Browsed by
Mês: janeiro 2014

Rei

Rei

Rei Jesus 7Mateus escreve sobre o Rei dos reis “… ele reinará para sempre sobre à casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim” Lc 1.33). Casa de Jacó ou Israel. Mateus em seu Evangelho menciona a visita dos magos do Oriente que orientados pela estrela especial, foram até o lugar onde ela indicava que o menino estava. Eles estavam à procura do Rei recém-nascido. “Tendo nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos Judeus? Porque vimos a Sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo” (Mt. 2.1-2).

Os magos vieram de muito longe para adorar o Rei dos Judeus. (Obs. Os magos não eram reis como muita gente fala e pensa. Eram apenas magos, estudiosos, astrólogos religiosos não-judeus). Se os magos fossem reis, Herodes saberia como encontrá-los. Saberia também como procurá-los.  Para Mateus a visita dos magos representava a relação do Messias para com o mundo gentio.  Isto significa que Jesus Cristo veio para o povo judeu e para os gentios (não judeus). “Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor” (João 10.16).

No Natal pensamos no Rei ou num bebê indefeso?  Dificilmente, as pessoas pensam num Rei, e muito menos no Seu poder real. É mais fácil pensar num bebê frágil, indefeso, representado de formas diferentes. Nunca pensam na mensagem que os anjos transmitiram: “… é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11). Portanto, acabava de nascer o Rei dos reis. O dono de tudo e de todos. Somente o Rei dos reis poderia oferecer de graça a salvação de almas que O aceitassem; poderia ressuscitar mortos; poderia curar enfermos, das mais diversas doenças; poderia condenar ao fogo do inferno todo aquele que se rebela contra Ele. “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” Mt. 12.30. É correto nos alegrarmos pela vinda do nosso Salvador, nosso Redentor, nosso Libertador e pela vinda de nosso Rei quando festejamos o Natal. O bebê que nascia em Belém, era o verdadeiro Rei “… ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim” (Lc 1.33). Como Rei Ele merece ser honrado e adorado!

Não é assim que acontece nos festejos de Natal, a maioria das pessoas festeja com muitos presentes, comidas, bebidas, passeios, visitas e todos os tipos de entretenimentos, menos voltar-se ao Rei dos reis. Fala-se muito do menino na manjedoura, mas não a respeito de quem Ele representa, nem de sua importância para o mundo.  No Evangelho de Mateus encontramos o Evangelho do Rei.  Os magos procuravam um Rei! Honraram um Rei! Eles “… entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostraram-se, O adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra” (Mt 2.11). Os magos procuravam um Rei, os pastores procuravam um bebê, Salvador e Libertador.

Jesus é realmente nosso Rei? “… Ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim” (Lc 1.33). A casa de Jacó é o povo de Israel (Israel – todo convertido, salvo por Jesus Cristo faz parte do Israel espiritual). Então, Cristo reinará em todos os corações voltados para Ele. Desde o momento da conversão a pessoa começa a receber as bênçãos prometidas por Ele. Jesus é nosso Rei e nosso Senhor. Ele mesmo diz: “Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando” (João 15.14). É Ele quem manda. Neste versículo encontramos o Rei e o Salvador: O Salvador diz: “vocês sois meus amigos”. O Rei diz: “… se fazeis o que eu vos mando”.

“Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (João 5.39).

“Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES” Apoc. 19.16.

Graça e Paz!

O Senhor proverá

O Senhor proverá

O Senhor proverá 1“Pelas quais nos tem sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas. Gn 22.14.

O Senhor proverá.  É uma expressão muito linda e rica no seu significado. Quando falamos que o Senhor proverá, temos a certeza de que Ele ouvirá o nosso pedido, a nossa oração, a nossa necessidade, e nos responde por que Ele está sempre vigiando os nossos passos e as nossas vidas, Ele não descuida. Sempre que buscamos a Deus para provisão de alguma coisa, ou solução de algum problema, Ele sabe de antemão do que precisamos. Antes que peçamos alguma coisa Ele já providencia. Não há nada impossível para Deus.

Tudo que o precisamos Ele tem para prover em abundância para a nossa necessidade. Os seus estoques são inesgotáveis. Por isso cremos num Deus maravilhoso que não há limite para Sua bondade, Seu amor, Sua provisão, Sua ação sobre nossas vidas. Ele exige apenas que creiamos n’Ele, e andemos nos Seus santos e retos caminhos. Porque Ele é Santo (Lv 11.44).

