Browsed by
Mês: maio 2014

Jesus na Festa dos Tabernáculos

Jesus na Festa dos Tabernáculos

Jesus na Festa dos TabernáculosJoão 7.10-24

Festa dos Tabernáculos ou Festa da Colheita durava sete dias, e era realizada anualmente Êx. 23.16. Havia muito interesse do povo nesta festa. Pois era uma festa comemorada por todos os judeus, pelo sucesso e a abundância da colheita. Também os irmãos de Jesus foram participar e se alegrar com os demais judeus, fazendo parte ativa da comemoração daquele ano. “Depois que os irmãos de Jesus subiram para a festa, então, subiu Ele também, não publicamente, mas em oculto” v. 10. A grande preocupação dos judeus era saber onde Jesus estava, e havia grande murmuração entre o povo. O povo estava bem dividido. Cada pessoa tinha uma opinião diferente. “… Uns diziam: Ele é bom. E outros; Não, antes, engana o povo” v.12b. Entretanto, ninguém falava abertamente, por  medo do povo em geral.

Como as conversas andam rapidamente, corria entre o povo que Jesus estava no templo e ensinava. Os judeus sinceros se maravilhavam como Jesus ensinava, e queriam saber de onde vinha tanta sabedoria. Jesus lhes disse: “O meu ensino não é meu, e sim daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo” vs. 16,17. Jesus falou também a respeito da lei que Moisés passara ao povo, contudo ninguém a observava. E perguntou: “Por que procurais matar-me?” v. 19b.

Ao ouvir a pergunta de Jesus, a multidão enfureceu-se, e disse: “Tens demônio. Quem é que procura matar-te?” v. 20. A multidão perseguia-O, porque Ele falava a verdade a respeito da vida de cada um, e o povo não conseguia ouvir e encarar a verdade. Jesus tratava a parte espiritual, da glória do Pai, dos ensinos que vinham do Pai. O espiritual permanece para sempre, e acumula-se para a eternidade.

Jesus caminhava livremente por entre a multidão, e ensinava a Palavra de Deus a todos que queriam ouvir. Acontece a mesma coisa atualmente. Pouquíssimas pessoas querem ouvir de Jesus, querem se apresentar a Ele, se comprometer com Ele. As bênçãos estão à disposição de todo aquele que quiser e se decidir mudar de vida juntamente com o Senhor Jesus. Jesus não faz acepção de pessoas. Todos são importantes para Ele, todos merecem ser salvos. Mas a decisão é individual e personalizada. A pessoa é única e exclusiva para convidar o Senhor Jesus a morar no seu coração/alma/espírito. Uma pessoa não pode tomar decisão no lugar da outra.

“Visto como, pelo seu divino poder, nos tem sido doadas todas as cousas que conduzem à vida e  à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude” 2 Pe. 1.3.

“Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, casa não feita por mãos, eterna, nos céus” 2 Coríntios 5.1.

Graça e Paz!

Jesus na Festa dos Tabernáculos

Jesus na Festa dos Tabernáculos

Jesus na Festa dos TabernáculosJoão 7.10-24

Festa dos Tabernáculos ou Festa da colheita durava sete dias, e era realizada anualmente Êx. 23.16. Havia muito interesse do povo nesta festa. Pois era uma festa comemorada por todos os judeus, pelo sucesso e a abundância da colheita.Também os irmãos de Jesus foram participar e se alegrar com os demais judeus, fazendo parte ativa da comemoração daquele ano. “Depois que os irmãos de Jesus subiram para a festa, então, subiu Ele também, não publicamente, mas em oculto” v. 10. A grande preocupação dos judeus era saber onde Jesus estava, e havia grande murmuração entre o povo. O povo estava bem dividido. Cada pessoa tinha uma opinião diferente. “… Uns diziam: Ele é bom. E outros; Não, antes, engana o povo” v.12b. Entretanto, ninguém falava abertamente, porque tinham medo do povo em geral.

Como as conversas andam rapidamente, corria entre o povo que Jesus estava no templo e ensinava. Os judeus sinceros se maravilhavam como Jesus ensinava, e queriam saber de onde vinha tanta sabedoria. Jesus lhes disse: “O meu ensino não é meu, e sim daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo” vs. 16,17. Jesus falou também a respeito da lei que Moisés passara ao povo, contudo ninguém a observava. E perguntou: “Por que procurais matar-me?” v. 19b.

