Browsed by
Tag: filho de Deus

Banquete

Banquete

“À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado” Lc 14.17.

Há um grande banquete sendo preparado minuciosamente. Os convites já estão a caminho para todas as pessoas sem distinção. Ninguém poderá dizer que não o recebeu, porque o convite será enviado nos respectivos endereços. Isto é, a todas as nações, a todos os povos, a todas as línguas. Mas, muitos recusarão receber o precioso convite, e apresentarão as mais variadas desculpas. O convite é individual e personalizado. Não pode ser transferido, porque todas as pessoas receberão.  Assim, não participarão do grande banquete todos aqueles que ignorarem ou desviarem o convite.

O convite é valiosíssimo, portanto, quem o receber de bom grado, nunca se arrependerá. Muitos deixarão passar a oportunidade de participar do grande banquete. O dono da festa faz questão da presença de todos os convidados, por isso envia o convite pessoalmente. Os trajes exigidos são enviados juntamente com o convite. Por isso, devem ser usados no dia do grande banquete. Quem tentar entrar sem os trajes a rigor exigidos, certamente será envergonhado e retirado dali.

Em um tempo remoto quando o rei oferecia um banquete, para festejar algum grande acontecimento ou bodas de seus herdeiros, ele ordenava que seus artesãos confeccionassem os trajes de festa para todos os convidados. Esses trajes deviam ter muito brilho, muitas vezes eram bordados com ouro. Todos os trajes eram iguais, para que não houvesse penetras, alguém que não tinha sido convidado, ou alguém que tivesse se desfeito do traje enviado pelo rei.  Ninguém tinha autorização para confeccionar o traje exigido, mas somente os artesãos do rei, e estes eram rigorosamente monitorados. Daí a parábola que Jesus proferiu a respeito do banquete que o Pai fará no fim dos tempos.

O traje real que o Senhor Deus exigiu na parábola, foi preparado por Ele mesmo na pessoa do Senhor Jesus Cristo. Deus continua enviando convites a todas as pessoas para que participem do grande banquete Real. Como é de praxe, os convites são enviados com bastante antecedência, para que a pessoa aceite, e se prepare para o grande dia. As vestes são preparadas pelo próprio Deus, que é o Espírito Santo, na aceitação do convite e na conversão; em seguida, a pessoa recebe sua veste nupcial. O Espírito Santo de Deus passa a habitar dentro do espírito da pessoa. As vestes são de um valor inestimável. Com ela vem o passaporte para a vida eterna. Toda pessoa que aceita o convite e recebe as vestes preparadas pelo Rei, passa a ser uma predestinada a participar do grande banquete real. Toda pessoa tem essa oportunidade. Ninguém pode ignorar ou criticar, porque o convite está à disposição de cada um, sem acepção de pessoas.

A pessoa necessita honrar estas vestes, honrar o nome de cristão, para chegar até o banquete, e ficar livre de constrangimento. Aquele que entra sem a veste nupcial que o Rei lhe enviara, é afastado do banquete. A pessoa deve ter se desfeito das vestes, ou perdido pelo caminho, ou vendido por um bom dinheiro, pois são vestes valiosas, portanto, não as valorizou o suficiente para participar do grande banquete. O banquete é o Reino dos Céus preparado para todo aquele que aceita o convite e veste a roupa que o Senhor Deus lhe entregou nas mãos, e as vestes são o próprio Espírito Santo de Deus, que veste as pessoas e as prepara para o Grande Banquete Real.

“… Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes” Mt 22.22.13,14.

Graça e Paz!

Jesus anda por sobre o mar

Jesus anda por sobre o mar

Jesus anda por sobre o mar 1João 6.16-21.

“Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador” Is. 43.11.

Ao entardecer os discípulos de Jesus desceram para o mar, e tomaram um barco para passarem do outro lado, rumo a Cafarnaum. Jesus não estava com eles, porque subiu ao monte, a fim de orar sozinho. Quando estavam longe, vinte e cinco a trinta estádios, e já estava escuro, as águas começaram a agitar-se cada vez mais forte, e um vento amedrontador começara a trazer medo aos discípulos de Jesus. Havia muita insegurança, porque Jesus não estava com eles no barco. Ao longe, os discípulos avistaram um vulto que vinha em direção ao barco, e ficaram atemorizados, porque acreditaram tratar-se de um fantasma. Não reconheceram a figura de Jesus, apenas viram um vulto. Mas Jesus lhes disse: “Sou eu. Não temais!” v. 20. Eles de bom grado receberam a Jesus no barco, e logo chegaram ao seu destino. As pessoas ficam amedrontadas por qualquer acontecimento que foge ao seu controle, porque lhes faltam segurança espiritual, e a presença marcante de Jesus em suas vidas. As pessoas se apegam as mais variadas coisas ou objetos para se agarrarem, mas isto não satisfaz.