Devemos crer na provisão de Deus, que é infalível, porque Deus não muda, Deus é imutável. Ele tem suprimentos inesgotáveis para suprir todas as nossas necessidades. As mais variadas possíveis. Tudo está ao alcance d’Ele com muita fartura. Ele é o Senhor de tudo e de todos. Basta darmos um passo em Sua direção e aceitarmos o Senhor Jesus como nosso único e suficiente Salvador pessoal. Passaremos a ser filho do Deus Altíssimo (João 1.12), e ganhar as bênçãos que Ele tem para todos que caminharem com Ele.

“Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jr. 29.12,13). As preciosas promessas de Deus são maravilhosas para as nossas vidas, mas Ele quer que andemos nos Seus santos e retos caminhos. Ele quer que nos santifiquemos porque Ele é Santo “… Santos sereis, porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou Santo” (Lv 19.2b). “… porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pe. 1.16).

Sempre que necessitamos de bênçãos, de soluções para problemas vários, clamemos ao Senhor nosso Deus que Ele bondosamente proverá tudo que precisamos. Mas não nos esqueçamos da santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, nem receberá as suas maravilhosas bênçãos. (Hb 12.14; 1 Ts. 4.7; 1 Co. 1.30).

O Senhor proverá todas as bênçãos que necessitamos, todas as soluções para os nossos problemas, toda paz que queremos, todo amor que almejamos, toda felicidade que planejamos, toda alegria que precisamos “… o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros”( Sl. 45.7). Santifiquemo-nos para que Deus nos proveja de todas as bênçãos que necessitamos “Disse Josué ao povo: Santificai-vos, porque amanhã o Senhor fará maravilhas no meio de vós” (Josué 3.5).

Graça e Paz!

Torne-se um filho de Deus

Torne-se um filho de Deus

Filho de Deus 2“Mas, a todos quantos O (Jesus) receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” João 1.12.

A vinda de Jesus Cristo foi prometida desde o início da Palavra de Deus. Ele sempre se manifestou como sendo o Anjo do Senhor. Realizou um grande e profícuo ministério no Velho Testamento. Os profetas tinham comunicação com Ele, e transmitiam as mensagens que o Senhor lhes ordenava que o fizessem. No Velho Testamento as pessoas esperavam pelo Messias prometido já na segunda página da Bíblia Sagrada. No Novo Testamento encontramos o Messias, que nasceu, cresceu se tornou adulto, e desenvolveu um rico e vastíssimo ministério, onde: pessoas foram curadas das mais variadas enfermidades; cegos voltaram a ver (João 9.7; 11.37); surdos a ouvir (Mc 7.35); paralíticos a andar (João 5.1-17); alguns ressuscitaram como, por exemplo, Lázaro (João 11.43,44), e a filha de Jairo (Lc 8.54), transformação de água em vinho (João 2.1-12), a multiplicação dos pães (João 6.1-14), Jesus anda sobre as águas e acalma a tempestade (João 6.15-21), a cura do filho de um oficial (João 4.46-54).

O ministério principal de Jesus Cristo foi, e é salvar o pecador da condenação eterna. O pecado condena a pessoa a viver num inferno aqui, e no por vir o inferno literal (Apoc. 20.14). O pecado tira toda paz, segurança, felicidade, seriedade, honradez, amor que a pessoa possui. O pecado leva a pessoa à total miséria espiritual, e em decorrência disso à miséria orgânica, e a miséria material. Uma pessoa chega muitas vezes ao fundo do poço, num tremedal de lama (espiritual).  Jesus oferece de graça a salvação a todos quantos quiserem ser salvos. João 1.12 diz: “Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Jesus limpa a pessoa de toda miséria espiritual, e a coloca em lugares santos, em caminho santo.  Jesus oferece a salvação de graça para que ninguém se glorie (Ef. 2.8,9). Todos são iguais perante Ele. A salvação é espiritual, e só conseguimos nos achegar a Deus espiritualmente. Não há dinheiro espiritual. Portanto, as almas/espíritos são todos iguais. Jesus derramou o seu sangue na cruz do calvário, ressuscitou ao terceiro dia para nos oferecer a salvação, basta que O busquemos e O aceitemos em nossos corações. Jesus nos oferece uma vida de paz, amor, felicidade, tranquilidade, segurança, com bênçãos sem medida. Mas, Ele requer de nós santificação, através da oração, meditação e da Leitura da Palavra d’Ele. A Palavra de Deus só nos ensina coisas boas, edificantes, que constroem um mundo espiritual diferente dos que existem por aí afora.