Ao ouvir a pergunta de Jesus a multidão enfureceu-se, e disse: “Tens demônio. Quem é que procura matar-te?” v. 20. A multidão perseguia-O, porque Ele falava a verdade a respeito da vida de cada um, e o povo não conseguia ouvir a verdade. Jesus tratava a parte espiritual, da glória do Pai, dos ensinos que vinham do Pai. O espiritual permanece para sempre, e acumula-se para a eternidade.

Jesus caminhava livremente por entre  a multidão, e ensinava a Palavra de Deus a todos que queriam ouvir. Acontece a mesma coisa atualmente. Pouquíssimas pessoas querem ouvir de Jesus, querem se apresentar a Ele, se comprometer com Ele. As bênçãos estão à disposição de todo aquele que quiser e se decidir mudar de vida juntamente com o Senhor Jesus. Jesus não faz acepção de pessoas. Todos são importantes para Ele, todos merecem ser salvos. Mas a decisão é individual e personalizada. A pessoa é única e exclusiva para convidar o Senhor Jesus a morar no seu coração/alma/espírito. Uma pessoa não pode tomar decisão no lugar da outra. “Visto como, pelo seu divino poder, nos tem sido doadas todas as cousas que conduzem à vida e a à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude” 2 Pe. 1.3.

“Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, casa não feita por mãos , eterna, nos céus” 2 Coríntios 5.1.

Graça e Paz!

A incredulidade dos irmãos de Jesus

A incredulidade dos irmãos de Jesus

A incredulidade dos irmãos de Jesus 1João 7.1-9.

Jesus andava por todas as regiões levando a palavra de vida eterna. O ministério de Jesus era muito valioso, com curas das mais variadas enfermidades, abria os olhos aos cegos, os ouvidos aos surdos, aos paralíticos fazia-os andar, pregava a Palavra de Deus a toda criatura, sem acepção de pessoas. Os seus irmãos nutriam uma inveja velada, e não perdiam oportunidade de tentá-lo. “Jesus andava pela Galiléia, porque não desejava percorrer a Judéia, visto que os judeus procuravam matá-lo ”v 1.

“Ora, a Festa dos judeus, chamada dos Tabernáculos, estava próxima” v.2. “Dirigiram-se, pois, a ele os seus irmãos e lhe disseram: Deixa este lugar e vai para a Judéia, para que também os teus discípulos vejam as obras que fazes. Porque ninguém há que procure ser conhecido em público e, contudo, realize os seus feitos em oculto. Se fazes estas cousas, manifesta-te ao mundo” vs. 3,4, “Pois nem mesmo os seus irmãos criam nele” v. 5.

Os irmãos de Jesus agiam como o povo em geral da época. Queriam expor a Jesus ao público, porque sabiam que o povo procurava matá-lo. Principalmente os maiorais do judaísmo. Jesus pregava a verdade, o que era necessário para a salvação das almas imortais. Os seus irmãos eram tão ignorantes da Palavra quanto os demais cidadãos da época, e tão invejosos também. Falar para Jesus mostrar os sinais que Ele fazia aos seus discípulos, não era necessário, pois se Ele tinha discípulos é porque O acompanhavam, e também viram os sinais. Ninguém tem discípulos se não fizer nada de extraordinário. Mostrar os sinais ao público, não era necessário, porque Jesus andava por todos os lugares pregando, curando, realizando os mais variados sinais. E se Ele quisesse, Ele acabaria com qualquer dúvida, qualquer crítica, qualquer inveja.

Mas o Senhor Jesus foi complacente com Seus irmãos, e respondeu-lhes: “O meu tempo ainda não chegou, mas o vosso sempre está presente” v. 6. “Não pode o mundo odiar-vos, mas a mim me odeia, porque eu dou testemunho a seu respeito de que as suas obras são más” v. 7. Jesus alerta os seus irmãos de que o Seu tempo ainda não chegou, mas que o tempo deles sempre estava presente, porque Jesus tinha um ministério a realizar no tempo certo. Enquanto não chegasse o momento, nada se realizaria. Quanto aos Seus irmãos o tempo sempre estava presente, porque eles não sabiam o que aconteceria num futuro bem próximo.