Quantas vezes as pessoas se apegam a alguma coisa ou objeto feito pela mão humana e creem no objeto como se fosse um deus. Sempre ficam decepcionadas, porque tudo que é feito pela mão humana é imperfeito, falho e decepcionante. Tudo que é feito pela mão humana é menor que o ser que o construiu ou o fez. Somente Jesus que foi ao encontro dos discípulos, e subiu no barco para acalmá-los, é real. Jesus é vivo, e, assim, é um Ser; portanto, Ele pode agir, reagir, e fazer maravilhas.

O mar simboliza a vida agitada de cada ser humano, cheia de altos e baixos. No decorrer da vida aparecem tantos imprevistos que é muito difícil a pessoa caminhar sozinha. O ser humano foi criado para ser dependente do seu Criador. Deus ama a Sua criação, e tem planos maravilhosos para oferecer a todo aquele que humildemente volta-se a Ele, entrega a Sua vida nas mãos d’Ele. Deus enviou Jesus Cristo para realizar a obra da Redenção. Nós vivemos na época da graça, porque Jesus oferece a salvação de graça a todo aquele que quiser ser salvo. A oportunidade nos é dada aqui, enquanto estamos vivendo, depois não haverá outra chance.

Jesus anda sobre o mar da vida. Quando tudo parece perdido, o medo se apodera da pessoa, ela vê a Jesus como um fantasma ao longe se aproximando. Cabe a cada pessoa se manifestar, e querer que Jesus entre no seu barco (vida) e dissipe todo o medo, treva, temor, e receba-O com alegria. Jesus está sempre perto para resolver todo e qualquer problema, quer seja fácil, quer seja difícil. Para Jesus não há impossíveis, tudo e todos estão ao Seu alcance. O nosso barquinho (vida) é frágil, nós somos medrosos, não temos confiança em nós mesmos o suficiente para enfrentarmos as tempestades da vida. Mas temos a Fortaleza que é o Senhor Jesus para nos dirigir, nos comandar, nos cuidar como se fôssemos pequenos seres indefesos, a pedir ao Senhor para nos abrigar de todo o mal. “Não temas, ó bichinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel” Isaías 41.14. Santo de Israel – Jesus Cristo. (… povozinho de Israel – pessoas que aceitaram o Senhor Jesus como o seu único e suficiente Salvador pessoal).

O Senhor Deus nos diz: “Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo não te queimarás, nem a chama arderá em ti” Is. 43.2.

“Cantai ao Senhor um cântico novo, e o seu louvor desde o fim da terra: vós que navegais pelo mar, e tudo quanto há nele; vós, ilhas, e seus habitantes” Isaías 42.10.

“Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro” Apoc. 22.1.

Graça e Paz!

A missão do Filho de Deus, Jesus

A missão do Filho de Deus, Jesus

A missão de JesusJoão 3.16-36.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que n’Ele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” v.16.

Este versículo que pode ser considerado um resumo da Bíblia, apresenta o Amor incondicional de Deus pelo ser humano. Demonstra tudo de bom que Deus preparou para o ser humano, desde a sua concepção até o final de seus dias. O profeta Isaías nos diz que o Senhor já o conhecia desde a sua massa ainda informe (primeiros dias de vida intra-uterina), e que Deus havia preparado grandes bênçãos para a sua vida (Salmo 139), e também a salvação eterna de sua alma imortal. Todos, como Isaías, que reconhecerem o Senhor Jesus como seu único e suficiente Salvador e Senhor pessoal terão as mesmas bênçãos. O ser humano é totalmente livre para escolher entre a salvação e a perdição. Ambas são eternas. A oportunidade é enquanto a pessoa está vivendo aqui na terra. Depois desse período que passamos aqui, não há mais chances de se arrepender e crer.

O Senhor Jesus veio trazer a salvação. Ele não veio julgar o mundo, mas salvá-lo. Os que creem estão salvos por Ele, mas os que não creem já estão condenados, porque não há quem os tire da condenação eterna. “Quem crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más” vs. 18,19.

João Batista fora enviado de Deus para preparar a mente das pessoas para a aceitação do Senhor Jesus. João Batista batizava com água para o arrependimento dos pecados, e ensinava a Palavra de Deus. Jesus veio em seguida, e desenvolveu um profícuo ministério: curando enfermos, curando endemoninhados, ressuscitando mortos, revelando a grandeza do reino de Deus. Jesus morreu na cruz, derramando o Seu sangue, para que todo aquele que n’Ele crê seja salvo eternamente.

