Browsed by
Tag: Davi

A bênção da união fraternal

A bênção da união fraternal

Sl. 133.

O salmo 133 foi escrito por Davi, rei de Israel. É um salmo de romagem ou peregrinação.  Quando os judeus iam ao templo cultuar a Deus, iam cantando e louvando com salmos. Os salmos eram memorizados, porque na época não havia a letra escrita ou impressa com a facilidade de hoje, para se adquirir uma cópia. O povo caminhava em grandes grupos cantando alegremente ao Senhor Deus. O salmo 133 passa a mensagem de confraternização e união perfeita. O rei Davi desejava que a união fosse boa, formosa, magnífica, preciosa ao povo de Israel. Os benefícios da união fraternal eram mui agradáveis, prazerosos, tanto coletiva como individualmente. A conclusão era que não deveriam dispensar as bênçãos da união fraternal, na família sanguínea ou na família espiritual.

Davi faz comparação com o óleo! “É como o óleo precioso…”. O óleo precioso era aromático, preparado segundo orientação de Deus. Era composto de mirra, cinamomo odoroso, cálamo aromático, cássia e de azeite de oliveira. Era usado para fins específicos, segundo orientação rígida do Senhor Deus (Êxodo 30.22-38). Era trabalho de arte do perfumista. Tinha a finalidade medicinal ou para ungir e consagrar o sacerdote. O sacerdote ungido se tornaria o elo entre o povo e Deus. Arão foi separado e ungido (Êxodo 40.13-15). O óleo derramado sobre a sua cabeça indicava consagração e proteção da mente, e o óleo sobre as vestes simbolizavam pureza e santidade – vestes limpas diante de Deus, isto é, vestes espirituais. Era expressamente proibido o perfumista ou outra pessoa qualquer fazer esse óleo ou dele fazer uso comum. A pessoa que assim o fizesse perderia a vida imediatamente, porque o Senhor assim o determinou.

Davi ainda faz comparação com o orvalho “É como o orvalho…”. Geograficamente o monte Hermom ficava distante do Monte Sião (cerca de 200 km ao norte de Jerusalém, com uma altitude de 2.814 m. tendo o seu cume coberto de neve, enquanto as terras ao redor eram causticantes devido ao sol de verão. O verdadeiro sentido do monte Hermom é a altitude do nível espiritual de uma pessoa, e o orvalho é o resultado dessa vida. Orvalho é muito bom, é um sereno fresquinho ou gotículas de água, que alegram e alimentam as plantas, assim é o orvalho espiritual – ele refrigera, acalma, consola e alimenta a alma ressequida pelo mau tempo espiritual. É o orvalho da graça de Deus. Quanto mais alto o Monte Hermom de uma vida, mais orvalho (bênçãos) sai em decorrência disso. É impossível medir a altitude de uma vida espiritual, nem as bênçãos decorrentes dela, daí, o verdadeiro sentido do salmo 133. Se a mensagem estivesse só na altura do monte, ou na neve que está por cima dele ou no orvalho que desce dele, não haveria sentido de estar relatado na Palavra de Deus. O salmista dá um sentido espiritual maravilhoso à sua geração e às gerações vindouras. Se a comparação fosse só física seria impossível o orvalho descer 200 km até o outro monte. No sentido espiritual o orvalho representa as bênçãos do Senhor na vida de uma pessoa, e que as bênçãos não têm extensão definida, vão muito além de 200 km.

No Novo Testamento somos um povo de sacerdotes (1 Pe 2.9). Cada cristão tem a mesma responsabilidade de um sacerdote, ungido com o sangue de Cristo e o poder de Deus, para ser íntegro valioso na presença do Senhor. A responsabilidade passou a cada ser humano, e deixou de ser apenas àquele sacerdote específico relatado no Velho Testamento. O óleo representa a presença do Espírito Santo promovendo a união fraternal na Igreja e na vida do seu povo.

“Serei para Israel como orvalho, ele florescerá como o lírio…” Oséias 14.5.

