Browsed by
Tag: Espírito Santo

Esperança

Esperança

“E o Deus da esperança vos encha de todo gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo” Rm 15.13.

Todo ser humano vive mergulhado na esperança de dias melhores em todos os sentidos.  Mas, o que menos conta na atitude humana é a esperança espiritual. Quase não ouvimos alguém se referir à importância espiritual na vida de alguém. Muitas vezes quando nos referimos a qualquer assunto com respeito ao espiritual, notamos que poucas pessoas ouvem ou se interessam, até parece que elas acham que Deus está distante e incomunicável. O que ninguém ou quase ninguém sabe é que todo ser humano tem um lugar reservado no coração, que deve ser preenchido com a presença do Senhor que é dono desse órgão, não órgão físico, mas órgão espiritual. Quando o Senhor ocupa o Seu lugar na vida de uma pessoa, essa vida é totalmente diferente das demais do grupo ou da sociedade em que ela vive.

A esperança é algo maravilhoso na vida de uma pessoa. Mesmo quando ela está num leito sem expectativa de cura, ela tem esperança de sair dali e realizar muitos sonhos idealizados. Mas, a verdadeira esperança deve ser espiritual, porque a pessoa que tem essa preocupação, busca, procura e coloca a sua vida de acordo com a necessidade verdadeira. Somente Jesus pode alimentar e estruturar a verdadeira esperança para o ser humano. Ele é porto seguro para todos que O recebem em seus corações (Ap 3.20). Uma vida repleta de esperança divina é uma vida rica espiritualmente (João 1.12).

A esperança é a verdadeira riqueza, porque ela nutre, fortalece, desenvolve na pessoa a vontade de vencer, de conseguir algo imaginado ou planejado antecipadamente. A verdadeira esperança está em Jesus Cristo, porque somente Ele pode oferecer a esperança viva. Isto é, uma esperança que transcende qualquer expectativa humana, porque é esperança de uma vida rica espiritualmente, frutífera, aqui e, no futuro vida eterna juntamente com o Senhor Jesus. É um retorno ao lar celestial para todo aquele que se decidir caminhar com o Senhor Jesus aqui e agora. “… por causa da esperança que vos está preservada nos céus, da qual antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho” Cl 1.5.

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos” 1 Pe 1.3.

Graça e Paz!

Banquete

Banquete

“À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado” Lc 14.17.

Há um grande banquete sendo preparado minuciosamente. Os convites já estão a caminho para todas as pessoas sem distinção. Ninguém poderá dizer que não o recebeu, porque o convite será enviado nos respectivos endereços. Isto é, a todas as nações, a todos os povos, a todas as línguas. Mas, muitos recusarão receber o precioso convite, e apresentarão as mais variadas desculpas. O convite é individual e personalizado. Não pode ser transferido, porque todas as pessoas receberão.  Assim, não participarão do grande banquete todos aqueles que ignorarem ou desviarem o convite.

O convite é valiosíssimo, portanto, quem o receber de bom grado, nunca se arrependerá. Muitos deixarão passar a oportunidade de participar do grande banquete. O dono da festa faz questão da presença de todos os convidados, por isso envia o convite pessoalmente. Os trajes exigidos são enviados juntamente com o convite. Por isso, devem ser usados no dia do grande banquete. Quem tentar entrar sem os trajes a rigor exigidos, certamente será envergonhado e retirado dali.

Em um tempo remoto quando o rei oferecia um banquete, para festejar algum grande acontecimento ou bodas de seus herdeiros, ele ordenava que seus artesãos confeccionassem os trajes de festa para todos os convidados. Esses trajes deviam ter muito brilho, muitas vezes eram bordados com ouro. Todos os trajes eram iguais, para que não houvesse penetras, alguém que não tinha sido convidado, ou alguém que tivesse se desfeito do traje enviado pelo rei.  Ninguém tinha autorização para confeccionar o traje exigido, mas somente os artesãos do rei, e estes eram rigorosamente monitorados. Daí a parábola que Jesus proferiu a respeito do banquete que o Pai fará no fim dos tempos.

