta árvore dará muitos frutos, com um número infinito de sementes. Jesus se referiu ao grão de  trigo “Em verdade, em verdade, vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto” João 12.24. Quando o grão cai na terra e morre, é porque nasce uma linda plantinha, que cresce, e dá muitos frutos.  Assim também é nossa colaboração, não temos ideia do resultado, cada reunião quantas pessoas participam, quantos frutos sairão dali, esses frutos vão para outros lugares fazendo outros ouvintes, os quais serão futuros frutos, e assim por diante. Apenas em  uma reunião sabemos quantos participaram, mas não sabemos quantos frutos sairão dali. Se todos os convertidos tivessem consciência de sua responsabilidade perante Deus, tudo seria diferente, e os frutos seriam infinitamente maiores. É nossa responsabilidade difundir o Reino de Deus por toda parte e a todos os seres humanos.

Eis-me aqui, Senhor, com a minha oferta viva, minha alma/espírito, com a minha colaboração em todos os sentidos para que a Sua Palavra seja divulgada e valorizada para honra e glória do Seu Santo e bendito nome. A minha colaboração é ínfima, mas juntando com as demais pessoas consagradas que colaboram, se tornará grande e produtiva. Uma pequenina mudança no pensamento ou uma pequena ação pode trazer mudanças enormes no modo da pessoa pensar, ou uma pequenina palavra, muitas vezes, muda o rumo de uma vida, por isso devemos aproveitar todas as oportunidades para transmitir o Amor de Deus a todas as pessoas. Seja uma pessoa que valha a pena na seara do nosso Deus, e não pessoa que dê pena por não ser consagrada, não ser abençoada, sempre reclamando da falta de bênçãos, sempre achando defeito em tudo e em todos.   “Que darei ao Senhor por todos os seus benefícios para comigo?” (Sl. 116.12).

Jesus anda por sobre o mar

Jesus anda por sobre o mar

Mar 6

João 6.19;  (Jo 6.16-21);  Mt 14.22-33;   Mc  6.45-51

O mar sempre nos dá uma ideia de calmaria ou de violência, ondas fortes, ventos bravios. De qualquer maneira olhamos o mar com certo receio, uma certa insegurança. O mar, num sentido figurado, representa a vida de cada ser humano, ora está tranquila, pacata, sem grandes novidades, ora está violenta, com tempestades, ventos fortes de todos os lados, mas a vida é um dom de Deus. Devemos vivê-la da melhor forma possível.

Nos versos de João 6.16-21, encontramos Jesus e seus discípulos ao cair da  tarde finalizando um dia muito agitado. Jesus e Seus discípulos desceram para o mar. Jesus compeliu-os a embarcar e passar para o outro lado, rumo a Cafarnaum. Já se fazia escuro, e eles estavam longe, e Jesus ainda não viera ter com eles. Jesus despedira a multidão, e subiu ao monte para orar e se demorara, propositalmente, ali.  Já no meio da viagem um vento forte, impetuoso, os apanhou de surpresa.

Os discípulos ficaram agitados, preocupados, amedrontados, mas viram Jesus andando por sobre o mar, aproximando-se do barco, ficaram possuídos de temor, pensaram tratar-se de um fantasma, e gritaram, mas Jesus lhes disse: “Sou eu. Não temais” (João 6.20). Pedro duvidando, pede ao Senhor para ir ter com Ele, e o Senhor determinou: Vem! Pedro foi ao encontro do Senhor por sobre as águas. Enquanto Pedro olhava somente para o Senhor, ele conseguia andar por sobre as águas também, mas quando começou a olhar à volta, percebeu que o mar estava bravio, então começou a afundar. O Senhor deu a mão a Pedro, e este andou por sobre as águas até o Senhor, e os dois subiram no barco. Então os discípulos se acalmaram e de bom grado O receberam.

Na vida cotidiana também acontece assim: o mar está agitado, é a vida da pessoa, que muitas vezes, está tão agitada, com preocupações,  acontecimentos que parecem não ter fim. Enquanto a pessoa olha só para Jesus, ela sente segurança, ela caminha segura no dia-a-dia, mas quando ela desvia o olhar para os cuidados deste mundo, ela sente sua vida naufragar no mar bravio da vida, tumultos, exigências diárias, solicitações diversas, enfim, é o mundo cobrando muito caro para que a pessoa viva de acordo com ele. Por mais que a pessoa tente acompanhar as mudanças do mundo, ela nunca chegará ao ápice. Os cuidados do mundo são muito cruéis, invencíveis.

A vida cotidiana pautada pela Palavra de Deus é mais simples, segura, sem necessidade de preocupações diversas, mais amorosa, honesta e fiel. A visão celestial é a que ocupa a vida de todo ser humano convertido ao Senhor da Glória. Quando uma pessoa se converte ao Senhor, ela passa a ter as bênçãos prometidas em Sua Palavra, e promessa de ser filho de Deus (João 1.12).  O mar da vida fica calmo quando o Senhor Jesus anda por sobre as águas da vida, então há calmaria, segurança, e a viagem será segura, e quando chegar do outro lado, há certeza da morada celestial, juntamente com o Senhor da Glória (João 14.2).