Através desse diálogo com os Seus irmãos, Jesus nos ensina que aquele que recebê-lo em seu coração/alma/espírito sabe o que acontecerá com o seu presente e o seu futuro. Com Jesus tudo acontece no momento certo, no lugar certo, sempre em Sua companhia. Cuidados e abençoados por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Mas os que procuram denegrir a pessoa do Senhor Jesus, o seu tempo está sempre presente. A qualquer momento o inimigo das almas imortais está pronto a atacar. Os irmãos de Jesus estavam tão perto d’Ele, conviviam com Ele, mas não creram n’Ele. Tiveram uma oportunidade de ouro de serem salvos pelo Senhor, e continuarem na presença d’Ele nas mansões celestiais.

Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” João 14.6.

“Aquele não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” 1 João 4.8.

Graça e Paz!

Os discípulos escandalizados

Os discípulos escandalizados

Os discípulos escandalizadosJoão 6.60-71

Muitos dos discípulos de Jesus não gostaram de ouvir as Suas palavras. Porque eram e são Palavras sábias a respeito do Reino de Deus, e da salvação das almas imortais. Aqueles que não gostaram murmuravam a respeito de Suas Palavras. Jesus interpelou-os: “Isto vos escandaliza?” v. 61b. Disse ainda: “Que será, pois, se virdes o Filho do homem subir para o lugar onde primeiro estava?” v. 62.

“O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” v. 65. O Senhor Jesus alertou a respeito daqueles descrentes que caminhavam com eles, mas não criam nem se preocupavam com a área espiritual de suas vidas. Junto estava também aquele que havia de traí-lo. Jesus ainda afirmou: “Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido” v.65. “À vista disso, muitos dos seus discípulos O abandonaram e já não andavam com Ele” v. 66. Eles disseram: “Duro é este discurso; quem o pode ouvir?” v. 60b.

Jesus deixa bem claro, que as pessoas que vem até Ele, são aquelas que Pai as enviou. Muitos são chamados, mas poucos, escolhidos. (MT. 22.14). Quando Jesus viu que muitos O abandonaram, perguntou aos doze: “Porventura, quereis também vós outros retirar-vos?” v. 67. Mas Simão Pedro respondeu-Lhe: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras da vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o Santo de Deus” vs. 68,69. Podemos ver que alguns discípulos tinham a cabeça no lugar. Estavam preocupados com a vida eterna. E sabiam que o Senhor era, é e será o Santo de Deus. Entenderam a grande importância de ficar perto de Jesus e aprender mais, e viver mais próximo do Senhor. Simão Pedro representando os demais discípulos pergunta: “… para quem iremos nós?”.

Isto é sabedoria. Preocupar-se com o futuro, fixar bem as palavras de Jesus e caminhar com Ele. Jesus ainda disse: “Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo” v. 70. Jesus estava se referindo a Judas Iscariotes que estava para traí-lo. No decorrer do tempo aconteceu e acontece a mesma coisa. Muitos são chamados, mas poucos, escolhidos. Poucas pessoas valorizam a Palavra de Deus. Muitas pessoas ouvem, acham-na interessante, mas não quer compromisso com o Senhor Jesus. Todas as pessoas deveriam valorizar o tempo. Aprender de Jesus, assegurar o direito à vida eterna nas mansões celestiais.

Tempo perdido não se encontra mais. Tempo é a herança que o Senhor Deus entrega em nossas mãos. Se o usarmos bem, ganharemos e acumularemos galardões (recompensa de serviços valiosos, prêmio, honra, glória) no céu. Se usarmos mal o nosso tempo deixaremos de acumular galardões. O tempo é algo muito precioso, porque uma vez perdido não se encontra mais, não volta atrás. Não há como retroceder. Por isso, a nossa herança espiritual é valiosa demais, deve ser valorizada o máximo possível.

Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida” Jo. 8.12.

“… e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” João 8.32.

Graça e Paz!