O traje real que o Senhor Deus exigiu na parábola, foi preparado por Ele mesmo na pessoa do Senhor Jesus Cristo. Deus continua enviando convites a todas as pessoas para que participem do grande banquete Real. Como é de praxe, os convites são enviados com bastante antecedência, para que a pessoa aceite, e se prepare para o grande dia. As vestes são preparadas pelo próprio Deus, que é o Espírito Santo, na aceitação do convite e na conversão; em seguida, a pessoa recebe sua veste nupcial. O Espírito Santo de Deus passa a habitar dentro do espírito da pessoa. As vestes são de um valor inestimável. Com ela vem o passaporte para a vida eterna. Toda pessoa que aceita o convite e recebe as vestes preparadas pelo Rei, passa a ser uma predestinada a participar do grande banquete real. Toda pessoa tem essa oportunidade. Ninguém pode ignorar ou criticar, porque o convite está à disposição de cada um, sem acepção de pessoas.

A pessoa necessita honrar estas vestes, honrar o nome de cristão, para chegar até o banquete, e ficar livre de constrangimento. Aquele que entra sem a veste nupcial que o Rei lhe enviara, é afastado do banquete. A pessoa deve ter se desfeito das vestes, ou perdido pelo caminho, ou vendido por um bom dinheiro, pois são vestes valiosas, portanto, não as valorizou o suficiente para participar do grande banquete. O banquete é o Reino dos Céus preparado para todo aquele que aceita o convite e veste a roupa que o Senhor Deus lhe entregou nas mãos, e as vestes são o próprio Espírito Santo de Deus, que veste as pessoas e as prepara para o Grande Banquete Real.

“… Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes” Mt 22.22.13,14.

Graça e Paz!

Os misericordiosos

Os misericordiosos

“Bem aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” Mt 5.7.

Ecl. 11.1. “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás” Ec 11.1.      (pão do espírito – instrução)

Misericordioso é aquele que perdoa as ofensas que lhe fazem as pessoas, e considera a fraqueza dos outros. Ele está acima de qualquer ofensa, qualquer irritação, porque o seu espírito é nobre, compreensivo, bondoso, amoroso,  repleto das bênçãos de Deus. Ele é conduzido espiritualmente pelo Senhor Jesus. O Espírito Santo de Deus lhe concede toda boa obra, todo o bem-estar espiritualmente. O misericordioso tem em mente o enunciado que aparece em Eclesiastes: “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás” Ec 11.1. Ele conhece muito bem o significado da palavra pão usada pelo autor deste livro.

Pão – Jesus é o Pão da vida (João 6.48), e alimenta a todos quantos se achegarem a Ele com fé e humildade. Jesus é o Pão do espírito, a instrução, e a estrutura espiritual que uma pessoa adquire, cuida, e cresce diariamente. Pão é tudo aquilo que mantém o nosso espírito nutrido, forte, capaz de enfrentar as dificuldades do dia a dia. Lançar o pão sobre as águas – águas (= multidão Ap. 14.2). Pão sobre as águas significa que a pessoa deve viver semeando a boa semente (Palavra de Deus) por toda parte, onde quer que ela esteja. Passar pela vida realizando boas obras – espirituais, e são as que ficam registradas no Livro da Vida. Deus é Espírito, e só se achega a Ele com obras espirituais. As obras materiais são realizadas em decorrência das espirituais. Não deixam de ser importantes, mas não são essenciais.

“Lança o teu pão sobre as águas…” isto é, viva de acordo com a Palavra de Deus, usufruindo de tudo que ela nos ensina, da confiança que ela nos transmite, da certeza da salvação de nossas almas imortais. As nossas almas são imortais, portanto, devemos pensar seriamente para onde iremos depois desta vida aqui. O Senhor Deus nos enviou o Seu Filho Unigênito para realizar um grande ministério, morrer na cruz no calvário, ressuscitar vitoriosamente, e nos oferecer de graça a salvação de nossas almas imortais. Para o Senhor Jesus não há acepção de pessoas. Todas são iguais perante Ele, mas a decisão é individual e personalizada. O Senhor não permite que uma pessoa decida por outra. Como Ele nos oferece a salvação de graça, nós só precisamos convidá-Lo a entrar em nossos corações (Ap. 3.20).

