Browsed by
Tag: benção

Aquele que sara

Aquele que sara

 

“Ele é quem perdoa todas as tuas iniqüidades; quem sara todas as tuas enfermidades” Sl 103.3. Is. 61.1,2.

Somente Deus pode perdoar pecado, porque Ele é único, Criador de tudo e de todos. Sendo Ele Criador, somente Ele tem a essência de cada ser criado por Ele, assim Ele pode limpar eliminar toda e qualquer impureza que condena a pessoa, mas para isso é necessário que a pessoa se arrependa dos maus atos praticados, e volte-se ao seu Senhor. Somente Deus sara todas as enfermidades, porque somente Ele pode restabelecer a saúde espiritual na vida do ser humano. Sarar quer dizer, ficar livre daquele mal, livre da condenação eterna.

Não há bênção material maior do que a saúde, mas para isso é necessário que a pessoa valorize a saúde espiritual. Se assim o fizer, uma complementa a outra. A pessoa saudável espiritualmente é uma bênção onde quer que vá, além de construir uma sociedade melhor, mais justa, dentro da lei do Senhor. É muito raro uma pessoa que procede assim. O ser humano foi criado para a honra e glória de Deus, para viver feliz, mas o pecado mudou tudo, e acabou dominando. Quando falamos que Deus cura todas as enfermidades, estamos nos referindo à cura da alma, porque no mundo físico há muitas enfermidades, e a pessoa não está imune totalmente, embora Deus possa todas as coisas, ela enfrenta os problemas de saúde normais.

Uma pessoa pode ter muitas enfermidades na alma/espírito. Essas enfermidades são piores do que as físicas, porque vão minando a pessoa por dentro, até o ponto insuportável. Normalmente, a pessoa transmite aquilo que ela é no seu interior, por isso, que a pessoa deve ou tem por obrigação buscar alimento para a alma/espírito. Sendo ela criada por Deus a Sua imagem e semelhança, ela precisa se achegar a Ele para alimentar-se espiritualmente. Deus na Sua infinita misericórdia enviou Seu Filho Jesus Cristo para a alimentação e salvação de todo aquele que reconhecer que sozinho não consegue alimentação para a sua alma/espírito e não consegue também a salvação de sua alma imortal.

Durante a caminhada no deserto o povo de Israel experimentou muitos milagres, um deles é o da saúde e a cura das enfermidades. O Senhor sarou as águas amargas de Mara (Êx. 15.25) e saciou o povo. Aquelas águas amargas que faziam mal à saúde, representavam exatamente a vida comum que uma pessoa tinha. Deus ordenou a Moisés que colocasse uma palmeira que estava ali por perto dentro da água e a água ficou doce, boa para o consumo. Aquela palmeira representa o Senhor Jesus que se a pessoa colocá-lO em sua vida amarga, sem brilho, sem rumo, sem esperança, Ele a tornará doce, brilhante, valiosa, muito boa, e o mais importante válida para a vida eterna.

Atualmente, o povo continua a caminhada pelo deserto espiritual. Deus sara as águas espirituais e sacia o povo através do louvor, da oração, da Sua Palavra, da santificação. A caminhada continua firme e forte rumo ao paraíso celeste. Dificilmente, a pessoa crê em milagres, porque não há tempo nem interesse para observar as maravilhas que o Senhor nosso Deus fez e faz, mas acontecem diariamente na vida das pessoas. Quantas pessoas são curadas através de orações, conversões, leituras bíblicas. As curas não são contadas porque são espirituais, não são visíveis. Da mesma forma são as curas físicas ou mentais (Mt 11.28-30), quando uma pessoa é curada espiritualmente, normalmente, muitas vezes, acontece a cura física. O Senhor Jesus não prometeu um “mar de rosas” àqueles que se convertem a Ele, mas Ele prometeu estar com a pessoa todos os dias de sua vida (Mt 28.20). “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia n’Ele e o mais Ele fará” Sl. 37.5.

“… Converta-se ao Senhor (…) e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar” Is. 55.7b.

Banquete

Banquete

“À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado” Lc 14.17.

Há um grande banquete sendo preparado minuciosamente. Os convites já estão a caminho para todas as pessoas sem distinção. Ninguém poderá dizer que não o recebeu, porque o convite será enviado nos respectivos endereços. Isto é, a todas as nações, a todos os povos, a todas as línguas. Mas, muitos recusarão receber o precioso convite, e apresentarão as mais variadas desculpas. O convite é individual e personalizado. Não pode ser transferido, porque todas as pessoas receberão.  Assim, não participarão do grande banquete todos aqueles que ignorarem ou desviarem o convite.