A murmuração dos judeus

A murmuração dos judeus

A murmuração dos judeus 4João 6.41-59

Quando Jesus disse: “Eu sou o pão que desceu do céu” v.41b, o povo judeu encheu-se de inveja. Não podiam aceitar que Jesus dizia ser o Pão do Céu. Diziam entre si: “Não é este Jesus, o filho de José? Acaso não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: Desci do céu” v. 42. Os judeus não podiam aceitar nada diferente daquilo que eles próprios criaram, colocaram em prática, ou seja, rituais vazios, sem significado espiritual algum para Deus.

Os sacerdotes, os escribas (doutores da lei, entre os judeus), os fariseus (fariseu: hipócrita, excessivo formalismo, seguidor formalista de uma religião, fiel orgulhoso ou hipócrita, indivíduo hipócrita, fingido, que aparenta santidade, não a tendo – Dic. Aurélio) não queriam perder as regalias que tinham dentro da religião judaica. Então, passaram a perseguir e maquinar a morte de Jesus. Diversas vezes tramaram contra a vida de Jesus.

Os sacerdotes, os escribas e os fariseus deveriam conhecer muito bem a Palavra de Deus no Velho Testamento, e reconhecer o Senhor Jesus como o Filho de Deus prometido em todas as Escrituras do Velho Testamento, mas não parece que conheciam tão bem assim as Escrituras Sagradas ou a desonestidade era extrema, a tal ponto de zelar por rituais sem significado, cobrando do povo o cumprimento das leis que Deus dera a Moisés, mas que ninguém conseguiu cumprir.

Portanto, só Cristo cumpriu toda a lei, Ele foi o sacrifício vivo para salvar todo aquele que n’Ele crê. Deus dera a lei a Moisés, e este deveria passá-la ao povo. Como a lei era perfeita, não havia engano, nem meio termo, a pessoa cumpriria toda a lei ou se falhasse num só ponto, tudo estava errado ou não cumprido. Nenhum ser humano conseguiu cumprir a lei, então todos estavam condenados. Daí a vinda de Jesus para cumprir toda a lei e realizar o sacrifício vivo agradável a Deus. Através do sacrifício de Jesus veio a salvação a todo aquele que n’Ele crê.

“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” Efésios 2.8.

“E a paz de Deus que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” Filipenses 4.7.

Graça e Paz!

Jesus, o Pão da Vida

Jesus, o Pão da Vida

JESUS, O PÃO DA VIDA 1João 6.22-40

Jesus disse: “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” v. 35.

Quando a multidão procurou a Jesus do outro lado do mar, no dia seguinte ao que Jesus fizera o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, não O encontraram, nem a Seus discípulos. A multidão, então, partiu para Cafarnaum a Sua procura (Jesus). Encontraram-nO, e lhe perguntaram quando havia chegado lá. Jesus sabia que a multidão não estava preocupada com os sinais que O vira realizar, na multiplicação dos pães e dos peixes, mas estava preocupada apenas com a alimentação que Jesus lhes oferecera.

Jesus lhes respondeu: “… vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes” v. 26b. A multidão estava interessada unicamente na comida que o Senhor oferecera no dia anterior. Viram o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, e acharam que viveriam assim todos os dias. Não estavam preocupados com a alimentação espiritual. Acontece atualmente a mesma coisa. O exemplo, muitas pessoas se interessam por alguns trabalhos de evangelização apenas quando supõem encontrar comida (lanches) à disposição.

Jesus chama a atenção da multidão: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo” v. 27. Para Jesus o importante era a comida espiritual, porque esta permanece para a eternidade. Esta comida é tão importante que não se acaba, pelo contrário, podemos acumulá-la cada vez mais para a vida eterna.

Jesus é o Pão do Céu para alimentar todo aquele que desejar ter paz, alegria, amor, tranquilidade, bondade, e viver seguro com Jesus Cristo em sua vida, e no futuro viver nas mansões celestiais juntamente com Ele e seus salvos e bem-aventurados.

No Velho Testamento encontramos também o pão do céu que Deus mandou ao povo judeu enquanto estava no deserto. Deus alimentou o seu povo com maná (alimento que, segundo a Bíblia, Deus mandou em forma de chuva, aos israelitas no deserto – Dic. Aurélio). Maná era enviado por Deus em forma de farinha, e era enviado em abundância, mas cada pessoa só podia colher o suficiente para consumir no dia, caso guardasse para o dia seguinte o alimento se deteriorava.