Se nós semearmos a boa semente (Palavra de Deus) durante as nossas vidas, estaremos lançando o nosso pão sobre as águas, e um dia quando necessitarmos de algo encontraremos os frutos dessa boa semente, que certamente nos alegrará muito com o seu resultado. Se a semente é boa, a colheita será boa também. Por exemplo: Uma sementinha de uva brota uma plantinha tenra, se fortalece, e se torna uma linda videira. Todos os seus frutos serão bons. Sempre alegrará o seu senhor. Assim é todo aquele que lança o seu pão sobre as águas, sempre terá um retorno bom, à altura daquilo que ele lançou no passado.

“… buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” Mt. 6.33.

Graça e Paz!

Receita para ser feliz

Receita para ser feliz

Receita para ser feliz. 1

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez vos digo: alegrai-vos!” Fp. 4.4.

“Louvar-te-ei, Senhor, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas”. “Alegrar-me-ei e exultarei em ti; ao teu nome, ó Altíssimo, eu cantarei louvores” Salmo 9.1,2.

A verdadeira felicidade é aquela oferecida pelo Espírito Santo. Somente Ele tem a receita para que o ser humano alcance a felicidade plena, independentemente das circunstâncias exteriores, que muitas vezes atravessam a sua frente. O apóstolo Paulo ao escrever aos Filipenses disse que eles deveriam alegrar-se sempre no Senhor (Fp. 4.4). Não só os Filipenses, mas todos quantos tiverem o Senhor Jesus como seu Senhor e Salvador pessoal. Porque Paulo cria que a alegria verdadeira era a espiritual. Porque esta alegria é verdadeira e eterna. A felicidade espiritual independe de toda e qualquer situação física, orgânica ou material. A alegria da salvação uma vez instalada no coração/espírito humano, nunca mais o deixa.

A conversão é a reconciliação do ser humano com o seu Deus através de Jesus Cristo, que é o intermediário. O ser humano reconciliado com o seu Deus terá o seu “prazer na lei do Senhor, e na Sua lei medita de dia e de noite” Sl. 1.2.  Aquele que assim procede será uma pessoa amável e bondosa com todos os demais, sem exceção. “Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos” Fp. 4.5. A pessoa será sempre cabeça e não cauda “O Senhor te porá por cabeça e não por cauda; e só estarás em cima e não debaixo, se obedeceres aos mandamentos do Senhor, teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e cumprir” Dt. 28.13. Todo servo do Deus Altíssimo necessita ter esta responsabilidade em mente, a de ser sempre cabeça, isto é, ter condições de sempre conduzir, orientar, ensinar, testemunhar, para que outras pessoas também trilhem os caminhos do Senhor nosso Deus. Porque o cabeça tem o selo do Espírito Santo, por isso deve zelar pela sua incumbência espiritual.  Aquele que não procede assim será conduzido, levado, por seres estranhos ao nosso Deus, e por caminhos errôneos. Deus não o terá por inocente.

Os cuidados do Senhor Deus para com o ser humano convertido é muito grande. Ele ordena que a pessoa caminhe nos Seus Santos e retos caminhos. Deus diz: hoje. A Palavra do Senhor é sempre atual. A ordem é que cada um dos Seus obedeça e cumpra os Seus mandamentos e os Seus decretos. Deus quer o melhor para cada ser humano. Se o ser humano obedecesse e trilhasse os planos de Deus para a sua vida, tudo seria diferente. A preocupação espiritual deve ser levada a sério. Todo servo do Senhor deveria transformar todos os seus assuntos em oração e meditação. Deveria também aprofundar-se no conhecimento da Palavra desse Deus maravilhoso. Somente Ele tem um Caminho de Paz que conduz ao paraíso celeste juntamente com Jesus Cristo, o Salvador e Senhor de todo salvo. “Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra” Is. 1.19. Comer o melhor desta terra é simplesmente viver em completa paz com Deus, e ser espiritualmente adulto na fé, e ocupar o seu cargo de embaixador do Senhor Deus com dignidade e Amor.