Após a sua ascensão ao céu, Ele enviou o Espírito Santo para convencer o ser humano de seus pecados, e se converter ao Senhor Jesus. O batismo com o Espírito Santo é justamente a conversão da pessoa. Momento que Jesus passa a morar no âmago (coração/alma/espírito) do ser humano. Uma vez que Jesus passou a morar no espírito humano, a pessoa tem uma nova vida. Por isso, que ela nasce de novo. Nasce para Deus eternamente. Mas a pessoa é livre para fazer a sua escolha. Deus ama a todos igualmente. Não há acepção de pessoas. Todas as almas/espíritos são iguais perante Deus.

“Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” v.36.

Graça e Paz!

Torne-se um filho de Deus

Torne-se um filho de Deus

Filho de Deus 2“Mas, a todos quantos O (Jesus) receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” João 1.12.

A vinda de Jesus Cristo foi prometida desde o início da Palavra de Deus. Ele sempre se manifestou como sendo o Anjo do Senhor. Realizou um grande e profícuo ministério no Velho Testamento. Os profetas tinham comunicação com Ele, e transmitiam as mensagens que o Senhor lhes ordenava que o fizessem. No Velho Testamento as pessoas esperavam pelo Messias prometido já na segunda página da Bíblia Sagrada. No Novo Testamento encontramos o Messias, que nasceu, cresceu se tornou adulto, e desenvolveu um rico e vastíssimo ministério, onde: pessoas foram curadas das mais variadas enfermidades; cegos voltaram a ver (João 9.7; 11.37); surdos a ouvir (Mc 7.35); paralíticos a andar (João 5.1-17); alguns ressuscitaram como, por exemplo, Lázaro (João 11.43,44), e a filha de Jairo (Lc 8.54), transformação de água em vinho (João 2.1-12), a multiplicação dos pães (João 6.1-14), Jesus anda sobre as águas e acalma a tempestade (João 6.15-21), a cura do filho de um oficial (João 4.46-54).

O ministério principal de Jesus Cristo foi, e é salvar o pecador da condenação eterna. O pecado condena a pessoa a viver num inferno aqui, e no por vir o inferno literal (Apoc. 20.14). O pecado tira toda paz, segurança, felicidade, seriedade, honradez, amor que a pessoa possui. O pecado leva a pessoa à total miséria espiritual, e em decorrência disso à miséria orgânica, e a miséria material. Uma pessoa chega muitas vezes ao fundo do poço, num tremedal de lama (espiritual).  Jesus oferece de graça a salvação a todos quantos quiserem ser salvos. João 1.12 diz: “Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Jesus limpa a pessoa de toda miséria espiritual, e a coloca em lugares santos, em caminho santo.  Jesus oferece a salvação de graça para que ninguém se glorie (Ef. 2.8,9). Todos são iguais perante Ele. A salvação é espiritual, e só conseguimos nos achegar a Deus espiritualmente. Não há dinheiro espiritual. Portanto, as almas/espíritos são todos iguais. Jesus derramou o seu sangue na cruz do calvário, ressuscitou ao terceiro dia para nos oferecer a salvação, basta que O busquemos e O aceitemos em nossos corações. Jesus nos oferece uma vida de paz, amor, felicidade, tranquilidade, segurança, com bênçãos sem medida. Mas, Ele requer de nós santificação, através da oração, meditação e da Leitura da Palavra d’Ele. A Palavra de Deus só nos ensina coisas boas, edificantes, que constroem um mundo espiritual diferente dos que existem por aí afora.

Jesus quer nossa decisão “Mas, a todos quantos O receberam…”. Jesus foi recebido por todas as pessoas indistintamente, quando entrou em Jerusalém vitorioso. E foi recebido por todos quantos estavam lá naquele dia. Assim também hoje, Ele recebe a todos indistintamente. Para Ele não há acepção de pessoas. Recebemos a Cristo crendo que Ele é Deus, Criador, Salvador e Senhor e se fez homem para nos salvar. Devemos recebê-lo como presente de Deus, dedicando-lhe a vida. Jesus quer nossa transformação “Deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus”. Todo aquele que receber a Jesus, se torna filho de Deus. Deus renova o coração humano. Essa regeneração espiritual é ação divina e irreversível. Não há possibilidade de alguma pessoa se regenerar pela própria vontade. Os verdadeiros cristãos são nascidos de Deus (João 3.6). Somente pelo poder divino alguém pode ser salvo e se tornar filho de Deus.

Graça e Paz!