Browsed by
Mês: janeiro 2016

O Senhor será contigo

O Senhor será contigo

“O Senhor é quem vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes” Dt. 31.8.

Como é maravilhoso e agradável caminhar com o Senhor nosso Deus. A Palavra de Deus nos diz que o Senhor vai adiante de nós, abrindo caminho, protegendo-nos de todo e qualquer mal. A companhia do Senhor é sem igual. A segurança que Ele nos oferece é inquestionável. Ele não nos deixará, nem nos desamparará, porque Ele quer que caminhemos sempre sob Seus cuidados, Seu Amor de Pai. Ele nos diz também para não temermos, nem nos atemorizarmos, porque Ele está sempre conosco.

Com a presença do Senhor Deus em nossas vidas, não temos o que reclamar. O Senhor nos quer  dependentes d’Ele, porque nós não conseguimos nos proteger sozinhos. Somos iguais as ovelhas, que são indefesas, mansinhas, fraquinhas diante do inimigo. O inimigo das almas imortais é muito forte, somente o Senhor Deus para derrotá-lo, e afastá-lo de nós. O Senhor nos cerca de carinho, amor, proteção. Ele quer o melhor para nós. A Sua companhia é muito agradável e indispensável. O Senhor Deus criou o ser humano a  sua imagem e semelhança moral (Gn. 1.26). Portanto, Deus tinha e tem um plano para o ser humano.

Este deveria viver no jardim do Éden, convivendo com o Senhor Deus, mas o ser humano desobedeceu as ordens do seu Criador e Senhor, e  recebeu a punição pela sua desobediência. Deus mandou-o cultivar a terra e tirar dela o seu sustento. Mas o Senhor preparou um caminho de salvação para que o ser humano possa voltar ao jardim do qual foi afastado. Deus enviou Jesus Cristo para cumprir o castigo imposto por Ele ao ser humano, e oferecer gratuitamente a salvação de qualquer alma imortal que o receber como seu único e suficiente salvador pessoal. A salvação implica no retorno do que crê, na volta ao jardim de onde fora expulso.

Toda alma é imortal, quer seja salva para a eternidade, que seja perdida também para eternidade. É muito sério não receber o Senhor Jesus como seu único e suficiente Salvador pessoal, porque a única oportunidade é durante esta vida, não haverá outra, e o tempo passa muito rápido. Deus é a máxima Perfeição, com Ele tudo fica bem, desde o momento que convidamos o Senhor Jesus para entrar em nossos corações e fazer neles morada. Quando temos o Senhor Deus em nossa companhia Ele vai sempre diante de nós “O Senhor é quem vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes” Dt. 31.8.

Todos os convertidos ao Senhor Jesus Cristo contam com uma alegria espiritual tão grande que até os rios, os montes se alegram e comemoram o seu o bem estar espiritual. Mas o Senhor é longânime, Ele julgará o mundo com justiça, e os povos com equidade, isto é, Deus é maravilhoso, amoroso, mas justo. O Senhor Deus vai sempre adiante de ti, não te deixará, nem te desamparará… O tempo de aceitar a Jesus é agora.

“Os rios batam palmas, e juntos cantem de júbilo os montes, na presença do Senhor, porque ele vem julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos, com equidade” Sl. 98.8,9.

Graça e Paz

Manjedoura

Manjedoura

“… e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-O e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria” Lc. 2.7.

Manjedoura era um recipiente onde se colocava comida aos animais nas estrebarias. No sentido figurado é o lugar onde há alimento para o corpo. Tanto pode ser alimento para o físico, como pode ser alimento espiritual.  Depende do alimento que se coloca ali, o resultado será o seu efeito. A manjedoura espiritual é de exclusividade do ser humano, porque somente  ele possui espírito, e a capacidade de alimentá-lo.

O corpo é o resultado da alimentação que recebe, assim também o espírito. O espírito bem nutrido com a Palavra de Deus, é um espírito que vale a pena onde quer que esteja. Este alimento é forte e saudável a qualquer que se interessar por ele. O Senhor Deus preparou desde os tempos mais remotos tudo do bom e do melhor para o ser humano. O Senhor Deus o ama e quer que ele viva da melhor forma possível. Ele providenciou também um meio para a salvação de todo aquele que quiser esta bênção em sua vida, e que quer retornar ao lar celestial preparado para ele desde a sua criação. Jesus Cristo foi a providência de Deus para que a pessoa seja reconduzida  ao paraíso celeste, de onde nunca deveria ter saído.