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”Fp. 4.8.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” Fp. 4.7.

Cartas de Deus

Cartas de Deus

Carta de Deus. 1“Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens, estando já manifestos como carta de Cristo, produzida pelo nosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito de Deus vivente, não em tábuas de pedra, mas em tábua de carne, isto é, nos corações” II Coríntios 3.2,3.

Somos cartas de Deus, porque não transmitimos a nossa mensagem humana, mas, sim, a mensagem do céu. É a presença do Espírito Santo habitando em nós e nos habilitando a ser “boca de Deus”(… serás a minha boca… “ Jr. 10.11. “A boca do justo é manancial de vida” Pv. 10.11. A Palavra de Deus nos diz que somos cartas abertas e lidas por todos. Desde a conversão de uma pessoa, a carta de Deus começa a ser escrita no seu coração.

A carta de Deus é escrita no coração da pessoa para que ela leve a mensagem divina a outras pessoas que ainda não a conhecem. Não há como esconder a mensagem, se é que a pessoa é uma carta de Deus. Nesta carta consta tudo o que Deus pensou, planejou e mostrou ao ser humano, através de Sua Palavra e de Jesus Cristo. Deus chama a pessoa e a capacita para ser Sua carta viva. A Sua Palavra flui do interior de uma pessoa como uma fonte de água viva. “… aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna” João 4.14.

A responsabilidade de uma pessoa ser carta de Deus é muito grande. Ela precisa crescer no conhecimento da Palavra, na prática da oração, meditação. Zelar pelo testemunho, pelo comportamento, enfim, ter uma vida digna de ser uma carta de Deus. Deve estar sempre pronta para realizar o mandado de Jesus: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” Mc. 16.15. Não só pregar o Evangelho, mas orar, meditar, visitar, realizar o trabalho da melhor forma possível. Onde quer que a pessoa esteja, ela ocupa o lugar de embaixadora de Cristo “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio …” 2 Co. 5.20, deve honrar o nome de Cristo Jesus.”… Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor” 2 Timóteo 2.19b.

Toda carta verdadeiramente escrita por Deus leva consigo a maravilhosa mensagem da salvação de almas imortais. Esta carta aberta realiza um excelente ministério, ganha muitas pessoas para o reino da glória. É o Senhor transmitindo a Sua Palavra, outrora revelada através dos Seus servos (cartas de Deus), e agrupando aqueles que aceitam esta mensagem de salvação, e que um dia estarão diante do Cordeiro, todos salvos e bem-aventurados.

Quanto aqueles que não aceitam, não há segunda chance para o arrependimento dos pecados. Irão para o lugar que eles próprios prepararam. Não podem querer grandes coisas, pois, foi tudo que conseguiram com seu orgulho, egoísmo, desamor, apego às oferendas do mundo incrédulo, descrença total, revolta com tudo e com todos, ódio, inveja, desejo mal referente ao próximo e muito mais. A pessoa está ocupada demais com essas coisas, não tem tempo e nem vontade de ver o além de, nem se preocupar com as coisas do porvir.

“Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” João 5.39.

Graça e Paz!

Espírito Santo, o Intercessor

Espírito Santo, o Intercessor

Espírito Santo, o intercessor 5Romanos 8.16-39.

“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis” Rm. 8.26.

Os profetas do Velho Testamento se referiam ao Messias, que Deus prometera ao Seu povo. O Messias viria e desenvolveria um grande e excelente ministério. Esse ministério teria um tempo determinado onde ocorreriam muitas curas de várias enfermidades, muitos sinais, muitos milagres, principalmente a salvação de almas imortais.