O convite é valiosíssimo, portanto, quem o receber de bom grado, nunca se arrependerá. Muitos deixarão passar a oportunidade de participar do grande banquete. O dono da festa faz questão da presença de todos os convidados, por isso envia o convite pessoalmente. Os trajes exigidos são enviados juntamente com o convite. Por isso, devem ser usados no dia do grande banquete. Quem tentar entrar sem os trajes a rigor exigidos, certamente será envergonhado e retirado dali.

Em um tempo remoto quando o rei oferecia um banquete, para festejar algum grande acontecimento ou bodas de seus herdeiros, ele ordenava que seus artesãos confeccionassem os trajes de festa para todos os convidados. Esses trajes deviam ter muito brilho, muitas vezes eram bordados com ouro. Todos os trajes eram iguais, para que não houvesse penetras, alguém que não tinha sido convidado, ou alguém que tivesse se desfeito do traje enviado pelo rei.  Ninguém tinha autorização para confeccionar o traje exigido, mas somente os artesãos do rei, e estes eram rigorosamente monitorados. Daí a parábola que Jesus proferiu a respeito do banquete que o Pai fará no fim dos tempos.

O traje real que o Senhor Deus exigiu na parábola, foi preparado por Ele mesmo na pessoa do Senhor Jesus Cristo. Deus continua enviando convites a todas as pessoas para que participem do grande banquete Real. Como é de praxe, os convites são enviados com bastante antecedência, para que a pessoa aceite, e se prepare para o grande dia. As vestes são preparadas pelo próprio Deus, que é o Espírito Santo, na aceitação do convite e na conversão; em seguida, a pessoa recebe sua veste nupcial. O Espírito Santo de Deus passa a habitar dentro do espírito da pessoa. As vestes são de um valor inestimável. Com ela vem o passaporte para a vida eterna. Toda pessoa que aceita o convite e recebe as vestes preparadas pelo Rei, passa a ser uma predestinada a participar do grande banquete real. Toda pessoa tem essa oportunidade. Ninguém pode ignorar ou criticar, porque o convite está à disposição de cada um, sem acepção de pessoas.

A pessoa necessita honrar estas vestes, honrar o nome de cristão, para chegar até o banquete, e ficar livre de constrangimento. Aquele que entra sem a veste nupcial que o Rei lhe enviara, é afastado do banquete. A pessoa deve ter se desfeito das vestes, ou perdido pelo caminho, ou vendido por um bom dinheiro, pois são vestes valiosas, portanto, não as valorizou o suficiente para participar do grande banquete. O banquete é o Reino dos Céus preparado para todo aquele que aceita o convite e veste a roupa que o Senhor Deus lhe entregou nas mãos, e as vestes são o próprio Espírito Santo de Deus, que veste as pessoas e as prepara para o Grande Banquete Real.

“… Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes” Mt 22.22.13,14.

Graça e Paz!

Bênção de Deus

Bênção de Deus

“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” – Efésios 2:8.

O Senhor Deus deu-lhes as orientações imutáveis sobre tudo o que deveriam fazer, para viver em paz com Ele. Mas, eles desobedeceram, pecaram perante o Senhor Deus, e como a verdadeira justiça está n’Ele,  foram expulsos do paraíso celeste, da presença de Deus, sendo condenados ao árduo trabalho para obter o seu sustento, e enfrentar as dificuldades do dia a dia. Mas o Senhor sendo justo,  amoroso e compassivo, não voltou atrás quanto a sua bênção para o ser humano. Ela permanece viva até o dia de hoje, e o será eternamente.

As bênçãos de Deus são constantes em nossas  vidas. Desde o nosso levantar até o final do dia ao deitar, contamos com tantas bênçãos que é impossível enumerá-las. O Amor de Deus realiza milagres constantemente em nossas vidas. Em Isaías 55.13, o profeta nos diz que onde há a bênção do Senhor Deus, há também a Sua maravilhosa presença.  Com a presença de Deus em nossas vidas tudo se transforma: em lugar de espinheiro, crescerá o cipreste, e em lugar da sarça crescerá a murta. O profeta trata do espinheiro (planta cheia de espinhos) e da sarça (árvore seca) espirituais, que são as dificuldades que a pessoa enfrenta no cotidiano. Dificuldades espirituais, geralmente ocorrem porque a pessoa  não valoriza ou não dá o devido valor às bênçãos de Deus;  assim, ela fica distante e desprotegida. Mas, quando ela se aproxima do Senhor Deus, e valoriza cada bênção recebida, o espinheiro se transformará  em cipreste, que é uma planta com flores lindas e muito perfumadas, da qual se extrai a essência para o perfume; a sarça dará lugar a murta, que é também uma planta cujas flores são muito cheirosas. Traduzindo espiritualmente essas comparações, podemos dizer que toda e qualquer dificuldade espiritual é resolvida com a presença e a valorização das bênçãos do Senhor Jesus no embate da vida.