Jesus quer nossa decisão “Mas, a todos quantos O receberam…”. Jesus foi recebido por todas as pessoas indistintamente, quando entrou em Jerusalém vitorioso. E foi recebido por todos quantos estavam lá naquele dia. Assim também hoje, Ele recebe a todos indistintamente. Para Ele não há acepção de pessoas. Recebemos a Cristo crendo que Ele é Deus, Criador, Salvador e Senhor e se fez homem para nos salvar. Devemos recebê-lo como presente de Deus, dedicando-lhe a vida. Jesus quer nossa transformação “Deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus”. Todo aquele que receber a Jesus, se torna filho de Deus. Deus renova o coração humano. Essa regeneração espiritual é ação divina e irreversível. Não há possibilidade de alguma pessoa se regenerar pela própria vontade. Os verdadeiros cristãos são nascidos de Deus (João 3.6). Somente pelo poder divino alguém pode ser salvo e se tornar filho de Deus.

Graça e Paz!

Deus nos torna livres

Deus nos torna livres

Deus nos torna livres 2“Salvou-se a nossa alma, como um pássaro do laço dos passarinheiros; quebrou-se o laço e nós nos vimos livres”. Sl 124.7.

Há muitas armadilhas que são covas de morte. Há laços preparados pelo inimigo de nossas almas, cujo propósito é nos derrubar, subjugar, destruir. O salmista compara essas armadilhas como laço do passarinheiro. O laço do passarinheiro prende muito bem sua vítima, e esta dificilmente escapa, a não ser que alguém lhe solte. Assim também são os laços espirituais. Quanto mais uma pessoa tenta se desvencilhar deles, mais ela se enrola, mais fica presa. O pecado é um laço traiçoeiro, uma armadilha de morte. Ele nunca tem fim, pelo contrário sempre aumenta e se fortalece, deixando a pessoa totalmente presa à mercê do inimigo das almas.

No início o pecado que parece algo cativante, sugestivo, promete prazer e paga com desgosto; promete liberdade e escraviza; promete vida e mata. O pecado é algo sem fim, nunca tem um final feliz. Um pecado atrai outro, e mais outro, e assim por diante. O pecado escraviza a pessoa tornando-a escrava dele. O inimigo das almas mostra uma face linda do pecado, sedutora, aprazível, atraente, mas conduz o incauto à morte da alma, e muitas vezes do corpo também. Quando uma pessoa chega ao fundo de um lamaçal de pecados, ela não tem mais nada a fazer.

Quando uma pessoa se conscientiza que não tem mais nada a fazer para livrar-se do mundo do pecado, muitas vezes ela volta-se a Jesus Cristo, porque para Ele toda alma é preciosa e vale a pena ser resgatada. O salmista disse: “Salvou-se a nossa alma…”, isto é, livrou a nossa alma do poder do inimigo, livrou a nossa alma das coisas mundanas. Colocou a nossa alma num lugar limpo, e pronta para viver corretamente e adorar a Deus em Espírito e Verdade (João 4.23).  “… como um pássaro do laço do passarinheiro…”. O passarinheiro arma o seu laço e prende o passarinho de uma forma que ele não escapa, a não ser que alguém lhe solte.

Espiritualmente também a pessoa precisa de alguém que lhe solte as amarras do inimigo. Esse alguém é Jesus Cristo que solta qualquer amarra, qualquer laço, e livra qualquer um do laço do passarinheiro. Por mais pecador que uma pessoa seja, ele encontra salvação em Cristo Jesus. “… quebrou-se o laço e nós nos vimos livres”. Jesus quebrou o laço que prendia cada um dos que se converteram a Ele. Através do Seu sacrifício e morte de cruz no calvário, Ele ressuscitou, venceu a morte, e nos oferece de graça a salvação de nossas almas. Jesus Cristo é o nosso Senhor e Salvador. Pela morte de Cristo recebemos vida, pelo seu sangue temos purificação do pecado. Portanto, o pecado não tem mais domínio sobre aquele que está em Cristo Jesus. “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” João 8.36.

“Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo” Rm 10.9

“Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8.32).

Graça e Paz!

Jesus jamais nos rejeitará

Jesus jamais nos rejeitará

Majestade do Senhor“Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” João 6.37.

A rejeição é talvez a pior dor para uma pessoa. A sociedade pratica a rejeição diariamente. A pessoa é rejeitada pela cor da pele, condição econômica, grau de instrução, idade, religião, aparência. A rejeição produz dor, revolta, isolamento e até morte.