Jesus, o Messias (pessoa esperada ansiosamente, pessoa a quem Deus comunica algo de seu poder ou autoridade) prometido por Deus veio, e desenvolveu um grande ministério como foi profetizado no passado, e realizou o sacrifício na cruz do calvário, ressuscitou ao terceiro dia, apareceu aos Seus discípulos provando que Ele venceu a morte. Jesus foi assunto ao céu. “… mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra. Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles (discípulos), e uma nuvem O encobriu dos seus olhos” Atos 1.8,9.

Alguns dias se passaram e os discípulos estavam reunidos, quando de repente desceu do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu todo o lugar onde estavam reunidos. “E apareceram distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo, e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem” At. 2.3,4.

Ali estavam reunidos diversos povos, línguas diferentes entre si. Mas cada um entendia a mensagem em sua própria língua. Não havia língua desconhecida do povo. Assim começou o Espírito Santo de Deus a agir diretamente em cada pessoa. Cada uma entendia a mensagem em sua própria língua, no seu modo de entender. Desde essa época o Espírito Santo de Deus entra no coração/alma/espírito de uma pessoa e se comunica com ela de acordo com o entendimento que possui e seu  modo de ser.

Mas a pessoa necessita querer que isso aconteça, e que ela convide o Senhor a entrar no seu coração e fazer nele morada. “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” Apoc. 3.20. O Espírito Santo de Deus tem feito maravilhas na vida da pessoa. Desde a conversão que salva a alma imortal de uma pessoa para a eternidade; muda a vida dessa pessoa da noite para o dia; recupera viciados dos mais variados tipos; levanta os caídos no lamaçal do pecado; liberta os cativos de Satanás; repreende a depressão que mata espiritualmente uma pessoa; enfim, o Espírito Santo de Deus tem agido, tem mudado o rumo do mundo incrédulo que nos cerca. Se não fosse assim, tudo estaria perdido.

“… Em todas estas cousas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as cousas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” Rm. 8.37-39.

Graça e Paz!

 

Jesus aparece aos discípulos

Jesus aparece aos discípulos

Jesus aparece aos discípulos 4João 20.19-29.

Jesus ressuscitara de manhã, no primeiro dia da semana. Logo à tarde, os discípulos estavam reunidos, com as portas trancadas, pois eles estavam com medo dos perseguidores. Esses perseguiam duramente os adeptos de Jesus. Aí “veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!” v. 19b.

Jesus identificou-se mostrando aos seus discípulos as mãos e o lado feridos. “Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor” v. 20b.

Jesus disse-lhes novamente: “Paz seja convosco!”. “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” v. 21. “E havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos” vs. 22,23. O Senhor Jesus desejou aos discípulos: Paz. Jesus é a Paz que todos precisam e devem buscar para o seu próprio bem estar, sua tranquilidade, vida cheia de bênçãos, de prosperidade espiritual, e em decorrência dessa prosperidade também a prosperidade material. Jesus soprou para que os discípulos recebessem o Espírito Santo, porque seria Ele que iria permanecer juntamente com cada um deles, e através dos tempos com cada um dos convertidos. Jesus sopra em todos igualmente, mas depende de cada um receber ou não o Santo Espírito de Deus.

Somente o Espírito Santo pode trazer uma pessoa ao arrependimento de seus pecados, e se converter ao Senhor Jesus. O sopro que recebemos de Jesus é o momento em que recebemos o Espírito Santo dentro do nosso coração/alma/espírito. Daí a maravilha de sermos feitos filhos de Deus. “Mas, a todos quantos O (Jesus) receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no Seu nome” João 1.12.

Quando Jesus caminhava fisicamente aqui, os perseguidores podiam persegui-lo, julgá-lo, condená-lo, matá-lo. Mas frente ao Espírito Santo de Deus é impossível aos perseguidores: persegui-lo, condená-lo, matá-lo, pois tudo mudou com a nova situação. A condenação veio sem que eles tivessem percebido ou perceberam e não puderam mudá-la. A maior parte deles ainda espera a vinda do Messias, realiza os rituais do Velho Testamento, e não aceita o Senhor Jesus.