A transformação de uma vida em cipreste ou murta é muito  rica em bênçãos. A pessoa passa a uma vida cheia de paz, amor, segurança. Tal é a segurança, que a pessoa tem certeza do seu lugar assegurado no porvir, nas mansões celestiais.  As bênçãos do Senhor Deus vem através da aceitação do Senhor Jesus Cristo em um coração quebrantado e um espírito contrito,  da leitura da Sua Palavra, da oração, da meditação.  A decisão é individual e personalizada, isto porque o que conta é a decisão espiritual de cada pessoa. E esta tomada de decisão só pode ocorrer mediante o querer, a sinceridade de quem está a receber a bênção da inclusão ao povo escolhido por Deus. Se não for assim, a salvação passará longe da pessoa. Somente Jesus oferece gratuitamente a salvação e a mudança de vida a uma pessoa.

A Palavra de Deus fixa em nossos corações a mensagem sobre os cuidados de Deus sobre a sua criação. A Palavra de Deus é a água da Vida, que mantém vivo e saudável todo aquele que busca aconchego no Senhor nosso Deus.  A Palavra de Deus é eterna, e transforma o coração por mais duro e difícil  que seja. Pois, o coração pode ser comparado ao monte Sião, porque o monte Sião está em seu lugar sempre. Não se abala com nada, permanece inabalável, através dos séculos  (Sl. 125.1). Assim acontece ao coração transformado pela Palavra de Deus, ele jamais se abala, mas permanece firme e fiel a Deus.  Assim precisamos ser para com Deus, inabaláveis. Firmes e confiantes até o fim. A cada ser humano é atribuída a bênção do Senhor Deus, a bênção da vida. Cabe a cada um honrar e corresponder a essa bênção maravilhosa. Porque Deus é inabalável, imutável. Ele é o princípio e fim. Apoc. 22.13.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” Fl. 4.7.

Graça e Paz!

Aliança eterna

Aliança eterna

O Senhor disse a Abraão: “Eu sou o Deus todo Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito” Gn 17.1b.

Desde o início da Palavra de Deus (Bíblia) encontramos uma personagem muito conhecida, e muito abençoada – Abraão. A bênção que Deus deu a Abraão, não era somente para ele, mas para todos os seres humanos que viessem a crer. O Senhor Deus disse a Abraão: “Eu sou o Deus todo poderoso; anda na minha presença e sê perfeito” (Gn 17.1b). A promessa foi feita a Abraão e ao seu descendente – Jesus Cristo. Portanto, a promessa não foi feita aos descendentes, mas apenas ao descendente Jesus Cristo. E através de Jesus Cristo são integrados todos quantos O aceitarem como seu único e suficiente Salvador pessoal. A decisão é individual e personalizada. Uma pessoa não pode tomar decisão por outra.

A Aliança Eterna é a fé. A fé é algo que existe no mais profundo do espírito humano. É algo intocável, irremovível, indestrutível, por mais perseguida que uma pessoa seja, ou massacrada, a sua fé continua intacta. Abraão foi chamado por Deus (Gn 12.1-5; Hb 11.8); Abraão o pai da fé (Rm 4.16). A Aliança de Deus com os seres humanos teve início na pessoa de Abraão. Este já cria em um Salvador que viria mais tarde, e realizaria o grande ministério para a salvação de todo aquele que crê que Jesus Cristo é o Senhor e Salvador. Desde que ocorreu a desobediência no jardim do Éden, e que o Senhor Deus expulsou o ser humano de Sua presença, enviando-o a terra para que a cultivasse e cuidasse do seu sustento, Deus também providenciou um Salvador – Jesus Cristo.

A Aliança Eterna teve início nos primórdios da criação, permaneceu através dos tempos, tendo como base principal a fé. ”Ora, a fé é a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” Hb. 11.1. Pela fé as pessoas viveram e esperaram no Senhor, e atualmente vivem esperando a segunda vinda do Senhor Jesus. A Aliança Eterna de Deus para com seu povo é a fé. Fé é dom de Deus Ef. 2.8. O Senhor Deus concedeu gratuitamente a fé a Abraão, e assim o faz até os dias atuais. A fé é gratuita, assim como a salvação também o é.

