Os trabalhadores de última hora

Os trabalhadores de última hora

 Trabalhadores de última hora

“Mas o proprietário, respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não combinaste comigo um denário?”.  “Toma o que é teu e vai-te; pois quero dar a este último tanto quanto a ti” “ Porventura, não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou são maus os teus olhos porque eu sou bom?” Mt. 20.13-15. (20.1-16).

Quando o assunto é trabalho, proprietário, remuneração, imediatamente, as pessoas pensam e interpretam de forma material. Logo entra a ideia de prejuízo, trapaça, quase nunca percebemos boa vontade, ou boa interpretação do trabalho material. Dificilmente, encontramos pessoas realizadas, satisfeitas, contentes com o trabalho que realizam. Discute-se o número de horas trabalhadas, o contrato firmado, mas geralmente, é a má intenção que impera sempre. Porém, o nosso assunto é a respeito do trabalho espiritual. E que cada trabalhador é contratado em horas diferentes, para um trabalho diferenciado e personalizado. O Senhor Jesus disse: “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também” João 5.17. O proprietário de todo o Universo nos oferece a bênção do trabalho, e nos oferece também um retorno grandioso de nossas ações, um pagamento corretíssimo. Se aceitarmos a Sua oferta, receberemos tudo o que Ele tratou conosco. Ele não mente, não falha em Suas propostas. Esse trabalho se ramifica a outras pessoas, as quais, queremos que nos ouçam, e aceitem a mesma oferta de trabalho feita por esse Proprietário bondoso.

Quanto mais pessoas alcançarmos para o Seu trabalho, melhor para essas vidas salvas do fogo do inferno.  Devemos louvar ao nosso Contratante, porque, o quanto antes Ele nos chamar, mais tempo teremos para nos dedicar ao Seu trabalho. Se trabalharmos mais tempo no campo do Senhor nosso Deus, melhor e mais felizes seremos no decorrer da vida. Desde o momento do contrato, receberemos as bênçãos prometidas por Ele, e também a certeza da vida eterna, juntamente com o Senhor Deus e os demais salvos.  Quanto àqueles que são contratados tempos depois, receberão de acordo com o seu contrato, não importa a parte deles para nós, porque cada pessoa é um mundo diferente, exclusivo, personalizado. O que pertence a um mundo particular, não faz parte do mundo de outrem. Portanto, não há diferença entre os trabalhadores quanto a sua remuneração espiritual, uma vez que o Proprietário assim tratou com cada um em particular.

Cada pessoa é individualmente responsável pela sua vida, sua decisão, seu modo de ser. O Proprietário contrata os trabalhadores, cada qual, um contrato diferente com tempo a trabalhar combinado; não cabe a nós reclamarmos a seu respeito, mesmo porque não sabemos o quanto o outro realizou, e como o fez. Muitas vezes, pessoas que são chamadas tardiamente para trabalhar no campo do Senhor, mas desenvolvem um excelente trabalho, não importa se muito tempo, muitas horas, ou poucas horas, o que importa é, se o Proprietário do campo aprova ou não o seu trabalho. Outras pessoas firmam contrato de trabalho com o Proprietário do campo, mas fazem o trabalho sem muito esforço, relaxadamente, e não se preocupam com o seu resultado, não agindo corretamente com o seu Contratante.

Os versos acima tratam do trabalho espiritual, do tempo e do amor dedicados a esse trabalho. Deus é Espírito e Verdade (João 4.23). Somente o que é espiritual agrada ao Senhor nosso Deus.  O trabalhador espiritual consagrado louva ao seu Senhor, vive feliz na Sua presença e Sua companhia. Ele se alegra quando outro se achega ao seu Senhor. Ele nunca reclama de ter trabalhado mais e o outro menos, pelo contrário, ele pensa em união das forças para aumentar a realização do trabalho, porque ambos amam o seu Senhor e Proprietário do Campo. O tempo é o grande presente que o Senhor nos dá para realizarmos o Seu trabalho, e vivermos da melhor maneira possível.

Todo servo do Senhor deve se alegrar, se o seu tempo for maior que dos outros, se foi contratado antes que alguns outros, porque há mais tempo e mais oportunidades de um trabalho profícuo, e do agrado do Proprietário do Campo. Todos os trabalhadores espirituais devem caminhar juntos ao seu Senhor e exaltar o Santo e bendito nome do Senhor Deus. Toda pessoa que exerce o trabalho espiritual, será bem sucedida no trabalho material também. Ela será uma pessoa completa, realizada e feliz com o seu Senhor. E será bênção onde quer que vá ou esteja.

“Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo” João 6.27.

“Ora, o que planta e o que rega são um; e cada um receberá o seu galardão, segundo o seu próprio trabalho. Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de Deus sois vós” 1 Co. 3.8,9.

Graça e Paz!

Comments are closed.