Browsed by
Mês: maio 2015

Voz do que clama no deserto

Voz do que clama no deserto

Voz do que clama no deserto. 5

O profeta Isaías disse: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” Is. 40.3.

Desde a mais remota antiguidade o ser humano tem preferência pelas decisões erradas espiritualmente, e que levam a um retorno nada agradável. Toda decisão tem um retorno. Quando é correta, verdadeira, dentro dos parâmetros honestos, o retorno é igualmente satisfatório, gratificante. Mas as decisões, geralmente, são contrárias a tudo que é correto, honesto, e de boa fama, e levam as pessoas a admirarem tudo que conduz a um caminho sem volta. Porque tempo perdido não se encontra mais, o que passou, passou, e a oportunidade também. Pode aparecer outra oportunidade, mas aquela perdida caiu num vácuo. Fica somente a lembrança daquilo que não deveria ter sido feito ou vivido. Daí vem o arrependimento. Mas arrependimento não traz tempo de volta, nem conserta o que foi feito errado.

O Senhor nosso Deus é tão misericordioso, amoroso, que criou o ser humano à sua imagem e semelhança moral, espiritual, e deixou também o manual para que fosse seguido. Ali, está escrito tudo o que se refere ao ser humano, basta ele conhecê-lo bem (o manual). Neste manual de vida para a pessoa consta tudo sobre a vontade de seu Criador. Deus quer que o ser humano viva feliz, despreocupado, saudável espiritualmente. Por isso Ele chama a atenção para que seja conhecido o manual de vida humana.

Por ser muito precioso, riquíssimo em ensinamentos, de um valor incalculável para a educação de todo ser humano, a maioria das pessoas prefere não conhecê-lo. Encontramos o profeta Isaías que clama: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” Is. 40.3 e Mt. 3.3. Qual voz que clama no deserto? A voz de Deus que desde o princípio fala com o Seu povo. Toda pessoa que quer transmitir o conhecimento da Palavra de Deus, prega no deserto dos corações. Este deserto é muito árido, difícil. O vento das más palavras leva o som das boas palavras. O Senhor nosso Deus diz: “E será que, antes que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei” Is. 65.24.

É muito comum a pessoa querer as bênçãos, mas não o Senhor das bênçãos. Quer que Deus ouça a sua oração ou o seu pedido, mas não quer compromisso com Ele. Quando a situação aperta muito, como no caso da saúde, ou algo sem solução, o normal é a pessoa correr para perto de alguém que ore, e que crê firmemente no Deus verdadeiro. E a voz continua clamando no deserto dos corações. Não há lugar para o Senhor Jesus, assim como, não houve lugar na cidade de Jerusalém para o nascimento do Senhor Jesus. Foi necessário que Ele nascesse numa manjedoura juntamente com os animais, numa noite fria, muito fria e deserta.

Assim acontece hoje, não há lugar para o Senhor Jesus no coração da pessoa, ela só busca o Senhor numa noite muito fria, às escondidas, longe do convívio das demais pessoas. A Jerusalém (o coração) da pessoa está lotada pelos mais diversos interesses, menos os espirituais. Mas há um momento em que a necessidade chega, e conduz a pessoa a ver as boas palavras da salvação, i.e, aqueles que conseguem ver. O manual divino, ou seja, a Palavra de Deus continua no deserto dos corações humanos. Suas promessas são para aqueles que convidarem o Senhor Jesus a entrar em sua casa (coração), e permanecer firme com Ele, e no porvir a vida eterna juntamente com Jesus Cristo e os demais salvos.

“Ouvi uma voz do céu como voz de muitas águas, como voz de grande trovão; também a voz que ouvi era como de harpistas quando tangem a sua harpa” Ap. 14.2.

Graça e Paz!

A grandiosa solução: A ressurreição de Jesus Cristo

A grandiosa solução: A ressurreição de Jesus Cristo

Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9).

Ressurreição 2Desde os primórdios da civilização quando o ser humano pecou, desobedeceu  a ordem do Senhor Deus, e foi ao encontro do pecado, daí resultou a morte espiritual, em conseqüência a morte física, e a vida sem esperança. O pecado entrou no mundo através de um homem, e o resultado atingiu todos os seres humanos. Todos morrem sem exceção. O sofrimento veio em  todas as áreas da vida. O ser humano desfez o plano de Deus para viver uma vida de pecado, de desobediência, de sofrimento, enfermidades, e muitos revezes que acontecem no decorrer da vida.

Mas a promessa de Deus foi cumprida. Ele enviou Jesus Cristo, Seu Filho Unigênito, para que cumprisse tudo o que fora dito pelos profetas do Senhor Deus, e morresse na cruz do calvário, derramando o Seu precioso sangue, para que olhássemos para Ele e sentíssemos que aquele lugar era de cada um de nós. Jesus ressuscitou ao terceiro dia após a sua morte. Mostrou-nos que Ele é o Salvador de todo aquele que n’Ele crê. Ele morreu e ressuscitou, venceu a morte e nos mostrou que se O recebermos como nosso único e suficiente Salvador pessoal, também ressuscitaremos como Ele ressuscitou e viveremos  eternamente junto a Deus Pai.

Jesus Cristo é o próprio Deus que reconcilia o ser humano com Ele, e lhe oferece  a oportunidade de volta ao paraíso celeste, como era no princípio.  Mas Deus quer que cada pessoa tome a sua decisão individualmente, de livre e espontânea vontade. O Senhor Deus oferece a todos a mesma oportunidade, sem acepção de pessoas. O Apocalipse nos mostra a maravilha que é o Paraíso Celeste. “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (Jo 11.25).