No versículo acima aprendemos que Jesus cura todas as rejeições. E destacamos várias lições: a primeira, que Jesus veio para acolher todos os rejeitados e os não-rejeitados. Não veio para os sãos (que acham que não precisam de Jesus em suas vidas, que são auto-suficientes), mas para os doentes e feridos (espiritualmente). Toda pessoa que reconhece que não consegue chegar até Deus por ela mesma, é pobre e necessitada. Como diz o salmista Davi “Eu sou pobre e necessitado; porém o Senhor cuida de mim; tu és o meu amparo e o meu libertador; não te detenhas, ó Deus meu!” (Sl 40.17). Davi era rei em Israel, riquíssimo materialmente, mas ele se considerava pobre e necessitado espiritualmente. Então, ele se dirige a Deus humildemente, para que o Senhor cuide dele.

A segunda lição: Jesus conhece a dor dos rejeitados. Ele foi o mais desprezado e rejeitado entre os homens. Até hoje, Jesus é desprezado e rejeitado pelas pessoas que não veem n’Ele o Senhor e Salvador de suas almas imortais. Não se preocupam com o espiritual, confiam no material e pensam que se salvarão por si só, ou acham que não há eternidade, que a vida resume-se aqui. Jesus busca somente os perdidos (que não estão salvos) que querem ser salvos. Há muita diferença entre aquele que se acha perdido e precisa ser salvo daquele que acha que não há necessidade de se preocupar com o amanhã. Quantas vezes encontramos pessoas preocupadas com o por vir depois desta vida. Jesus veio buscar essas pessoas preocupadas com o futuro espiritual.

Toda pessoa que vai a Jesus é um presente que Deus lhe dá. Nós não nascemos e vivemos por acaso. Nós existimos pela vontade de Deus, e para glorificá-lo.  Portanto, devemos estar conscientes de nossa responsabilidade para com Deus, e nos agradarmos d’Ele (Sl 37.4). Quão bom é seguir os passos de Jesus, e recebermos o Seu amor, o Seu cuidado, o Seu zelo, a Sua atenção, a Sua salvação para a eternidade.

A terceira lição: Jesus jamais rejeitará aquele que crer n’Ele. Ele garante: “… de modo nenhum o lançarei fora”. Ele nunca o mandará embora e Ele jamais o expulsará da Sua presença. Trata-se de uma garantia eterna de não devolução. Jesus não faz acepção de pessoas, perante Ele todos são iguais, e com igual oportunidade de salvação. Todas as suas promessas são cumpridas integralmente.

Graça e Paz!

Onde você passará a Eternidade?

Onde você passará a Eternidade?

Eternidade 2Um dos problemas mais difíceis de ser resolvido é quando a pessoa começa a se questionar a respeito do futuro espiritual. As questões aparecem como: para onde  vou quando morrer? O que será do meu futuro remoto? Muitas vezes, encontramos pessoas com depressão (espiritual) porque não conseguem respostas a essas perguntas sutis. Há também a depressão orgânica, esta necessita de tratamento médico

Para responder essas questões pesquisamos e encontramos soluções na Palavra de Deus, como o verso 16 de João 3 – “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.  O Senhor Deus promete que todo aquele que crê no Senhor Jesus tem a vida eterna. Em João 1.12, Deus disse: “Mas, a todos quantos O (Jesus) receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome”.

A Palavra de Deus nos ensina o caminho, nos oferece de graça a salvação em Cristo Jesus, para que ninguém alegue que não tem como comprá-la. Porque Deus é Espírito e quer que nos acheguemos a Ele e O glorifiquemos através de decisões e atos espirituais. O que é material compra-se com coisas materiais.  São dois extremos: espirituais – somente atos espirituais e materiais somente coisas materiais.

Jesus respeita a vontade da pessoa, não entra na vida de uma pessoa se ela não O convidar. Apoc. 3.20 “Eis que estou à porta e bato, se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo”. O Senhor diz: “… se alguém ouvir a minha voz…”. Muitas pessoas estão envolvidas demais com as coisas do mundo, valorizando demais o que o mundo tem a oferecer, e não tem tempo para pensar na vida espiritual. Isso fica para depois. Mas o tempo passa, a memória é algo que não perdoa, é como um computador que grava tudo, palavra por palavra, ações por ações. E a parte espiritual fica defeituosa, geralmente, a pessoa deixa para quando ficar velha. O clamor vem antes da velhice e o coração acusa a falha. Todo coração humano tem um lugar reservado para o Eterno Deus. Se este lugar for preenchido com a presença de Jesus, tudo fica bem, porque a pessoa que tem a Jesus, ela tem tranquilidade, paz, amor, segurança (não se preocupa se amanhã ela partir desta vida, porque sabe que estará com Cristo no paraíso celeste); oportunidade de orar intercedendo pelas outras pessoas; alegrar-se sempre no Senhor. Ela tem todos os motivos para dar graças ao Senhor nosso Deus.