A ordem de Deus era que se colhesse de manhã o suficiente para cada pessoa consumir no dia. Enquanto o povo judeu caminhava no deserto, Deus os alimentava diariamente, e os conduziu seguros à terra prometida. Assim Deus age na vida de cada ser humano que anda com o Senhor Jesus. Deus os alimenta espiritualmente, e os conduz seguros à vida eterna prometida por Ele: “Disse Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” Jo. 14.6.

Há diferença entre o maná – pão do céu – alimento orgânico, material, para a sobrevivência do ser humano, para o Pão do Céu (espiritual). O povo judeu estava no deserto a caminho da terra prometida a ele por Deus. No deserto não há como plantar, cuidar, colher o mantimento. Então Deus os conduzia com todos os cuidados necessários. A partir do momento que tomaram posse da terra prometida, passaram a cuidar de si próprios e de sua alimentação material.

Jesus Cristo é o Pão da Vida espiritual. Pão espiritual também exige cuidados, cultivo, que são necessários para uma boa colheita espiritual. Os cuidados e cultivo são: leitura da Palavra de Deus, oração, meditação, santificação, cuidar de tudo que pertence ao alto. Todo aquele que comer desse Pão tem a vida eterna “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne” v.51.

“Então, disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover do céu pão, e o povo sairá e colherá diariamente a porção para cada dia, para que eu ponha à prova se anda na minha lei ou não” Êxodo 16.4.

“Eis que o Senhor vos ordenou: Colhei disso cada um segundo o que pode comer um gômer (3,7 litros) por cabeça, segundo o número de vossas pessoas; cada um tomará para os que se acharem na sua tenda” Êx. 16.16.

“Fez chover maná sobre eles, para alimentá-los, e lhes deu cereal do céu” Salmo 78.24.

Graça e Paz!

Jesus anda por sobre o mar

Jesus anda por sobre o mar

Jesus anda por sobre o mar 1João 6.16-21.

“Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador” Is. 43.11.

Ao entardecer os discípulos de Jesus desceram para o mar, e tomaram um barco para passarem do outro lado, rumo a Cafarnaum. Jesus não estava com eles, porque subiu ao monte, a fim de orar sozinho. Quando estavam longe, vinte e cinco a trinta estádios, e já estava escuro, as águas começaram a agitar-se cada vez mais forte, e um vento amedrontador começara a trazer medo aos discípulos de Jesus. Havia muita insegurança, porque Jesus não estava com eles no barco. Ao longe, os discípulos avistaram um vulto que vinha em direção ao barco, e ficaram atemorizados, porque acreditaram tratar-se de um fantasma. Não reconheceram a figura de Jesus, apenas viram um vulto. Mas Jesus lhes disse: “Sou eu. Não temais!” v. 20. Eles de bom grado receberam a Jesus no barco, e logo chegaram ao seu destino. As pessoas ficam amedrontadas por qualquer acontecimento que foge ao seu controle, porque lhes faltam segurança espiritual, e a presença marcante de Jesus em suas vidas. As pessoas se apegam as mais variadas coisas ou objetos para se agarrarem, mas isto não satisfaz.

Quantas vezes as pessoas se apegam a alguma coisa ou objeto feito pela mão humana e creem no objeto como se fosse um deus. Sempre ficam decepcionadas, porque tudo que é feito pela mão humana é imperfeito, falho e decepcionante. Tudo que é feito pela mão humana é menor que o ser que o construiu ou o fez. Somente Jesus que foi ao encontro dos discípulos, e subiu no barco para acalmá-los, é real. Jesus é vivo, e, assim, é um Ser; portanto, Ele pode agir, reagir, e fazer maravilhas.

O mar simboliza a vida agitada de cada ser humano, cheia de altos e baixos. No decorrer da vida aparecem tantos imprevistos que é muito difícil a pessoa caminhar sozinha. O ser humano foi criado para ser dependente do seu Criador. Deus ama a Sua criação, e tem planos maravilhosos para oferecer a todo aquele que humildemente volta-se a Ele, entrega a Sua vida nas mãos d’Ele. Deus enviou Jesus Cristo para realizar a obra da Redenção. Nós vivemos na época da graça, porque Jesus oferece a salvação de graça a todo aquele que quiser ser salvo. A oportunidade nos é dada aqui, enquanto estamos vivendo, depois não haverá outra chance.