A palavra Aliança pode ser traduzida também por testamento. O testamento decorre de uma herança. Sempre que há testamento, há também algo a ser recebido por alguém. Assim, a Aliança de Deus nos oferece um lugar no lar celestial juntamente com Jesus Cristo e os demais salvos. Esta Aliança durará eternamente. “Mas, agora, aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade” Hb. 11.16.

“E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção” Ef. 4.30.

Graça e Paz!

Monte Sião

Monte Sião

canticos 2

Os que confiam no Senhor são como o Monte Sião, que não se abala, firmes para sempre. Sal 125:1.

Desde o início da Bíblia encontramos referências ao Monte Sião. Sempre traduzindo firmeza, imutabilidade. Sião significa fortaleza, permanência. Tudo na natureza muda, menos os montes, montanhas. Em um campo onde há árvores quer sejam frutíferas ou não, com o passar do tempo, elas definham e morrem. Mas os montes permanecem através dos séculos ou milênios. É o caso do Monte Sião. Em uma determinada época o
povo foi levado em cativeiro para a Babilônia. Lá sofreu horrores, pois estava longe de sua terra, com outros costumes, eram escravos. O povo chorava e clamava pelo retorno à sua terra natal. O povo foi cativo porque confiou mais em suas riquezas, seu poder, sua própria decisão, deixou a verdadeira fortaleza de lado que é o Senhor Deus.

Mas o Monte Sião estava ali, indômito, inalterável e imutável, como que esperando a todo aquele que voltasse a habitar naquela terra. Terra que o Senhor Deus havia dado ao Seu povo por herança. Sião passou a representar Israel ou o povo de Deus (Is. 60.14). No tempo da graça, como sendo a Jerusalém celestial (Hb. 12.22). Podemos ver no Monte Sião toda a fortaleza invencível pela força humana.  Fortaleza comparada a Deus. Deus não muda. Ele pode todas as coisas. Aquele povo deixou o seu Deus de lado para caminhar com as próprias pernas, mas se esqueceu que o inimigo ronda sem parar, e o menor vacilo, ele ataca sem dó nem piedade. Para recuperar-se de um ataque desses, leva muito tempo, e muitas vezes não se recupera.

O amor de Deus pelo ser humano é tão grande, que não conseguimos dimensioná-lo. Tomamos como exemplo uma criança recém-nascida. As pessoas a cercam, a amam, mas ela não fez nada para ganhar esse amor tão grande dos pais, da família e de todos que a cercam. Assim é o amor de Deus para com todo aquele que n’Ele crê e confia.  Deus quer que todos confiem n’Ele, mas muitos não querem confiar como aquele povo que foi levado em cativeiro babilônico. Hoje, o cativeiro é espiritual, o ser humano é o mesmo, quer confiar em seus pertences, seu poder, sua capacidade intelectual, enfim, tudo que é visível, material.

Aquele povo retornou do cativeiro, e pode avistar ao longe o Monte Sião, no mesmo lugar, majestoso, inabalável, então cantou: “Os que confiam no Senhor são como o Monte Sião, que não se abala, firme para sempre” Sl. 125.1. Toda aquela confiança em si mesmo, toda falta de fé, não os levou senão a uma vida dura no cativeiro. O Monte Sião espiritual continua firme e forte, inabalável, basta que a pessoa queira essa segurança, essa fortaleza em sua vida. Deus continua o mesmo, amor sem igual a todos quantos vão até Ele. Somente o Senhor Deus pode oferecer o descanso espiritual sem medida.

“Mas tendes chegado ao Monte Sião e a cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia” Hb. 12.22.

Graça e Paz!

… e o vosso pecado vos há de achar…

… e o vosso pecado vos há de achar…

... e o vosso pecado vos há de achar

“Porém, se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o Senhor; e sabei que o vosso pecado vos há de achar” Nm. 32.23.

Sábio é aquele que aproveita a grande oportunidade que Deus lhe oferece gratuitamente, que é a salvação eterna de sua alma imortal. O Senhor Deus enviou o Seu Filho Unigênito: Jesus Cristo, para desenvolver o ministério que Ele planejara cuidadosamente para a salvação de todo aquele que se preocupa com a sua alma imortal, e quer salvá-la para a eternidade. Jesus nasceu como foi escrito e anunciado pelos profetas do Velho Testamento. Jesus Cristo realizou todo o ministério que Deus Pai Lhe confiou. Morreu na cruz do calvário, derramou o Seu precioso sangue, ressuscitou ao terceiro dia. Ressuscitado, subiu ao céu para junto de Deus Pai. Jesus prometeu que voltará (At. 1.9). Todo aquele que crer n’Ele será salvo.