Uma pequena parte desses judeus perseguidores converteu-se ao Senhor Jesus, e passou a gozar das bênçãos prometidas por Ele (Jesus). O Evangelho de João relata muito sobre os judeus que não aceitaram Jesus como o Messias, e ainda esperam a Sua vinda. Mas muitos judeus aceitaram, creram, e salvaram suas almas imortais. O Espírito Santo de Deus continua agindo em todos os corações que O querem em suas vidas. Para isso não há acepção de pessoas. Todos são iguais perante Deus. “Deus é Amor” 1 João 4.8.

Jesus disse: “Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho” Lc. 24.39.

Graça e Paz!

Jesus promete outro Consolador

Jesus promete outro Consolador

Jesus promete outro consolador.2João 14.16-31

“O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê, nem O conhece; vós O conheceis, porque Ele habita convosco e estará em vós” v. 17. “Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros” v. 18.

Jesus considera os Seus discípulos como Seus amigos. Ele promete enviar outro Consolador, depois que Ele fosse assunto ao céu. Jesus disse que o Espírito da Verdade o mundo não podia recebê-lo, porque o mundo não cria, nem queria crer nas obras de Deus. Mas Jesus se refere aos discípulos, que conhecem o Espírito da Verdade, uma vez que o Espírito da Verdade habitava com eles, e estava com eles. Os discípulos conheciam o Espírito da Verdade através dos ensinamentos de Jesus.

No versículo dezoito vemos o Senhor Jesus fazendo referência a si próprio como sendo Ele mesmo o Espírito da Verdade. O Senhor Jesus é o próprio Deus que se tornou carne e habitou entre nós.  O Senhor disse que não nos deixaria órfãos, mas que enviaria outro Consolador, ou seja, o Senhor Jesus veio cumpriu toda a lei, e finalizou Seu ministério com a Sua morte, e morte de cruz no calvário. Ressuscitou, e permaneceu aqui na terra por algum tempo, depois subiu ao céu. “… foi Jesus elevado às alturas, à vista deles (discípulos), e uma nuvem O encobriu dos seus olhos” Atos 1.9.

Jesus ainda alertou os Seus discípulos que eles O teriam em sua companhia por pouco tempo, depois teriam a companhia do Consolador, o Espírito Santo a quem o Pai enviaria em nome do Senhor Jesus. E que o Espírito Santo ensinaria todas as coisas e que faria com que eles se lembrassem de tudo que Ele (Jesus) lhes ensinara ou dissera. Jesus orientara os Seus discípulos sobre tudo que ia acontecer, mas que Ele sempre estaria com eles, e com o novo Consolador eles se lembrariam de tudo que Jesus lhes dissera.

Jesus disse que Ele e o Pai são um: “Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” Jo 14.6.; “O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê, nem O conhece; vós O conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós” v. 17; “Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros” v. 18;

Jesus foi assunto ao céu à vista de todos os presentes. Passados alguns dias aconteceu que os discípulos estavam reunidos em oração, quando aconteceu a descida do Espírito Santo. Todas as pessoas que estavam presentes, de várias nacionalidades e línguas, ouviram a mensagem em sua própria língua. Isto significa que o Senhor Jesus realizou o sacrifício na cruz do calvário suficiente para salvar todo aquele que reconhecer que o sacrifício é válido para salvar todo aquele que n’Ele crê, não importando sua nacionalidade e língua. “Quando Ele (Espírito Santo) vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado” Jo. 16.8-11.

O Espírito Santo de Deus age na vida da pessoa que recebe com alegria a Palavra de Deus, e se converte ao Senhor Jesus. No momento da conversão a pessoa recebe o Espírito Santo dentro de seu espírito. Aí começa uma nova vida. A pessoa nasce de novo. Nasce espiritualmente. Nasce para uma vida cheia de bênçãos, de prosperidade espiritual, tranquilidade e segurança. Toda pessoa que tem o Senhor Jesus como seu único e suficiente Salvador e Senhor pessoal, vive em paz com Deus e consigo mesma.

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, em se atemorize” .v 27.

Graça e Paz!

