sacerdotes

A bênção da união fraternal

A bênção da união fraternal

Sl. 133. O salmo 133 foi escrito por Davi, rei de Israel. É um salmo de romagem ou peregrinação.  Quando os judeus iam ao templo cultuar a Deus, iam cantando e louvando com salmos. Os salmos eram memorizados, porque na época não havia a letra escrita ou impressa com a facilidade de hoje, para se adquirir uma cópia. O povo caminhava em grandes grupos cantando alegremente ao Senhor Deus. O salmo 133 passa a mensagem de confraternização e união perfeita. O rei Davi desejava que Continue lendo

Parábola do rico e o mendigo

Parábola do rico e o mendigo

Lc. 16.19-31 Há muita divergência quanto à interpretação desta parábola. Jesus Cristo ensinava através de parábolas para que o povo entendesse melhor a Sua mensagem de vida eterna. Nesta parábola notamos as duras críticas que Jesus fez as pessoas que tinham aparência de santos, mas na realidade não os eram. Havia um grupo de pessoas que formava uma sociedade a parte. Eram pessoas preparadas para ensinar as Escrituras ao povo de maneira geral, mas que não zelavam pelos seus postos de trabalho. Eram eles: Os Continue lendo

A crucificação

A crucificação

João 19.17-42 Logo após Pilatos entregar Jesus para ser crucificado, os guardas O levaram a um lugar chamado Gólgota, que significa Lugar da Caveira. Jesus foi crucificado juntamente com outros dois homens, ficando um de cada lado e Jesus no meio. Deram-lhe a beber vinho com fel (Sl. 69.21), mas Ele, provando-o, não quis beber. “Então, O crucificaram e repartiram entre si as vestes dele, lançando-lhes sorte, para ver o que levaria cada um” Mc. 15.24. “O povo que estava ali e a tudo observava. Continue lendo

Jesus ungido por Maria em Betânia

Jesus ungido por Maria em Betânia

João 12.1-11 “Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus a Betânia, onde estava Lázaro, a quem Ele ressuscitara dentre os mortos” v. 1. Jesus foi convidado para uma ceia na casa de Lázaro, Marta e Maria.  Marta servia a todos com muita alegria. Lázaro (a quem Jesus ressuscitara dos mortos) era um dos que estavam à mesa. Enquanto ocorria a reunião e os convivas conversavam, trocavam idéias, aconteceu que: “… Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Continue lendo

O plano para tirar a vida a Jesus

O plano para tirar a vida a Jesus

João 11.47-57 Quando os principais sacerdotes e os fariseus ficaram alarmados com os grandes sinais que Jesus fazia, convocaram o Sinédrio (nome dado ao mais alto tribunal dos judeus, que se reunia em Jerusalém; ou suprema corte judaica – Mt.  26.59) para avaliarem os grandes sinais (milagres) de Jesus. Os judeus estavam preocupados porque aqueles sinais somente Deus poderia fazê-los. A inveja e a preocupação deles era tão grande que se manifestara procurando tirar Jesus do meio da multidão, ou seja, afastá-lo de uma vez Continue lendo

A mulher adúltera

A mulher adúltera

João 8.1-11 Jesus estava assentado no templo ensinando o povo. Quando de repente chegaram os escribas e os fariseus trazendo uma mulher apanhada em flagrante adultério. Eles a colocaram de pé em frente a todos e a acusaram de tal delito. Ainda apresentando a lei de Moisés que mandava que tais mulheres fossem apedrejadas. Mas eles omitiram o que dizia a lei de Moisés. Em Levítico 20.10 diz que o homem e a mulher seriam apedrejados. Porque quem adultera, não adultera sozinho, sempre há outro Continue lendo

Os guardas mandados para prender Jesus

Os guardas mandados para prender Jesus

João 7.25-36; 45.53. “Os fariseus, ouvindo a multidão murmurar estas cousas a respeito dele (Jesus), juntamente com os principais sacerdotes enviaram aguardas para O prenderem” v.32. Os guardas foram enviados pelos fariseus e os principais sacerdotes para prender e trazer até eles o Senhor Jesus. Mas os guardas ouviram o que Ele dizia, e ficaram impressionados, porque ninguém falava como Ele. Suas Palavras penetravam no mais profundo dos corações. Chegaram a perguntar se as autoridades reconheciam que Ele era de fato o Cristo. Os guardas Continue lendo

A murmuração dos judeus

A murmuração dos judeus

João 6.41-59 Quando Jesus disse: “Eu sou o pão que desceu do céu” v.41b, o povo judeu encheu-se de inveja. Não podiam aceitar que Jesus dizia ser o Pão do Céu. Diziam entre si: “Não é este Jesus, o filho de José? Acaso não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: Desci do céu” v. 42. Os judeus não podiam aceitar nada diferente daquilo que eles próprios criaram, colocaram em prática, ou seja, rituais vazios, sem significado espiritual algum para Deus. Continue lendo

Barrabás

Barrabás

O nome Barrabás consta no Novo Testamento representando o ladrão, assassino, terrorista, amotinador. (João 18.40). Ele estava preso e condenado à morte. Mas por ocasião da festa da Páscoa, era costume o governador soltar um preso a escolha do povo. Pilatos consultou o povo a respeito de quem deveria ser solto. Pilatos não achou crime algum em Jesus, e não queria enviá-lo à cruz. Mas os principais sacerdotes e os escribas persuadiram o povo a pedir Barrabás, ao invés, de Jesus Cristo (Mt. 27.20). Os Continue lendo