“…se alguém ouvir a minha voz…”  Cada pessoa que o Senhor chamar deve dar graças, glorificar o nome do Senhor. Porque a salvação é de graça, não custa nada. Jesus já pagou a minha dívida e a de todos que n’Ele crer. Todos os salvos devem conscientizar-se da responsabilidade que tem perante o Eterno Deus para dar: testemunho das bênçãos que receberam a cada momento de suas vidas; levar a Palavra de Deus aos que ainda não a conhecem e precisam para serem salvos também; orar para reabilitar doentes; interceder sempre que necessário para que pessoas ganhem bênçãos também e que sejam salvas.

“… abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo”. Abrir a porta do coração, e deixar Jesus entrar e fazer nele morada. Porque onde há Jesus, há paz, amor, segurança, honestidade, fidelidade. Entrarei em sua casa, que bênção Jesus entrar em nossa casa espiritual (coração/alma/espírito), cearei com ele – quem nós queremos que ceie conosco a não ser uma pessoa muito próxima e muito querida nossa, nós nos alegramos quando vamos cear com alguém. Então Jesus se propõe cear conosco e nós com ele. Que maravilha poder cear com o Mestre querido – Jesus Cristo. Maravilha também é poder ser feito filho de Deus (João 1.12) e no porvir morar nas mansões celestiais juntamente com Jesus Cristo. João 14.2. Receba a bênção do Senhor Jesus Cristo e a certeza da salvação eterna.

Graça e Paz!

Emaus

Emaus

Emaus 2Lc 24.13 a 35

Depois de todos os acontecimentos em Jerusalém, dois discípulos do Senhor Jesus estavam a caminho de sua residência que ficava alguns quilômetros de distância. No caminho falavam sobre  os incríveis fatos acontecidos nos últimos dias. Enquanto conversavam e discutiam sobre o ocorrido, o próprio Jesus se aproximou e ia com eles, mas eles não O reconheceram. Seus olhos estavam como que impedidos de reconhecê-lo. O acompanhante  perguntou-lhes o que os preocupava. Eles pararam entristecidos, não entendiam porque o acompanhante não sabia dos fatos ocorridos em Jerusalém. Então  eles estranharam   e perguntaram-lhe se ele não esteve em Jerusalém naqueles dias.

O acompanhante perguntou-lhes quais fatos? Eles passaram a narrar-lhe os fatos, e muito entristecidos disseram que esperavam que fosse Jesus quem havia de redimir a Israel; mas depois de tudo que ocorreu eles estavam tristes. Também falaram que já era o terceiro dia desde que os fatos sucederam. Disseram também que algumas mulheres foram ao sepulcro, e não acharam o corpo, mas tiveram uma visão de anjos, os quais afirmaram que Ele vive. Outros discípulos foram também ao sepulcro, e o encontraram vazio, mas não O viram. Mas eles nem supunham que Jesus  era o acompanhante desconhecido.

Jesus chama a atenção deles que eram néscios e tardos de coração para crer tudo que os profetas disseram, ou não conheciam a Palavra de Deus no Velho Testamento. Pois existe um número enorme de passagens que tratam da vinda do Messias e seu ministério. Jesus começou por Moisés e discorreu sobre todos os profetas, e expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras – Velho Testamento.

Quando se aproximaram da aldeia para onde iam, fez Jesus menção de passar adiante, mas eles o constrangeram  (O Senhor não entra pela força, mas mediante convite). “Fica conosco, porque é tarde, e o dia já declina. E entrou para ficar com eles” Lc 24.29.

“E aconteceu que, quando estavam  à mesa, tomando Ele o pão, abençoou-o e, tendo-o partido, lhes deu; então, se lhes abriram os olhos, e O reconheceram; mas ele desapareceu da presença deles” Lc 24.30,31. O tempo todo Jesus estava com eles, mas eles não O reconheceram.

Os dois ficaram perplexos, um perguntava ao outro: “Porventura, não nos ardia o coração, quando ele, pelo caminho, nos falava, quando nos expôs as Escrituras?” Lc 24.32. Na mesma hora levantaram-se e correram de volta a Jerusalém, e encontraram os outros discípulos comentando: “O Senhor ressuscitou e já apareceu a Simão!” v. 34. E eles contaram o que lhes acontecera pelo caminho e como fora por eles reconhecido no partir do pão.