Deus realizou Seu grande plano para que todo aquele que aceitar esse plano, receba as bênçãos prometidas por Ele, e a vida eterna juntamente com Ele e os demais salvos e bem-aventurados.  Aquele que fizer o contrário, e  valorizar mais o material, físico ou orgânico, que o espiritual, e viver em pecado continuamente, deveria pensar que todo pecado não confessado, não arrependido, não perdoado, por mais oculto que esteja, um dia voltará  à tona com o seu resultado maior do que ele representava. A Palavra de Deus diz: “… e sabei que o vosso pecado vos há de achar”. Para Deus não há limite de tempo, para Ele o tempo é sempre presente, eternamente presente. Se a pessoa cometer pecado abominável, hediondo, hoje, com certeza receberá o retorno em qualquer época de sua vida. Quando tudo parecer tranquilo, esquecido, eis o resultado a porta, e nem sempre em condições de ser resolvido a contento.

A pessoa depravada, amoral, não toma conhecimento da verdade divina, nem se preocupa com a salvação de sua alma imortal. Esta pessoa está zombando de Deus, porque Ele é o Senhor e Criador de tudo e de todos. A Ele devemos toda honra, toda glória, todo poder, e é para Ele que devemos voltar os nossos olhos, nossos pensamentos, nossas vidas. A Palavra de Deus diz que de Deus não se zomba, e tudo aquilo que a pessoa fizer ou praticar isso também ceifará ou colherá (Gl. 6.7). Isto porque o Senhor Deus está em todos os lugares, não há onde se esconder ou fugir de Seus olhos (Sl. 139).

Quando menos a pessoa espera, eis que o pecado praticado está de volta,  retornando com valor dobrado ou multiplicado. Se as ações bem planejadas, bem realizadas, frutificam com o passar do tempo, e apresentam seus preciosos frutos, acontece a mesma coisa com as ações pecaminosas, isto é, elas apresentam os frutos ruins dessas ações, com retorno multiplicado. O tempo não para, e  o ser humano vive e planta as mais variadas sementes, e,  no tempo certo colhe o resultado do plantio. Para isso, Deus nos deu a bênção do discernimento entre e o bem e o mal, e nos deixou livres para escolhermos entre um e outro. Deus exige que cada ser humano responda pela decisão individual e personalizada, para o bem ou para o mal.  Se  ele, em suas ações,  quer ser salvo,  e pratica o bem,  ou se quer seguir os seus próprios desígnios, quase sempre para o mal.  Os frutos virão de acordo com o plantio realizado.

Deus ama a todos indistintamente, para Ele não há acepção de pessoas. Deus é um Pai amoroso, bondoso, cuidadoso, mas Ele é extremamente justo. N’Ele não há nenhuma sombra de dúvida, nenhuma mudança, nem um senão. Deus é Amor (I João 4.8).

“Não vos enganeis:  de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” Gl. 6.7

Graça e Paz!.

 

Fortuna

Fortuna

Fortuna.1.

“Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntais para vós outros tesouros no céu, onde a traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” Mt. 6.19-21.

Eis o mapa da fortuna verdadeira e eterna. O Senhor nosso Deus nos legou esse valiosíssimo mapa. Nele encontramos desde o ponto mais simples para os nossos caminhos, até os mais complexos e imaginários, que são as preocupações do porvir. Fortuna verdadeira é a que dura eternamente, é uma herança tesouro e preciosa que o Senhor Jesus nos concede. Se a recebermos de bom grado, ela aumenta mais e mais. O mais importante é sabermos que essa herança é eterna, é como uma escritura de direitos adquiridos para a eternidade junto ao Senhor Jesus e os demais salvos por Ele. O Senhor Jesus reunirá todos os salvos num só rebanho.

A palavra fortuna nos dá uma ideia de muito dinheiro, muitos bens, muita riqueza, muito poderio econômico, enfim, fortuna representa o máximo de poder materialmente. Essa fortuna é muito variável e vulnerável. Uma pessoa pode ter uma fortuna incalculável, ser alguém de maior destaque no mundo material, mas de uma hora para outra tudo pode vir abaixo, desmoronar, e nada pode ser feito, a não ser lamentar o ocorrido. Porém, existe uma fortuna pouco valorizada, talvez pelo seu tamanho, grandeza e invisibilidade. É a fortuna espiritual. Quem consegue visualizá-la e conquistá-la torna-se dono de uma fortuna imensa, talvez, inimaginável. Porque esta fortuna ninguém mina, nem destrói, pelo contrário, ela aumenta mais e mais.