A vida de quem recebe o Senhor Jesus como seu Salvador pessoal, muda totalmente. A pessoa começa receber as bênçãos prometidas por Ele. A paz que somente Jesus pode dar (João 14.27). E no porvir a vida eterna no paraíso celeste. Quando Jesus subiu ao monte da transfiguração com Pedro, Tiago e João, transfigurou-Se  diante deles, para mostrar como era um pouquinho de Sua glória, trouxe também Elias e Moisés para falar com Ele (somente com Ele – Jesus). Elias e Moisés já estavam na glória há muitos e muitos anos. Ali, Jesus mostra a maravilha da ressurreição.  Mt. 17.1-8. Embora, haja muitos problemas, dificuldades e sofrimentos, tudo fica mais leve, mais compreensível quando o Senhor caminha conosco. Não há promessa de um mar de rosas na vida de uma pessoa, mas há promessa da companhia e dos cuidados  contínuos do Senhor Jesus.

A ressurreição de Jesus Cristo oferece uma vida abundante de bênçãos, confiança no futuro, sem medo do que possa acontecer, porque o Senhor está com a pessoa. Uma vida cheia de esperança, porque a pessoa pode fazer planos para o futuro, ter a certeza de que não está sozinha, mas com uma ótima companhia. Quando recebemos o dom da vida espiritual, somos postos em liberdade (João 8.32). O Senhor Deus oferece a passagem gratuita de volta ao lar celestial. Basta procurá-la com o Senhor Jesus Cristo, Ele já pagou por ela na cruz do calvário.

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo. 10.10).

Graça e Paz!

… e o vosso pecado vos há de achar…

… e o vosso pecado vos há de achar…

... e o vosso pecado vos há de achar

“Porém, se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o Senhor; e sabei que o vosso pecado vos há de achar” Nm. 32.23.

Sábio é aquele que aproveita a grande oportunidade que Deus lhe oferece gratuitamente, que é a salvação eterna de sua alma imortal. O Senhor Deus enviou o Seu Filho Unigênito: Jesus Cristo, para desenvolver o ministério que Ele planejara cuidadosamente para a salvação de todo aquele que se preocupa com a sua alma imortal, e quer salvá-la para a eternidade. Jesus nasceu como foi escrito e anunciado pelos profetas do Velho Testamento. Jesus Cristo realizou todo o ministério que Deus Pai Lhe confiou. Morreu na cruz do calvário, derramou o Seu precioso sangue, ressuscitou ao terceiro dia. Ressuscitado, subiu ao céu para junto de Deus Pai. Jesus prometeu que voltará (At. 1.9). Todo aquele que crer n’Ele será salvo.

Deus realizou Seu grande plano para que todo aquele que aceitar esse plano, receba as bênçãos prometidas por Ele, e a vida eterna juntamente com Ele e os demais salvos e bem-aventurados.  Aquele que fizer o contrário, e  valorizar mais o material, físico ou orgânico, que o espiritual, e viver em pecado continuamente, deveria pensar que todo pecado não confessado, não arrependido, não perdoado, por mais oculto que esteja, um dia voltará  à tona com o seu resultado maior do que ele representava. A Palavra de Deus diz: “… e sabei que o vosso pecado vos há de achar”. Para Deus não há limite de tempo, para Ele o tempo é sempre presente, eternamente presente. Se a pessoa cometer pecado abominável, hediondo, hoje, com certeza receberá o retorno em qualquer época de sua vida. Quando tudo parecer tranquilo, esquecido, eis o resultado a porta, e nem sempre em condições de ser resolvido a contento.

A pessoa depravada, amoral, não toma conhecimento da verdade divina, nem se preocupa com a salvação de sua alma imortal. Esta pessoa está zombando de Deus, porque Ele é o Senhor e Criador de tudo e de todos. A Ele devemos toda honra, toda glória, todo poder, e é para Ele que devemos voltar os nossos olhos, nossos pensamentos, nossas vidas. A Palavra de Deus diz que de Deus não se zomba, e tudo aquilo que a pessoa fizer ou praticar isso também ceifará ou colherá (Gl. 6.7). Isto porque o Senhor Deus está em todos os lugares, não há onde se esconder ou fugir de Seus olhos (Sl. 139).

Quando menos a pessoa espera, eis que o pecado praticado está de volta,  retornando com valor dobrado ou multiplicado. Se as ações bem planejadas, bem realizadas, frutificam com o passar do tempo, e apresentam seus preciosos frutos, acontece a mesma coisa com as ações pecaminosas, isto é, elas apresentam os frutos ruins dessas ações, com retorno multiplicado. O tempo não para, e  o ser humano vive e planta as mais variadas sementes, e,  no tempo certo colhe o resultado do plantio. Para isso, Deus nos deu a bênção do discernimento entre e o bem e o mal, e nos deixou livres para escolhermos entre um e outro. Deus exige que cada ser humano responda pela decisão individual e personalizada, para o bem ou para o mal.  Se  ele, em suas ações,  quer ser salvo,  e pratica o bem,  ou se quer seguir os seus próprios desígnios, quase sempre para o mal.  Os frutos virão de acordo com o plantio realizado.

Deus ama a todos indistintamente, para Ele não há acepção de pessoas. Deus é um Pai amoroso, bondoso, cuidadoso, mas Ele é extremamente justo. N’Ele não há nenhuma sombra de dúvida, nenhuma mudança, nem um senão. Deus é Amor (I João 4.8).

“Não vos enganeis:  de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” Gl. 6.7

Graça e Paz!.