“O Senhor Jesus referiu-se a Si próprio como o ‘pão de Deus’ e como o ‘pão da vida’  (João 6.33, e 35) e escolheu o pão da Páscoa para ser o memorial simbólico de Seu corpo partido.” (O Novo Dic. da Bíblia – Vol. III – pág. 1189).

“Fica conosco, porque é tarde, e o dia já declina. E entrou para ficar com eles” Lc 24.29. Este é o convite que todos deveriam fazer ao Senhor Jesus. “Porque é tarde”. Para o ser humano sempre é tarde, porque a pessoa nunca sabe o que acontecerá num futuro bem próximo, ou mesmo horas mais tarde. Por isso, é necessário constranger o Senhor a ficar em nossas vidas. Abrir o coração e convidá-lo a cear conosco. “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” Apoc 3.20. Aqueles dois discípulos constrangeram o Senhor a entrar em sua casa e cear com eles. Jesus partiu o pão e lhes deu. Jesus é o Pão da vida (João 6.35).

Todos estamos a caminho de Emaus, mas poucos encontram o Senhor Jesus pelo caminho e O constrangem a entrar em sua casa, e oferecer uma refeição. Poucos são aqueles que reconhecem o Senhor Jesus ao partir do pão, porque Jesus é o pão da vida, é o pão de Deus (João 6.33 e 35). Quem receber esse pão jamais terá fome (espiritual), e receberá água viva  (João 7.38). O Senhor partiu o pão e deu-o aos discípulos, isto nos transmitiu que o Senhor Jesus é o Pão que desceu do céu, e é suficiente para todos que n’Ele creem. Ele é o Pão Total e nós recebemos um pedaço cada um, o suficiente para a nossa alimentação espiritual em abundância. Por maior que seja o nosso pedaço, nunca conseguiremos chegar ao final dele. Esse Pão é tão grande, que é suficiente para alimentar espiritualmente o mundo inteiro, basta que as pessoas creiam e recebam o Senhor Jesus como seu único e suficiente Salvador pessoal e Senhor de sua vidas.

Os discípulos de Emaus reconheceram o Senhor Jesus, e saíram correndo de volta para a cidade para contar o que lhes acontecera. E nós temos corrido para contar às outras pessoas que o Senhor Jesus ressuscitou, que Ele nos oferece a vida eterna juntamente com Ele no paraíso celeste? As bênçãos que recebemos diariamente, da salvação que o Senhor Jesus nos deu de graça, da paz que temos com Ele, do amor que Ele tem por nós, do carinho que Ele tem a cada um de nós? Temos prazer em divulgar a Palavra de Deus e contar como Ele fez o sacrifício na cruz do calvário, ressuscitou, e está pronto para nos salvar da perdição eterna? Quem não se preocupar em aceitar a Jesus para ser salvo, deixar para mais tarde, pode ser que não haja mais tarde. E a perdição é eterna também. Não há segunda chance.

Graça e Paz!

Benção

Benção

bênçãos 4Gn. 12.1-3

“Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei”;

“de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção!”

“Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra”.

A Palavra de Deus está repleta de passagens que nos oferecem oportunidades de recebermos bênçãos do Deus Eterno. Em Gênesis 12.1-3, lemos que o Senhor chamou a Abrão. Abrão era um homem temente a Deus. O Senhor o chama para tomar uma decisão única em sua vida. Ele deveria seguir as ordens do Senhor Deus. Abrão, homem de fé, imediatamente se prontificou a seguir as ordens do Senhor.

Quando Abrão atingiu noventa e nove anos, apareceu-lhe o Anjo do Senhor, e disse-lhe: “Eu sou o Deus Todo-poderoso; anda na minha presença e sê perfeito” Gn 17.1b. O Senhor estava no comando da vida de Abrão, por isso Deus se comunicava com ele. O Senhor mudou o nome de Abrão para Abraão “Abrão já não será o teu nome e sim Abraão; porque por pai de numerosas nações te constituí” Gn 17.5. Abraão seria pai de muitas nações, mesmo ele não tendo nenhum filho, e Sarai sua mulher também era avançada em idade, mas para Deus não há impossíveis.

O Senhor abençoou Abraão com grandes bênçãos, e prometeu-lhe  uma terra por possessão e aliança perpétuas, e ser o seu Deus (Gn 17.8). O Senhor ordena que ele junte tudo que possui e parta para uma terra que o Senhor lhe indicará. Abraão tinha setenta e cinco anos quando o Senhor se comunicou com ele. Abraão devia deixar a sua terra, a sua parentela, a casa de seu pai e ir para uma terra que o Senhor lhe mostraria. Abraão levou consigo a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, todas as pessoas que faziam parte do clã de Abraão, e todos os seus bens. O Senhor mudou também o nome de Sarai para Sara, porque ela seria mãe de numerosas nações.