A fortuna espiritual pouco valorizada oferece o que há de melhor para o ser humano. Tudo aquilo que muitas vezes ele não consegue materialmente, ou consegue pouco, ou mais ou menos, ele consegue espiritualmente com uma grande vantagem. Esta fortuna só aumenta o seu valor, e fica depositada num lugar supersecreto. Ela é válida aqui, e para a eternidade. É uma fortuna eterna, a qual, somente quem a adquire irá aproveitá-la eternamente. Não há herdeiros, porque mesmo que morra ninguém deixa de possuir esta fortuna maravilhosa, na eternidade. O doador dessa fortuna é o Senhor Jesus, que carinhosamente chama  cada ser humano para aceitá-lO em seu coração, e recebê-lO como seu dono e Senhor. Jesus quer ser o Senhor e Salvador de toda alma imortal, mas Ele quer que cada um tome sua decisão individualmente. Ele quer o sim de cada pessoa que Ele chama.

A decisão é individual e personalizada. Ninguém poderá alegar ignorância diante do Pai no dia em que se apresentar a Ele. A oportunidade é igual para todos, sem distinção e sem discriminação. Para o Senhor Jesus todos são iguais perante Ele. As almas imortais são todas iguais. A diferença está entre aceitar o convite de Jesus para segui-lO até a mansão celestial e viver juntamente com Ele para a eternidade, ou não aceitá-lO e planejar a sua vida e o seu futuro no porvir a seu jeito. Se não há Jesus na vida de uma pessoa, como ela viverá eternamente? Se ela não aceitou a doação do Senhor Jesus, como ela elaborará a sua fortuna espiritual?

“E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades” Fl. 4.19.

“ …havia um memorial escrito diante dele para os que temem ao Senhor e para os que se lembram do seu nome”. “Eles serão para mim particular tesouro, naquele dia que prepararei, diz o Senhor dos Exércitos; poupá-los-ei como um homem poupa a seu filho que o serve” Ml. 3.16,17.

Graça e Paz!

Esqueça

Esqueça

Esqueça!Sl. 138

“Render-te-ei graças, Senhor, de todo o meu coração; na presença dos poderosos te cantarei louvores” Sl. 138.1

“As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não tem fim; renovam-se cada manhã. Grande é a Sua fidelidade” Lm. 3.22,23.

Esqueça todo esforço dedicado para chegar sozinho até Deus. Deus não se agrada do que é prometido ou feito pelo ser humano. Quando Jesus se transfigura diante de Pedro, Tiago e João, depois com a presença de Elias e Moisés, Pedro toma a palavra e diz ao Senhor: “… bom é estarmos aqui; se queres, farei aqui três tendas; uma será tua, outra para Moisés, outra para Elias” Mt. 17.4b. Logo em seguida. Uma nuvem levou Elias e Moisés, ficando apenas o Senhor Jesus e os discípulos: Pedro, Tiago e João. O Senhor quis mostrar quão importante é o Seu Reino. Um Reino espiritual, Reino eterno, onde o ser humano não pode construir nada material. O importante é o espiritual. Mas o espiritual só se adquire quando a pessoa se aproxima do Senhor Jesus, e recebe a Sua bênção maravilhosa. O Senhor Jesus está sempre de braços abertos para receber todo àquele que se aproximar d’Ele para recebê-lO como seu único e suficiente Salvador pessoal.

Tudo que o ser humano faz é imperfeito, falho, por ser baseado no mundo material. É praticamente impossível dissociar o material do espiritual. Somente quando o Senhor toca no coração de uma pessoa, e ela aceita o convite do Senhor para fazer parte do Seu rebanho Santo. Deus é Espírito. Importa que Seus adoradores O adorem em Espírito e Verdade (João 4.23). O Senhor nosso Deus nos conhece desde antes da fundação do mundo (Sl. 139.16 – “Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda”).