Uma única decisão com repercussões extraordinárias

Uma única decisão com repercussões extraordinárias

Rute e Noemi 8

A Bíblia nos ensina quão importante é uma decisão certa. Através dela conseguimos resultado, que muitas vezes vamos usufruir para a vida toda. Por pequena que seja uma decisão certa, ela produzirá um resultado profícuo. Por isso, as decisões devem sempre ser pensadas e repensadas. Muitas vezes não há retorno. A responsabilidade de cada um é individual e personalizada. O Senhor Deus deixa muito claro em Sua Palavra. Cabe a cada um de nós a decisão correta e sábia.

No livro de Rute (Antigo Testamento) encontramos uma preciosa decisão. Rute de livre e espontânea vontade toma a decisão de se tornar uma judia espiritual, isto é, ela toma a decisão de fazer parte do povo de Deus. A decisão de Rute ocorre quando Noemi, sua sogra, retorna de um país distante do seu de origem, onde morrera seu marido (Elimeleque) e os dois filhos (Malom e Quiliom).  Malom fora marido de Rute. Noemi e as duas noras estão de volta à sua terra natal, onde estava o seu povo. Quando Noemi se aproxima do povo de Rute e de Orfa, ela quer despedi-las para que voltem às casas paternas. Orfa se despede de Noemi e volta para casa dos pais. Porém, Rute se apega a Noemi e se recusa retornar a casa materna (ou a seu povo).

Ai ocorre a sua decisão pequena, mas importantíssima. Ela não tinha idéia da grandiosidade e importância de sua decisão. Simplesmente, o seu coração falou alto e tomou a decisão correta. Disse, porém, Rute: “Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu, o teu povo é o meu povo, o teu  Deus é o meu Deus” Rt. 1.16. Rute com sua decisão tão pequena, mas muito grande na presença do Deus Altíssimo, teve toda a sua vida mudada.

Rute acompanhou Noemi no retorno ao seu povo (em Belém). Lá procurou ajudar Noemi em tudo que necessitava. Rute foi uma bênção para Noemi. Noemi se considerava uma viúva desamparada, triste, sem um futuro previsível, mas o Senhor Deus guiou os seus passos, e preparou-lhe uma vida digna, tranqüila. O Senhor também preparou para Rute um novo casamento com uma acolhedora, admirável pessoa – Boaz. O Senhor Deus ofereceu a ambas uma vida tranquila, mudou-lhes totalmente a sorte, além de um belo descendente para alegrar-lhes a vida. Noemi voltou a ter uma bela família, com sua nora, genro e neto. O seu neto se chamou Obede. Ele gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi, da linhagem de Jesus.

Com uma pequena, mas valiosa decisão Rute entrou para a linhagem de Jesus Cristo. O nosso Deus é tão maravilhoso que das pequenas e sinceras decisões transforma o pouco em muito. Deus sempre dá o melhor para as nossas vidas. Essas pequenas grandes decisões são aquelas que nos trazem paz, alegria, confiança espiritual. Rute é um exemplo para nós, e digna de ser observada na sua decisão de seguir somente o Deus Vivo e Verdadeiro. A sua decisão foi maravilhosa, enquanto que a sua cunhada Orfa não se teve mais notícias. As bênçãos virão depois de cada pequena grande decisão.

“Não há santo como o Senhor; porque não há outro além de ti; e Rocha não há, nenhuma” 1 Sm. 2.2.

Graça e Paz!

A casa de Deus, lugar de glória

A casa de Deus, lugar de glória

A casa de Deus, lugar de glória“Eu amo, Senhor, a habitação de tua casa e o lugar onde tua glória assiste.” Sl. 26.8.

Deus é Espírito e Verdade (João 4.23). A casa de Deus é espiritual, portanto, cada alma/espírito que o Senhor elege, ou cada ser humano que convida o Senhor da Glória para habitar no seu interior, este lugar é a casa de Deus. Apoc. 3.20 – “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. A verdadeira casa de Deus é o âmago do espírito humano. Todo ser humano que tem o Senhor Jesus dentro de seu espírito, age de forma diferente daqueles que não O tem. Cada minuto, cada segundo, a pessoa deve agradecer a Deus as bênçãos recebidas até aquele momento. Por isso, a pessoa deve dedicar a Deus todo poder, toda honra e toda glória. Somente Ele pode todas as coisas eternamente.