Jesus anda sobre o mar da vida. Quando tudo parece perdido, o medo se apodera da pessoa, ela vê a Jesus como um fantasma ao longe se aproximando. Cabe a cada pessoa se manifestar, e querer que Jesus entre no seu barco (vida) e dissipe todo o medo, treva, temor, e receba-O com alegria. Jesus está sempre perto para resolver todo e qualquer problema, quer seja fácil, quer seja difícil. Para Jesus não há impossíveis, tudo e todos estão ao Seu alcance. O nosso barquinho (vida) é frágil, nós somos medrosos, não temos confiança em nós mesmos o suficiente para enfrentarmos as tempestades da vida. Mas temos a Fortaleza que é o Senhor Jesus para nos dirigir, nos comandar, nos cuidar como se fôssemos pequenos seres indefesos, a pedir ao Senhor para nos abrigar de todo o mal. “Não temas, ó bichinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel” Isaías 41.14. Santo de Israel – Jesus Cristo. (… povozinho de Israel – pessoas que aceitaram o Senhor Jesus como o seu único e suficiente Salvador pessoal).

O Senhor Deus nos diz: “Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo não te queimarás, nem a chama arderá em ti” Is. 43.2.

“Cantai ao Senhor um cântico novo, e o seu louvor desde o fim da terra: vós que navegais pelo mar, e tudo quanto há nele; vós, ilhas, e seus habitantes” Isaías 42.10.

“Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro” Apoc. 22.1.

Graça e Paz!

A multiplicação de pães e peixes

A multiplicação de pães e peixes

Multiplicação dos pães ...João 6.1-15

Jesus atravessou o mar da Galiléia, que é o de Tiberíades, e numerosa multidão O acompanhava. Eles acompanhavam a Jesus porque tinham visto os sinais que Ele fazia. Curando muitos enfermos, isto despertava grande curiosidade na multidão. Jesus subiu ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos. Era uma época próxima a Páscoa dos judeus. Os judeus comemoravam a Páscoa todos os anos com grande festa. A Páscoa dos judeus foi comemorada pela primeira vez, quando Moisés libertou o povo da escravidão do Egito. Foi uma libertação política e geográfica. O Senhor Deus ouvira o clamor de seu povo, e enviou Moisés para libertá-lo, e levá-lo a uma terra que Ele mesmo preparou e abençoou para fixar o seu povo.

Jesus vendo aquela multidão que vinha ter com Ele, disse a Filipe: “Onde  compraremos pães para lhes dar a comer?” v 5b. “Mas dizia isto para experimentá-lo; porque Ele bem sabia o que estava para fazer” v. 6.  Filipe pensou um pouco e respondeu-lhe: “Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu pedaço” v 7. Seria muito difícil encontrar tantos pães de uma só vez, e seria apenas um pedaço cada um. Não seria o suficiente para alimentá-los bem.

Naquele momento, André, irmão de Simão Pedro, informou a Jesus que um rapaz tinha cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas isto não significava nada diante da multidão que estava ali.  Jesus lhe disse: “Fazei o povo assentar-se; pois havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil” v 10. Somente os homens de dezoito a sessenta anos eram contados. As mulheres, as crianças e os idosos não eram contados entre o povo, nem na multidão.

“… Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam” v 11. Todos que estavam ali se fartaram. Em seguida, Jesus disse aos seus discípulos: “… Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca”v 12b. Ao recolher as sobras, verificaram que doze cestos de pedaços estavam cheios. Recolheram as sobras para que nada se perdesse. Sendo Jesus o Pão da Vida nenhuma Palavra Sua se perde. “… assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei” Is. 55.11. Tudo tem valor específico na Palavra de Deus. Todos que viram o sinal que Jesus fizera, disseram: “Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo”v 14.