O Senhor prometeu também que dele faria uma grande nação e que o abençoaria e engrandeceria o seu nome. Sara seria mãe de um filho aos noventa anos, e través dele, ela seria mãe de muitas nações.  Mas o Senhor Deus deu-lhe uma ordem: “Sê tu uma bênção” Gn. 12.2b. Abraão recebeu esta bênção maravilhosa, e andou sempre com Deus. Abraão teve uma existência tranquila, e foi chamado de amigo de Deus. Tg. 2.23b.

Esta ordem não foi só para Abraão (que levou consigo sua mulher e todos os seus pertences). O Senhor disse ainda: “Abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra” Gn. 12.3.  A ordem é também para nós, ou seja, a todos quantos ouvirem a Palavra de Deus.

Deus pronuncia o nome de cada um de nós (o nosso nome é a música mais linda que possamos ouvir). Cabe a nós ouvirmos e tomarmos uma decisão de pôr em prática o seu chamado. Sair da nossa terra, nossa parentela, nosso lugar, não significa que temos que abandonar tudo, ou juntarmos tudo o que temos para irmos a outro lugar. Significa que temos tomar uma decisão individual, sem interferência de outrem, onde quer que estejamos, porque cada ser humano é único na presença de Deus. Cada pessoa representa um mundo completo. Não existem dois seres humanos iguais.  A decisão certa é aceitar a Palavra de Deus, e seguir a Jesus Cristo. Ele nos oferece uma terra por possessão eterna juntamente com Ele no paraíso celeste. Além de paz, amor, tranquilidade, segurança, alegria, bem-estar já no presente e no futuro o paraíso celeste.

Ser abençoado como diz o v.3, é importantíssimo, para nós termos uma vida completa, feliz, satisfatória. Ser abençoado é ser alguém que vale a pena onde quer que esteja. A pessoa é auxiliadora, amiga, fiel, honesta, amorosa, companheira. O Senhor disse que amaldiçoaria quem amaldiçoasse alguém d’Ele. Maldição é o contrário de bênção. Toda vez que uma pessoa persegue, irrita, mente, escandaliza, ridiculariza, desabona, menospreza, discrimina, está puxando maldição sobre a sua cabeça. O Senhor é extremamente bom para com aqueles que Ele chamou e abençoou, mas é extremamente justo com aqueles que se desviam dos santos e retos caminhos. O Senhor não faz acepção de pessoas. Para Ele todos somos iguais, e temos a mesma chance de nos achegarmos a Ele, mas uns se achegam e o glorificam, outros se afastam e O irritam com seus pecados e delitos.

Graça e Paz!

Árvores e frutos

Árvores e frutos

Uvas“Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos” João 15.8.

“”… toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus”/ “Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons” Mt. 7.17,18.

As árvores enfeitam a natureza, mantém o ar limpo, fresco, além de dar seus frutos na estação própria. Cada árvore dá seu  fruto próprio, de sua própria espécie. Suas flores enfeitam e perfumam o ar, vindo em seguida o precioso fruto. As árvores oferecem também preciosa sombra. É muito bom quando a pessoa está cansada, acalorada, suada, encontra uma sombra pequenina que seja, ou uma grande sombra de uma frondosa árvore,  é o suficiente para um breve ou demorado descanso. As árvores são também abrigo e alimento para os pássaros.

Assim, também acontece com as árvores espirituais. Todo servo de Deus tem obrigação de ser uma árvore. Quanto mais conhecimento da Palavra de Deus, mais comunhão com Deus, maior será a sua árvore. Repleta de folhas, para oferecer sombra aos cansados, acalorados, suados, necessitados de descanso espiritual. Como faz bem uma árvore espiritual frondosa! Quanta sombra, descanso, orientação, segurança ao necessitado espiritualmente!