Denominamos também como casa de Deus o lugar onde nos reunimos para adorá-LO em Espírito e Verdade “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor” Sl. 122.1.  Este lugar é dedicado ao Senhor, especialmente, nos momentos em que há a adoração. Porque a casa de Deus verdadeira está dentro de cada um dos Seus adoradores. “… Porque o reino de Deus está dentro de vós” (Lc. 17.21b). Cabe cada um estar consciente da responsabilidade que lhe pesa nos ombros, e honrar o nome de cristão. Ser um servo de Deus é importantíssimo. A pessoa recebe as mais variadas bênçãos, e no porvir a vida eterna prometida por Ele a todos quantos se converterem ao Seu Santo e Bendito Nome, mas a pessoa tem obrigações para com o seu Senhor e Deus. Ter direito as bênçãos é muito bom, mas corresponder às obrigações também é muito válido. Não há direitos sem obrigações.

Algumas obrigações de uma pessoa para com Deus são: aceitar o convite do Senhor Jesus para que se converta a Ele, e caminhe juntamente com Ele; estudar a Palavra de Deus para crescer no conhecimento, crescer espiritualmente; meditar na Palavra diariamente, e por em prática a mensagem que ela tira da meditação; orar constantemente por si próprio, pela família e pelos muitos pedidos que são feitos constantemente; ter um testemunho impecável, porque um mau testemunho fala muito alto, além de ficar gravado no coração daquele que vê ou assiste o ocorrido, e  de ficar uma péssima impressão da pessoa que praticou tal erro. Portanto, todo ser que se diz cristão, tem a obrigação de imitar o seu Senhor e Mestre Jesus Cristo, o Justo.

A Palavra de Deus deve acompanhar todo aquele que se diz ovelha do Seu pastoreio. “Sabei que o Senhor é Deus; foi Ele quem nos fez, e dele somos; somos o seu povo e rebanho do seu pastoreio” Sl. 100.3. Porque a Palavra está sempre presente na vida de cada uma de Suas ovelhas. Somente assim a ovelha poderá caminhar firme e segura pelas sendas da vida. Deus não faz acepção de pessoa. Todas são importantes na Sua presença. Todas tem a mesma oportunidade de aceitar ou não a salvação que vem de Cristo Jesus. A decisão é pessoal e personalizada. Portanto, pesa no ombro de cada ser humano a decisão a proposta que o Senhor da Glória faz . Onde você passará a eternidade?

“Quanto a nós, teu povo e ovelhas do teu pasto, para sempre te daremos graças; de geração em geração proclamaremos os teus louvores” Sl. 79.13.

“Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor” Sl. 122.1.

Graça e Paz!

Deus, nosso protetor

Deus, nosso protetor


 Deus, nosso protetor

“Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me à sombra das tuas asas.” Sl. 17.8.

O salmista rei Davi viveu situações extremas: desde dias muito felizes, grandes realizações, grandes vitórias, até situações dificílimas. Porque sendo rei, necessitava proteger e unir o seu povo. Daí, ele contar com muitos invejosos e inimigos. Os inimigos querem matar, destruir, roubar, mas nunca colaborar para o bem do próximo ou da nação. Davi sofria constantemente ataques adversários, mas ele sempre recorria a Deus para protegê-lo e guardá-lo em Seus cuidados. Embora Davi fosse um homem de guerra, que muitas vezes encontrava-se encurralado pelos adversários, ele nunca se afastou de Deus, muito pelo contrário, ele buscava ainda mais a presença do Deus Altíssimo para consolá-lo, fortalecê-lo e guiá-lo firmemente pelas sendas da vida.