Jesus Cristo é o unigênito Filho de Deus que oferece gratuitamente a salvação da alma imortal, é só a pessoa convidá-Lo a entrar em seu coração (Ap. 3.20). O convite é extensivo a todos,  sem acepção de pessoas. Todos são iguais perante Ele. Jesus é o alimento certo para a manjedoura de cada um (João 6.48, 51). Ele é a vida eterna  (João 6.47). Cada ser humano deve cuidar de sua manjedoura física, orgânica, para ter uma vida saudável, e também cuidar da espiritual para que seja bem nutrido espiritualmente, e tenha assegurado o seu lugar de retorno ao lar celestial preparado por Jesus a todos quantos Ele quer bem (Lc. 2.14). A pessoa salva por Jesus é totalmente diferente das outras. Ela vive tranquila, em paz consigo mesma, tudo caminha bem para ela.

A nossa manjedoura recebe alimento que nós escolhemos, quer seja físico, orgânico, ou espiritual, mas o reflexo também corresponde ao que escolhemos. Portanto, a responsabilidade é totalmente nossa. Tudo que acontece  para nós, temos uma grande parcela ou total culpa. Além dos cuidados da manjedoura que pertence  a cada um, há também a responsabilidade para com o próximo. Cada pessoa do Senhor Jesus tem a incumbência de transmitir esses dados aos demais que a cercam. Somente assim vamos ganhar almas para a glória do Senhor Jesus.

Jesus disse: “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” João 6.35.

Graça e Paz!

Natividade

Natividade

“Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus; porque me cobriu de vestes de salvação e me envolveu com o manto de justiça, como noivo que se adorna de turbante, como noiva que se enfeita com as suas joias” Is. 61.10.

Com a aproximação da época natalina, as pessoas sentem uma alegria diferente no ar, são fluidos diferentes. Muita música, luzes bonitas que decoram as casas, lojas, cidades, muitos votos de felicidades, muitos desejos bons,  mais carinho entre as pessoas, mais beleza nas casas, mais vontade de organizar, fazer acontecer coisas boas. Há a preocupação com presentes, viagens, festas,  encontros e reencontros familiares. Tudo muito bonito, muito saudável a todas as pessoas. É necessário que haja período assim para alegrar a vida das pessoas ao término de mais um ano.

Mas, muitas vezes, o essencial fica de fora ou esquecido. O verdadeiro sentido do Natal é mais que festa, que luzes bonitas, mais que tudo que se possa imaginar. O sentido mais remoto que se tem notícia é a maravilhosa  salvação do ser humano da perdição eterna. O nascimento daquele que veio ao mundo, Jesus,  para oferecer gratuitamente a salvação de todo àquele que crê, porque, crendo,  conseguiu ver além de tudo o que viu e viveu, materialmente falando, o esplendor  da salvação – Jesus Cristo.

Em um tempo muito remoto, o nascimento de Jesus aconteceu em um lugar muito escuro, isolado, onde não havia lugar para Ele nas estalagens da cidade, nem luzes bonitas decorando as ruas de Belém; nem brilho por toda parte; ou presentes bonitos ao redor do estábulo; ou ainda curiosos  querendo saber do menino; não havia ninguém por perto, caso houvesse necessidade de ajuda. Naquele momento de grande esperança para a humanidade, porque viria ao mundo físico, o Senhor dos senhores,  o Rei dos reis, não havia ninguém a não ser animais cercando o local. Aquele momento representou bem a situação da humanidade no meio de um mundo de tanta escuridão e insegurança. O seu Salvador veio como um bebê indefeso e alojado numa manjedoura, para trazer o mundo de volta à plenitude por meio do Amor.

Ninguém notou ou tomou conhecimento do acontecido. Ninguém estava preocupado com a salvação, nem sequer percebera que algo muito bom e diferente havia acontecido. Somente alguns pastores conseguiram ver e ouvir a mensagem do anjo do Senhor  (Lc. 2.11), os quais se interessaram e foram ter com o menino (Lc.2.15b).  Aqueles pastores viram o menino e divulgaram a respeito do que o anjo lhes falara. (Lc. 2.14).  Ali, não havia festas, brilhos, presentes, cumprimentos, mas havia o maior brilho do mundo, a chegada do Senhor da Glória, do verdadeiro Amor.

O Senhor trouxe a salvação de todo aquele que n’Ele crê. Todo brilho material, físico, com o tempo desaparece, mas o brilho do Senhor Jesus aumenta mais e mais. Portanto, o verdadeiro Natal é a recepção do Senhor Jesus em cada coração quebrantado e espírito contrito que o convidar para entrar em sua vida, Ele certamente aceitará o convite e fará morada em quem O convidou. (Ap. 3.20). A maior festa com o maior brilho é a presença do Senhor Jesus na vida de uma pessoa. Nada pode se comparar com este acontecimento, porque este é o verdadeiro sentido do Natal. Feliz é a pessoa que conseguiu ver e ouvir a mensagem que o anjo do Senhor Jesus Cristo transmitiu lá distante, num tempo muito remoto, mas  que chegou até hoje com a mesma força total de salvação de todo aquele que crê, e que chegará eternamente aos corações das pessoas que ainda crerão e se salvarão em o nome santo do Senhor Jesus Cristo.

“O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do livro da vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos” Ap. 3.5.

Graça e Paz!