Jesus, a fonte da água viva

Jesus, a fonte da água viva

Jesus, a fonte de água...João 7.37-44

“No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba” v. 37.

“Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” v. 38.

Jesus compareceu no último dia da festa dos Tabernáculos ou Festa da Colheita. O último dia da festa era o mais importante e o mais concorrido das comemorações. “Jesus escolheu este dia para levantar-se e exclamar: Se alguém tem sede, venha a mim e beba” v. 37. Estes versículos mostram Jesus já se referindo ao Espírito Santo, que haviam de receber os que n’Ele cressem. “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” v. 38.

 “… do seu interior fluirão rios de água viva” se refere à vinda do Espírito Santo. E que quando o Espírito Santo fosse enviado, Ele tomaria conta da vida da pessoa de tal maneira, que ela viveria de acordo com o plano de Deus, e se santificaria à medida que o tempo passasse. A vida de cada um que aceitasse e aceita o Senhor Jesus em seu coração seria e é uma vida frutífera para o Senhor Jesus. Este seria muito abençoado. Um verdadeiro seguidor de Cristo. O Espírito Santo até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado. O povo que ouvia isso dizia: “Este é verdadeiramente o profeta” v. 40b. Outros diziam: “Ele é o Cristo” v.41. Atualmente as pessoas recebem o Espírito Santo de Deus no momento da conversão. A verdadeira conversão é aquela que o Espírito Santo passa a habitar no coração/alma/espírito da pessoa. Daí a mudança de vida, muitas bênçãos, segurança, confiança, certeza de um futuro espiritual garantido.

O povo estava confuso, então perguntavam uns aos outros: “Porventura, o Cristo virá da Galiléia?” v.41b. Outros perguntavam: “Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e da aldeia de Belém, donde era Davi?” v. 42. “Houve grande dissensão entre o povo por causa d’Ele” v. 43. Se analisarmos a situação hoje, não há nada diferente. Podemos notar que o texto está quase todo escrito no tempo presente. Há grandes festas com uma numerosa freqüência. Pessoas despreocupadas com a realidade espiritual.

Se perguntarmos a respeito de Jesus, pouquíssimas pessoas sabem alguma coisa, a maior parte não sabe nada e nem quer saber. É mais cômodo não se preocupar com a vida espiritual. A realidade atual é precária espiritualmente. O povo vive à beira do caos espiritual. Qualquer vento de doutrina leva daqui, dali, e não chega a lugar nenhum. Por isso surgem muitos enganadores, e granjeiam grande número de seguidores. E os enganadores enriquecem às custas dessas pessoas mal informadas ou desonestas, porque querem as bênçãos, mas não querem o Senhor das bênçãos.

“Porventura, o Cristo virá da Galiléia?”. Cristo vem da descendência de Davi e da aldeia de Belém? Sim. Jesus Cristo veio da Galiléia, da descendência de Davi e da aldeia de Belém. “E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” Miquéias 5.2. Jesus realizou um profícuo ministério. Morreu na cruz do calvário. Ressuscitou ao terceiro dia. “Jesus foi elevado às alturas, à vista deles (discípulos), e uma nuvem O encobriu dos seus olhos” Atos 1.9.

Assim Ele nos oferece de graça a salvação de nossas almas imortais. Jesus só exige de nós uma decisão clara e sincera. Ele quer que nós O recebamos em nossos corações. A decisão é individual e personalizada. Ninguém pode decidir por outra pessoa. Porque cada pessoa é um mundo diferente, e tem uma decisão diferente. Uma coisa é certa – ninguém pode enganar a Deus. “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também colherá” Gl. 6.7. Fazer uma decisão pela metade, ou dizer que se decidiu e fez justamente o contrário, só para agradar uma pessoa ou outra. Quem recebe o Senhor Jesus em seu coração/alma/espírito “… rios de água viva fluirão do seu interior”. A vida da pessoa corresponde ao que ela decidiu. Não há necessidade de mostrar-se a ninguém. Seu testemunho fala muito alto.

“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” Apoc. 3.20.