Neste verso Davi usa duas figuras para ilustrar a proteção de Deus em sua vida. A primeira figura é a menina dos olhos. Esta parte dos olhos é a mais sensível e mais íntima que a pessoa procura proteger rapidamente diante de algum imprevisto. Todos sabem que a menina dos olhos é o ponto central dos cuidados mais rápidos, instintivos que se conhece. A segunda figura é a sombra. Esta figura indica proximidade, aconchego, proteção, porque uma sombra não vai muito além do corpo que a produz. A sombra nos transmite tranquilidade, bem estar, alívio. Porque se o tempo está muito quente ou escaldante, uma sombra por menor que seja é sempre bem-vinda. Davi usa a figura sombra das asas do Altíssimo. Que segurança esta figura nos traz à mente. Quando uma galinha enfrenta algum perigo com seus filhotes, ela os reúne todos debaixo de suas asas, na sombra, e os protege até que o perigo passe.

Davi creu assim no Senhor nosso Deus, e viveu seguramente debaixo das asas do Altíssimo, embora tivesse uma vida atribulada pelas responsabilidades em que viveu, em tempos difíceis e muito diferentes dos atuais. Davi foi um homem segundo o coração de Deus (1 Sm. 13.14). Ele clamava a Deus sempre que se via emaranhado nas dificuldades, e louvava sempre em agradecimento pelas bênçãos recebidas. Deus era tudo para Davi. Davi nos legou lindos Salmos, que nos fortalecem na caminhada diária. Assim Davi creu firmemente no Senhor e nos deixou um legado muito firme de fé, confiança, firmeza. O seu testemunho nos leva a querer também morar no esconderijo do Altíssimo, e descansar à sombra do Onipotente. (Sl. 91.1). Deus é o nosso abrigo no temporal e a nossa cidade refúgio para a nossa paz.

“O Senhor está no seu santo templo; nos céus tem o Senhor seu trono; os seus olhos estão atentos, as suas pálpebras sondam os filhos dos homens” Sl. 11.4.

Graça e Paz!

Deus é refúgio para os oprimidos

Deus é refúgio para os oprimidos

Deus é refúgio para os oprimidos

“O Senhor é também alto refúgio para o oprimido, refúgio nas horas de tribulação.” Sl. 9.9

O salmista Davi ressalta neste verso as adversidades que aparecem no decorrer da vida. Todo ser humano desde que nasce, cresce e  enfrenta problemas diversos. Uns mais difíceis outros mais fáceis, ou ainda outros dificílimos. Não há uma fórmula que resolva tudo isso e traga somente coisas boas, felizes, sucessos. A vida é um misto de acontecimentos variados. Dentre esses acontecimentos cabe a pessoa ser sábia para selecionar melhor o seu dia a dia, e tornar mais brando o caminho diário.

O salmista nos diz que o Senhor é nosso refúgio, abrigo, amparo, proteção, segurança. Somente o Senhor pode oferecer isso ao ser humano. O salmista tinha muita experiência relacionada à confiança que ele tinha no Senhor Deus. Todas as vezes que ele se achava oprimido ou humilhado, ele clamava ao Senhor, e o Senhor sempre vinha socorrê-lo. Davi buscava a presença do Senhor logo pela manhã para ser abençoado por Ele. “De manhã, Senhor, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração e fico esperando” Sl. 5.3.

O salmista tinha muitos inimigos e estes o espreitavam pelo caminho da vida. Ele enfrentava grandes problemas que até pareciam gigantes. E esses inimigos o insultavam e o humilhavam. Davi, como rei, necessitava dirigir e manter a unidade de seu povo. Muitas vezes ele estava aparentemente num beco sem saída, mas o Senhor estava sempre com ele. As pressões e os temores oprimem a pessoa, deixando-a sem forças nem estratégia para escapar. Tudo isso é reflexo do mundo material e incrédulo que age sobre as pessoas de um modo geral. Deus é Espírito, então a sua ajuda é espiritual, ninguém pode mudar os seus desígnios nem a sua vontade.

Deus é o nosso alto refúgio, porque somente Ele nos oferece segurança, abrigo, apoio, amparo, proteção, socorro. Deus é o criador de tudo e de todos. Deus dirige e comanda toda a sua criação. Não há falha na Sua direção, no Seu comando. A opressão muitas vezes traz tristeza à alma, mata a alegria, tribulação esmagadora, mas o Senhor Deus está acima de tudo, basta à pessoa levantar a cabeça, e pedir a Ele que seja o seu alto refúgio.