Com a multiplicação dos pães e dos peixes Jesus marcou a Sua presença como sendo o pão da vida “Eu sou o pão da vida” Jo. 6.48. O Pão da Vida se multiplicou, multiplica e se multiplicará de tal maneira, que é suficiente para alimentar espiritualmente todos os seres humanos existentes na face da Terra, e ainda sobra muito pão. Pão era e é um artigo de vital importância como alimento e deixou sua marca na linguagem e no simbolismo. Desde os tempos mais antigos a palavra “pão” vem sendo usada para indicar alimento em geral. “… no estio, prepara o seu pão, na sega, ajunta o seu mantimento” Pv. 6.8. O pão era e é o alimento completo para o ser humano. O Pão da Vida, Jesus, é mais completo ainda para cada vida que se entregar a Ele.

No texto encontramos que eram cinco pães de cevada, porque a cevada era cereal mais usado e mais comum na confecção de pães. Jesus é o pão como alimento espiritual completo, não só para satisfazer as necessidades totais, mas para oferecer saúde espiritual para todo aquele que estiver na multidão daqueles que esperam no Senhor Jesus. Não há limite para esta multiplicação, porque Jesus é o Pão da Vida.

“Eu sou o Pão Vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá por mim eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne”. Jo. 6.51.

. ”Jesus é o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vai ao Pai, senão por Ele” Jo. 14.6.

Graça e Paz!

 

 

JESUS EXPLICA A SUA MISSÃO

JESUS EXPLICA A SUA MISSÃO

Jesus é o Caminho ...João 5.19-47

“Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” Jo. 5.19.

“Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” v. 24.

Jesus falou sobre a Sua missão para com o ser humano. Jesus foi o enviado de Deus para que realizasse o ministério da salvação das almas imortais. Jesus disse que tudo quanto Ele fazia era antes mostrado a Ele pelo Pai. Jesus desenvolveu um ministério profícuo. Realizou muitos milagres, curou muita gente das mais diversas enfermidades, abriu os olhos aos cegos, recuperou os coxos, abriu os ouvidos aos surdos, fixou, principalmente, o ministério da salvação das almas imortais. Esta verdade é pregada ao mundo inteiro, para que ninguém alegue ignorância no dia em que Deus o chamar a Sua presença. “… os que tiverem feito o bem, (aceitado o sacrifício de Jesus na cruz do calvário) para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal (caminhado segundo o seu próprio querer), para a ressurreição do juízo” v. 29.  Em Daniel encontramos “Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno” Dn. 12.2.

Jesus ressalta a importância da salvação das almas imortais. Porque uma vez salva a alma imortal, ela está incluída no plano de salvação do Senhor nosso Deus. Poucas pessoas estão preocupadas com o porvir. Muitas vezes dizem que morreu acabou, mas a verdade é que existe uma vida eterna. Então, porque não se preocupar com ela? Em Mateus 17.2,3 “E foi transfigurado (Jesus) diante deles (Pedro, Tiago e João); o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com Ele”.

Com estes versículos podemos confirmar que há a vida eterna. Moisés e Elias morreram havia perto de três mil anos antes da vinda física de Jesus ao nosso meio. No entanto, vieram ter com Jesus e tratavam a respeito do sacrifício do Senhor Jesus na cruz do calvário. Eles não falaram com Pedro, Tiago e João, estes apenas os viram e os reconheceram. Atônitos com a presença de Elias e Moisés, os discípulos se propuseram a fazer três tendas, mas eles não sabiam que Moisés e Elias não viriam morar em casas feitas pelas mãos humanas, uma vez que eles estavam na glória de Deus.

O Senhor explica a sua missão, que era realizar a obra para a qual o Pai o enviara. Jesus manda que as pessoas examinem as Escrituras, porque nelas as pessoas encontram o caminho para uma vida completa aqui na Terra, e, no porvir, a vida eterna nas mansões celestiais. Elas testificam a respeito de Jesus, e fornecem a receita para uma vida feliz espiritualmente, e quem vive feliz espiritualmente também o é, física, emocional, e materialmente. Quem consulta a Deus antes de tomar qualquer decisão, sempre tem mais oportunidade de realizar o certo, justo, ao contrário daquele que segue a sua própria orientação. Deus é dono de tudo e de todos. Portanto, Ele tem condições da dar orientações corretas, seguras, e, no porvir, oferecer de graça a vida eterna juntamente com Jesus e os seus salvos.

“Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente” Sl. 16.11.

Graça e Paz!

A cura de um paralítico

A cura de um paralítico

A cura de um paralítico 1João 5.1-18

Durante uma festa dos judeus em Jerusalém, Jesus também compareceu. Existia ali um grande tanque, junto à Porta das Ovelhas, chamado de Betesda, o qual era mui grande. Naquele lugar havia uma multidão de enfermos, paralíticos, cegos, coxos. Todos que estavam ali criam que em certo tempo descia um anjo e agitava a água. Quando a água era agitada, o primeiro que entrasse no tanque seria curado de qualquer enfermidade.

Estava ali um homem enfermo havia trinta e oito anos. Jesus olhando para aquele homem compadeceu-se dele, e perguntou-lhe: “… Queres ser curado?” v. 6b. Mas o enfermo respondeu que não tinha ninguém que o atirasse no tanque, sempre outro ia à frente. Jesus disse-lhe: “Levanta-te, toma o teu leito e anda” v. 8b. Jesus não precisou atirar aquele homem no tanque, nem agitar a água, simplesmente Jesus disse: “Levanta-te, toma o teu leito e anda” v.8.

A fonte de água pode ser comparada à multidão, e os coxos, cegos, enfermos de maneira geral, espiritualmente falando, que fazem parte dessa multidão. Jesus passando por ali viu uma única pessoa que tinha o coração voltado para a área espiritual. Este homem estava à espera da cura durante trinta e oito anos. Quando Jesus lhe perguntou se ele queria ser curado, imediatamente aceitou. Jesus ordena e todas as coisas acontecem. Ele não necessita de tanque com água, nem crendices que se a água mover-se a pessoa que entrar primeiro seja  curada. Crendices e superstições não levam a lugar nenhum, nem curam ninguém, pelo contrário, a pessoa fica anos e anos sofrendo do mesmo mal espiritual.

Os judeus viviam presos às crendices e superstições, que não tinham nada a ver com a verdadeira cura da alma. A cura daquele homem foi imediata, todos ali puderam testemunhar o acontecimento, mas só aquele homem sentiu a presença de Jesus, e creu n’Ele. Pouquíssimas pessoas são sinceras espiritualmente, e o número de cegos, coxos, enfermos espirituais, é muito grande, ou seja, cada vez maior. Mas Jesus está passando constantemente, próximo a fonte (multidão), e perguntando a cada um: “Queres ser curado?” v. 6b. Todo aquele que responder que sim, é curado imediatamente, este se levantará curado tomará a sua responsabilidade e caminhará tranquilo com o Senhor Jesus. E glorificará o nome do Senhor Jesus.

Os principais sacerdotes procuravam algum senão para tirar Jesus de circulação. Assim, acontece hoje, é mais fácil a pessoa criticar, blasfemar, desfazer da Palavra de Deus, do que aceitar o milagre de Jesus na vida de uma pessoa. Uma conversão é um milagre. O Senhor ordena:  tome a tua responsabilidade espiritual e anda com Jesus vinte e quatro horas por dia e receba as bênçãos que Ele tem preparado para todo aquele que receber esta ordem, e seguir alegremente pelas sendas da vida. “Imediatamente, o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar…” v. 9.

Todos quantos receberem esta ordem tem vida e vida em abundância, isto é, a verdadeira vida. Enquanto aquele homem esperava por uma ação humana, pela vontade das pessoas, ele continuava deitado em sua cama, enfermo, e sem perspectivas. Quando Jesus chegou, resolveu de imediato. Jesus é a solução para toda e qualquer enfermidade espiritual. Jesus pergunta a pessoa se ela quer ser curada. Jesus nunca  contraria a vontade da pessoa, mas ele respeita toda e qualquer decisão. Se a pessoa quiser ser curada, Jesus realiza o milagre na vida dela. Uma vez realizado o milagre da salvação, não há retorno. É só receber as bênçãos e caminhar com Jesus, e no futuro morar na mansão celestial juntamente Ele e com os demais salvos.

Jesus disse: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” Apoc. 3.20.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” Ef. 2.8.

“Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” 1 Pe. 2.9.

Graça e Paz!