O plano de Deus para com o ser humano é tão profundo, que dificilmente, a pessoa entende. Muitas pessoas fazem promessas para conseguir algo de Deus, mas é tudo cilada do inimigo das almas imortais. Tudo o que o ser humano apresenta a Deus não é puro, nem verdadeiro, não é honesto. Sempre há uma pontinha de querer levar vantagem em alguma coisa, ou de certa forma passar Deus para trás. Quando alguém faz uma promessa a Deus, primeiro ele quer receber a bênção, depois tentará cumprir o prometido. Ele trata com Deus como se ele decidisse sobre isso ou aquilo. É apenas um negócio. Isto insulta a Deus. O ser humano não tem nada que possa oferecer a Deus, porque Deus só Se agrada de algo espiritual e realizado dentro da fidelidade, do amor, da santificação. O Senhor Deus exige que sejamos santos, porque Ele é Santo: “… Sede santos, porque eu sou santo” 1 Pedro 1. 16b.

O maior esforço ou sacrifício humano não compra a amizade de Deus, nem uma só de Suas bênçãos. Deus é maravilhoso, grandioso, amoroso. Ele estende a mão a cada pessoa que o busca, que quer caminhar com Ele. Mas Ele nos dá o livre arbítrio para que cada um tome a sua decisão, e dedique o melhor de si. Isto é, escolha o Senhor Jesus para ser seu único e suficiente Salvador pessoal. A escolha é individual e personalizada.

A Palavra de Deus nos orienta em tudo de bom que precisamos para ter comunhão com o nosso Deus. Somente Deus é terno, Amor, Bondade, Fidelidade. Tudo o que Ele permitiu que aos profetas e aos escritores bíblicos escrevessem a Seu respeito e Seu querer para com o ser humano, é sempre atualíssimo. (Is. 1.19). Deus quer o melhor a cada ser humano indistintamente, basta que a pessoa queira caminhar com Ele pelas sendas da vida. E no futuro habitar a mansão celestial que o Senhor Jesus foi preparar (João 14.2). Jeremias lamentou as tragédias e provações em sua vida, e na vida do seu povo. Mas, ele não pode fazer nada para evitar os acontecimentos. Esqueça os sacrifícios, as promessas individuais, e aceite o sacrifício do Senhor Jesus Cristo na cruz do calvário. Através do Seu sacrifício e ressurreição Ele nos oferece gratuitamente a salvação de nossas almas imortais.

“Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo (corpo) se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, casa não feita por mãos, eterna, nos céus. E, por isso, neste tabernáculo, gememos, aspirando por sermos revestidos da nossa habitação celestial” 2 Co. 5.1,2.

“Mas a misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade sobre os que O temem, e a Sua justiça, sobre os filhos dos filhos” Sl. 103.17.

Graça e Paz!

Guarda o teu coração

Guarda o teu coração

Guarda o teu coração 1“Sobre tudo o que deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida” Pv. 4.23.

O provérbio acima mostra à pessoa que ela deve guardar o seu coração de atitudes ruins, rancores, iras, ódios, descontroles. Toda atitude tomada primeiro passa pelo coração, em seguida é levada à prática. É no coração que nascem as desavenças, críticas, iras, brigas, desentendimentos, fofocas. É no coração também que nasce a vontade de amar a Deus, conhecer a Sua Palavra; viver de acordo com o que Deus propôs ao ser humano. Com a Palavra de Deus o coração fica cada vez melhor, mais humano, mais piedoso, mais cordato. A Palavra de Deus oferece a grande oportunidade de um crescimento espiritual contínuo, e um bem-estar indizível àquele que se decide por Jesus Cristo.

Guarda o teu coração de todas as coisas malignas que estão no mundo, oferecendo de graça a perdição de uma alma imortal. À primeira vista, não parece tão tenebroso ser do mundo secular, distante do Senhor Deus. Tudo parece muito tranquilo, mas com o passar dos anos, as coisas mudam, aquilo que era bonito aos olhos de uma pessoa, passa não ser tão bonito assim. E quando as coisas apertam com uma enfermidade, com um revés na vida material, ou com uma depressão galopante, que muitas vezes arrasam a pessoa, aí ela tenta voltar-se a Deus. Muitas vezes ela consegue se aproximar de Deus, mas herdando todo resquício do pecado cometido outrora. Outras vezes, ela não consegue se aproximar de Deus, ficando somente nos remorsos (que não é arrependimento).

Guarda o teu coração para honrar e glorificar a Deus, para louvá-lO em Espírito e Verdade. Para receber as bênçãos que Ele tem preparado para todo aquele que n’Ele crê, que n’Ele tem o seu prazer. Este coração vive em paz, gozando das delícias celestiais aqui e agora. Essas delícias são espirituais, onde quer que a pessoa esteja ela tem a Luz de Cristo a brilhar em sua vida. Essa Luz é transmitida a todo aquele que deseja recebê-la também. Onde há um servo do Deus Altíssimo, há luz a brilhar na escuridão (pecado). Por mais pecados que uma pessoa tenha cometido, a Luz de Cristo dissipa-os todos, deixando a alma da pessoa mais branca que a neve. Isaías 1.18 – “Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã”.