O salmista nos oferece uma certeza concreta de que Deus caminha com todo aquele que O busca. Não há inimigo capaz de nos derrubar ou alcançar, quando estamos guardados pelo Deus Onipotente. Mesmo que as tribulações venham com fúria, mesmo que ventos fortes soprem com violência, a vitória é certa, se a pessoa tiver como seu alto refúgio, amparo, proteção, o Deus Altíssimo. É quase impossível que uma pessoa passe a vida inteira sem tribulação alguma. Mas é impossível que Deus deixe de proteger a pessoa que n’Ele confia, que caminha com Ele, que confia totalmente n’Ele. Nele a pessoa está segura. Deus é abrigo no temporal. Ninguém pode arrebatar a pessoa de Suas Mãos. Deus vela com amor e carinho pelos Seus filhos dia e noite.

“As palavras dos meus lábios, e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, Senhor, rocha minha e redentor meu!” Sl. 19.14.

Graça e Paz!

Em quem está sua confiança?

Em quem está sua confiança?

confiança em Deus

“Uns confiam em carros, outros, em cavalos; nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus” Sl. 20.7.

Na época do rei Davi as pessoas conheciam a força dos cavalos e dos carros. Quem entrava numa peleja, e possuía carros e cavalos tinha grande vantagem sobre os adversários que não os tinham. As pessoas da época julgavam-se seguras, pois confiavam nos carros e nos cavalos. Mas por mais seguras que se sentissem, não estariam livres das derrotas. O rei Davi disse que se gloriava em o nome do Senhor Deus. Deus era e é segurança total para todo aquele que n’Ele crê. Não há maior segurança do que a oferecida por Deus. Ele é o dono de tudo e de todos. Ele faz o que lhe apraz. Não há adversários para Deus.

Atualmente, há outros  recursos mais sofisticados e mais poderosos para enfrentar os adversários, como: o dinheiro, a influência social e política, o conhecimento científico e o grande poder das armas. O princípio, porém, é o mesmo. Deus também é o mesmo. Com todos os recursos existentes uma pessoa não tem nenhuma vitória, se Deus não quiser. Tudo é tão frágil diante da grandiosidade e o poder de Deus. Somente Deus é poderoso para desfazer ou vencer qualquer inimigo. Para Deus não há batalha perdida.

Às vezes encontramos idéias, opiniões, estudos sobre determinados assuntos e conclusões humanas. Tudo que é humano é falho, defeituoso, incompleto. Por melhor que seja um estudo ou uma pesquisa, nunca será totalmente verdadeira, porque tempos mais tarde aparece outro estudo ou outra pesquisa corrigindo algum deslize da anterior. E assim acontecem mudanças e correções continuamente em tudo que o ser humano faz.

Com Deus é diferente. Tudo que o Senhor nosso Deus fez e faz está totalmente correto e imutável, não há correções a serem feitas, muito pelo contrário, passam anos, séculos, milênios e o que o Senhor Deus fez desde o início e que consta na Sua Palavra, é atualíssimo. Para Deus não há contagem de tempo. Ele é o autor e consumador da vida. E vida em abundância “… eu vim para tenham vida e a tenham em abundância” (João 10.10b). Davi disse: “… nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus”. Deus é o nosso refúgio e escudo protetor. Debaixo de suas asas encontramos verdadeira proteção. “Cobrir-te-á com as suas penas e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo” Sl. 91.4.

“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda” João 15.16.

Graça e Paz!

Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça

Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça

Davi, homem segundo coração de Deus“Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça, pois em ti confio; mostra-me o caminho  por onde devo andar, porque a ti elevo a minha alma” Sl. 143.8.

