Browsed by
Tag: Egito

Povo eleito e abençoado

Povo eleito e abençoado

“Não temais; aquietai-vos e vede o livramento do Senhor que, hoje, vos fará;  porque os  egípcios, que hoje vedes, nunca mais os tornareis a ver. O Senhor pelejará por vós, e vós vos calareis” Êxodo 14.13-14.

Em uma época remota o Senhor Deus tirou o Seu povo da escravidão do Egito. No Egito, o povo judeu era escravizado, explorado, maltratado, enfim, era um povo considerado ignorante.  Mas, este era o povo que Deus abençoara na pessoa de Abraão e sua descendência. Este  povo clamou ao Senhor Deus por ajuda e misericórdia. O Senhor ouviu o seu clamor e veio ao seu encontro. O Senhor não só  libertou, mas  conduziu o Seu povo seguro e protegido de todo e qualquer mal. Embora o povo fosse pouco, ou quase nada  agradecido, o Senhor o protegia dia e noite. Durante o dia com uma nuvem protetora, para que não desanimasse pelo caminho; à noite com uma coluna de fogo, protegendo-o de qualquer ataque de animais selvagens. Tanto a nuvem como a coluna de fogo nunca se apartaram do povo. Êx. 13.21,22. Com a saída do povo hebreu do Egito iniciou-se a grande obra de Deus para com o Seu povo.

O êxodo do povo hebreu do Egito aconteceu devido a opressão e escravidão. O Egito ficou como símbolo da opressão, escravidão, da corrupção, da exploração…  O povo que se libertou politicamente dos egípcios ficou como símbolo de libertação. O Senhor conduziu o Seu povo, e ao atravessar o mar, a Arca da Aliança ia à frente. Quando chegou ao meio do mar o Senhor mandou que a mantivesse parada, até que o povo todo tivesse passado com os pés em terra seca. A Arca da Aliança simbolizava a presença do próprio Deus. O livramento foi tão grande que  aquele povo se viu livre dos egípcios para sempre “…os egípcios, que hoje vedes, nunca mais os tornareis a ver”.

Realmente, quando o Senhor abriu as águas do mar dos Juncos ou mar vermelho, os hebreus passaram em terra seca, logo após os egípcios entraram também, mas o mar se fechou, levando consigo todos os cavaleiros que estavam ali. Nunca mais os hebreus os veriam. Meditando no versículo acima, concluímos que aquele acontecimento se repete dia após dia. Os opressores, aproveitadores, exploradores, caluniadores, fuxiqueiros, assassinos, corruptos, ladrões, mentirosos, estão e estarão caminhando com todas as pessoas no presente momento, mas quando o Senhor nosso Deus nos levar para a terra prometida, onde mana  leite  e mel, ou seja, para o paraíso celeste, nunca mais essas pessoas malignas serão vistas, nem lembrança alguma restará delas. O Senhor Jesus foi preparar lugar para todo aquele que se converteu e caminhou com  Ele. João 14.1-6.  “… os egípcios, que hoje vedes, nunca mais os tornareis a ver” Êx. 14.13b.

Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida: ninguém vem ao Pai senão por mim” João 14.6.

Graça e Paz!

 

Jesus entrando triunfalmente em Jerusalém

Jesus entrando triunfalmente em Jerusalém

A entrada triunfal de Jesus em JerusalémJoão 12.12-19

“E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupos de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” Miquéias 5.2.

Numerosa multidão fora a Jerusalém para a festa da Páscoa. A Páscoa tinha um significado muito grande para o povo judeu. Comemoravam a libertação geográfica e política do Egito. Os judeus clamaram a Deus que estavam sofrendo horrores no Egito. Eram escravos, portanto não tinham liberdade para nada, eram maltratados e tolhidos até para prestar culto ao seu Deus. Então Deus os ouviu, e enviou Moisés para libertá-los da escravidão egípcia.

Antes da libertação o povo preparou e comemorou a primeira Páscoa, como o Senhor Deus lhe ordenara. Em seguida, foram livres do julgo egípcio. Daí, todos os anos comemorarem com grandes festas a Páscoa da libertação política e geográfica. Após o sacrifício e a ressurreição de Jesus Cristo todos os seguidores de Jesus comemoram a Páscoa da libertação espiritual. O Senhor Jesus liberta todo aquele que se achega a Ele. Ele oferece a libertação espiritual. A pessoa deixa de ser escrava do pecado, e torna-se uma pessoa livre.

Jesus estava a caminho de Jerusalém, e a multidão que viera para a festa da Páscoa ouviu que Ele estava próximo a Jerusalém. A multidão:  “Tomou ramos de palmeiras e saiu ao Seu encontro clamando: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor e que é Rei de Israel!” v. 13. Jesus havia conseguido um jumentinho, e montou-o, para se cumprir o que está escrito: “Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém: eis aí te vem o teu Rei, justo e salvador, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de jumenta” Zc. 9.9. O jumento na época era a montaria dos reis e grandes senhores em suas visitas e viagens para outras plagas. Assim Jesus ao montar em jumento, na sua entrada triunfal em Jerusalém, estava demonstrando Sua natureza Real.

Jerusalém (= cidade de paz): Podemos usá-la figuradamente como sendo o âmago do ser humano, ou seja, coração/alma/espírito. Jumentinho (animal teimoso, irredutível quando empaca, é muito difícil lidar com ). Pode ser usado figuradamente como o ser humano, que é bem parecido. Mas Jesus vai de encontro com a pessoa tocando em sua vida, e transformando-a totalmente. Jesus envolve a pessoa com a sua capa protetora (vestes), assim como as pessoas a colocaram (vestes) sobre o jumentinho. Ele montou no jumentinho, tornando-o dócil, e assim envolveu e envolve as pessoas que o seguem, tornando-as dóceis, amorosas, espiritualizadas.

“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda” Jo. 15.16. Jesus entrou triunfante em Jerusalém, e ouviu os gritos da multidão “… Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor e que é Rei de Israel”. Assim acontece com todo aquele que o Senhor Jesus tocar, por mais rebelde e teimosa que uma pessoa seja, com o toque bendito do Senhor, ela se torna uma cidadã do reino.

Porque o Senhor Jesus entra triunfante em sua vida, e ouve os gritos de alegria da alma ““… Hosana! “Bendito o que vem em nome do Senhor e que é Rei de Israel”. Ou seja, Rei do meu coração/alma/espírito. O Senhor Jesus não faz acepção de pessoa, Ele toca na vida de cada uma, mas a decisão é individual e intransferível para outra pessoa. Jesus entra triunfal no coração de cada pessoa que aceita o seu toque, o seu chamamento, o seu convite para morar nas mansões celestiais, juntamente com Ele e todos os salvos e bem-aventurados.

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-vos-á” Mt. 7.7,8.

Graça e Paz!