Guarda o teu coração puro, limpo diante de Deus, e desfrute de tudo aquilo que o Senhor prometeu a quem O seguir nos Seus Santos e Retos Caminhos. “Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra” Is. 1.19. A pessoa precisa querer e ouvir o Senhor. A decisão é pessoal, ninguém pode decidir por outro. Ninguém pode responder pela vida do outro. Somente a pessoa é responsável pela sua vida futura. “… comer o melhor desta terra” é ter todas as bênçãos prometidas pelo Senhor da Glória.

“Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” Tg. 1.17.

“Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”. 2 Tm. 4.8.

Graça e Paz!

Os anjos de Deus

Os anjos de Deus

Anjos de Deus“O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos O temem e os livra” Sl 34.7.

No Velho Testamento encontramos o Anjo do Senhor à frente guiando o povo para a terra prometida por Deus aos judeus, que Ele tirara da escravidão da terra do Egito “Eis que eu envio um Anjo adiante de ti, para que te guarde pelo caminho e te leve ao lugar que tenho preparado” Êxodo 23.20. A libertação do povo judeu da terra do Egito foi uma libertação política. Mas o Senhor oferece a todas as pessoas a libertação espiritual, e em conseqüência disso vem à libertação da escravidão do pecado em geral, que as conduz para uma terra que Ele mesmo preparou, ou seja, uma mudança completa de vida. Vida nova, dedicada ao Senhor. Uma vida espiritual, com oração, meditação, leitura bíblica, e louvor. A pessoa passa a falar uma nova língua. Língua de Salmos e Hinos.

Em Gênesis 22.11 – “Mas do céu lhe bradou o Anjo do Senhor: Abraão! Abraão! Ele respondeu: Eis-me aqui!”. O Senhor Deus havia pedido a Abraão que oferecesse o seu próprio filho Isaque, em sacrifício dedicado a Ele. Deus estava apenas provando a fé de Abraão. Quando Abraão ia sacrificar Isaque o Anjo do Senhor bradou bem alto o nome de Abraão. Quanta vez Deus prova a nossa fé com um mínimo de exigência e nós já recuamos. Abraão tinha certeza que o Senhor estava com ele. Mesmo que ele sacrificasse seu filho, Deus o restituiria, porque Deus é criador de tudo e de todos. Para Deus não era sacrifício nenhum restituir Isaque ao pai novamente. Quantos tem a fé que Abraão teve naquele momento?

Em Juízes 6.11 “Então, veio o Anjo do Senhor, e assentou-se debaixo do carvalho que está em Ofra, que pertencia a Joás, abiezrita; e Gideão, seu filho, estava malhando o trigo no lagar, para o pôr a salvo dos midianitas”. Os midianitas entravam em suas terras e roubavam tudo que encontravam, desde gado, ovelhas, produto da terra, deixando-os em miséria total. Isto acontecia a todo povo de Israel. O Anjo do Senhor o orienta como ele deve agir para vencer os midianitas. Gideão segue as orientações do Anjo do Senhor e vence os midianitas.

No Salmo 34.7 lemos: “O Anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem e os livra”.

Quantas vezes, nós também precisamos perceber a presença do Anjo, e nos questionarmos a respeito das bênçãos que necessitamos. O Senhor nos ordena: “Vai nessa tua força…” e livra a tua vida das mãos daqueles que te conduzem erradamente, que tiram a tua paz, a tua tranquilidade, o teu bem-estar. Tome uma decisão pelo Senhor Jesus, mude de vida. Uma vida abundante, abençoada, repleta de bênçãos, de paz, de prosperidade espiritual. O Senhor diz: “… não te enviei eu?”. O Senhor nos enviou para que vençamos a batalha contra os ladrões espirituais da nossa fé, do nosso bem-estar. Gideão aceitou a ordem do Senhor. Fez tudo como o Senhor lhe ordenara. Venceu a batalha como o Senhor lhe disse e libertou o seu povo das mãos dos midianitas. Quais são os midianitas (ladrões) da nossa vida espiritual? Da nossa vida física? Da nossa vida material? Lutemos contra os atuais midianitas.

Em Juízes 13.3

Graça e Paz!