O salmista pede ao Senhor que o faça ouvir pela manhã, as bênçãos para aquele dia. Pede a Deus  que lhe mostre o caminho por onde ele deve andar. Ele eleva a Deus a sua alma, porque ele quer um dia abençoado, um dia direcionado e acompanhado pelo Senhor Deus. Ele eleva os olhos para o alto e ora a Deus, suplicando pelas bênçãos do dia. O salmista rei Davi tinha muitas atribuições como rei, e como patriarca de uma grande família, principalmente porque era um servo muito amado de Deus; ele foi um homem segundo o coração de Deus (1 Reis 15.5). Como rei de Israel ele tinha muitos inimigos. Ele precisava da ajuda de Deus para vencê-los, ou conviver com eles. Não era fácil para ele. O coração de Davi era inclinado ao Senhor. Davi era um homem espiritual, cuja vida estava em harmonia com os anseios de Deus (1 Sm. 17.36).

Todas as pessoas deveriam imitar a Davi. Logo de manhã orar a Deus pedindo proteção, e as bênçãos do dia. Intercedendo pelo bem-estar próprio, de toda família, e de todos que conviverem consigo naquele dia. A oração oferece tranquilidade, segurança, companhia, porque quem responde é o próprio Deus. Davi orava para que Deus o livrasse de seus inimigos. Atualmente, as pessoas enfrentam a batalha com o inimigo das almas imortais. O mundo secular parece  bem mais interessante do que o mundo espiritual, consagrado, honesto, voltado para o Senhor nosso Deus. Davi se acha conturbado por causa de seus inimigos. Hoje, as pessoas também estão conturbadas por causa de seus inimigos, ou seja, o mundo cruel, cheio de cobranças, cheio de solicitações, nada tem um ápice. Cada vez mais solicitações aparecem, exigências mil. As pessoas não  tem tempo mais para nada, assim mesmo continuam a buscar e correr atrás do vento. As pessoas devem parar um pouco e meditar sobre o que Deus quer delas. Orar para que Deus lhes dê as bênçãos de cada dia. “A ti levanto as mãos; a minha alma anseia por ti, como a terra sedenta” Sl. 143.6. Tanto o rei Davi como as gerações que vieram depois dele até chegar em nós, todos viveram atribulados, necessitados das bênçãos, da presença e do auxílio do Senhor Deus. Somente haverá paz, quando todos estiverem com o Senhor Jesus no paraíso celeste, na nova Jerusalém Celestial.

Graça e Paz!

O Senhor Cuida de Mim

O Senhor Cuida de Mim

artigo 8O rei Davi, com toda a sua riqueza material, necessitava da riqueza espiritual, ou seja, da bênção de Deus. Ele se dirigia a Deus como muita humildade, pequenez de coração, porque ele não possuía nada dele mesmo que pudesse oferecer e agradar a Deus.  Deus se agrada com um coração contrito e um espírito quebrantado (Sl. 51.17). O rei Davi sempre teve uma grande preocupação em relação ao futuro, ao porvir, as coisas que ele não dominava, e não as tinha a seu alcance. Sua preocupação era normal, porque nada preenche o vazio que está no coração humano. Este vazio é exatamente o lugar reservado por Deus, para a sua morada eterna. Nada preenche este lugar, porque Deus não permite que nada, nem ninguém O substituam.

Disse Davi: “Eu sou pobre e necessitado, porém o Senhor cuida de mim; tu és o meu amparo e o meu libertador; não te detenhas, ó Deus meu” – Salmo 40.17. Ainda, no Salmo 70.5 – “Eu sou pobre e necessitado; ó Deus, apressa-te em valer-me, pois és o meu amparo e o meu libertador. SENHOR não te detenhas”.

O rei Davi, preocupado com o bem-estar de sua alma/espírito, buscou a Deus diariamente, e se colocou a mercê d’Ele, para que Ele o abençoasse, dirigisse, cuidasse, amparasse e desse segurança. Assim, o rei Davi sentia-se confortavelmente no amor de Deus. Davi louvava a Deus com belos Salmos cantados. Em consequência disto, ele escreveu lindos Salmos, que foram e são cantados em louvor a Deus até hoje. O Amor de Deus esteve o tempo todo sobre Davi dirigindo os seus passos e a sua vida.