Flores espirituais com os verdadeiros perfume  e beleza de Cristo, que oferecidos a essas pessoas necessitadas, encontram um alento para o coração, e o início de uma nova caminhada. Caminhada segura e com a certeza de sua salvação em Cristo Jesus, e no fim dela a vida eterna;  Frutos espirituais são ganhos pela transmissão da Palavra de Deus. Todo servo do Deus Altíssimo tem obrigação de ser uma grande árvore, para oferecer descanso ao cansado e sobrecarregado (Mt 11.28), alimento ao faminto(João 6.51), água ao sedento (João 7.38), Todo aquele que crê na Palavra de Deus, o seu fruto é levar outra pessoa a aceitar e se tornar filho de Deus (João 1.12). Abrigo para os pássaros (seres que voam de um lado para outro, sem se fixar num lugar determinado; seres instáveis, que necessitam crescer e se fortalecer espiritualmente, que ainda são crianças na fé, mas precisam se fixar na Palavra de Deus).

A árvore está muito bem arraigada no chão, tem suas raízes fixas no solo, dificilmente um vento ou uma tempestade a derruba, pode até quebrar alguns galhos, mas o tronco fica, e brota rapidamente. Assim, também com a árvore espiritual, quem tem suas raízes fixas na Palavra de Deus e a certeza de que esta Palavra nunca falha, e que em Deus não há mudança, que Ele é fiel e justo para com todo aquele que nele crê e confia. Esta árvore não será derrubada ou desarraigada da Palavra de Deus, muito pelo contrário, ela será fortalecida cada dia mais, ela dará ainda mais frutos, e suas folhas oferecerão deliciosa sombra e abrigo a todos aqueles que a procuram..

A árvore mais admirável quanto aos seus frutos é a videira, que dá seus frutos aos cachos, e os cachos são compostos de numerosas uvas. Dificilmente são contados os grãos de um cacho de uvas. Além de ser uma árvore muito citada na Palavra de Deus. (Jesus disse: Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor… João 15.1).

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas cousas não há lei”. Gl 5.22,23.

Graça e Paz!

A visão de um vale de ossos secos

A visão de um vale de ossos secos

Vale de ossos secos 1“… Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor”. Ez. 37.4b.    O profeta Ezequiel foi levado pelo Espírito do Senhor, e deixado no meio de um vale cheio de ossos secos. O Senhor o fez andar ao redor dos ossos, eram mui numerosos e estavam sequíssimos. O Senhor lhe perguntou se ele achava  que os ossos poderiam reviver. Mas Ezequiel respondeu: “Senhor Deus, tu o sabes”v 3b. O Senhor disse-lhe que profetizasse, dizendo-lhes: “Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor” v.4b. O Senhor disse ainda: “Eis que farei entrar o espírito em vós e vivereis” v. 5b. “Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o Senhor” v.6.

Ezequiel profetizou como o Senhor lhe ordenara. Enquanto ele profetizava houve um ruído, um barulho de ossos que batiam uns aos outros e se juntavam, cada osso ao seu osso. O profeta olhou e eis que havia tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Então o Senhor ordenou ao profeta que profetizasse o espírito: “Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam”. V.9b. Ezequiel profetizou  e o espírito entrou neles colocando-os em pé, um exército sobremodo numeroso.

O Senhor disse ao profeta que aqueles ossos eram toda casa de Israel. Eis que dizem: “Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo exterminados” Ez 37.11b.

“Porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos estabelecerei na vossa própria terra. Então sabereis que eu, o Senhor, disse isto e o fiz, diz o Senhor”v 14.

Vale de ossos secos pode ser comparado a todos que não tem a bênção de Deus, nem a Jesus no coração, realmente, esses também são um grande exército. Necessitam que profetizemos para que os ossos secos se juntem uns aos outros, que cresçam carnes, tendões, e que recebam o espírito (que é a vida da pessoa, sem ele não há vida). Um vale de ossos secos não serve para nada, a não ser trazer outros para fazer parte do vale. Ossos sem tendões, sem carnes, sem espírito, para que servem? Mas o Senhor quer que por mais secos que estejam os ossos, Ele ordena que cresçam os tendões, cresçam as carnes, fiquem em pé, e recebam o espírito de vida. Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” João 11.25.

Casa de Israel, todos aqueles que ouvem o chamado de Jesus, e aceitam-nO como seu único e suficiente salvador pessoal, compõem a casa de Israel (espiritual). As pessoas que se decidem por Jesus, vão se alimentando espiritualmente, vão crescendo no conhecimento, vão se santificando com o passar do tempo. Toda pessoa que aceita seguir a Jesus tem uma história para contar. Geralmente, ela era ossos muito secos, que não servia mais para nada., mas serve para Deus. Toda alma é preciosa diante de Deus. O Senhor tem um plano para cada um que se dispõe seguir a Jesus. As bênçãos no presente e a certeza de um lugar na Nova Jerusalém celestial juntamente com Cristo e com os salvos no porvir.

Graça e Paz!