Browsed by
Tag: Salvador

Aquele que sara

Aquele que sara

 

“Ele é quem perdoa todas as tuas iniqüidades; quem sara todas as tuas enfermidades” Sl 103.3. Is. 61.1,2.

Somente Deus pode perdoar pecado, porque Ele é único, Criador de tudo e de todos. Sendo Ele Criador, somente Ele tem a essência de cada ser criado por Ele, assim Ele pode limpar eliminar toda e qualquer impureza que condena a pessoa, mas para isso é necessário que a pessoa se arrependa dos maus atos praticados, e volte-se ao seu Senhor. Somente Deus sara todas as enfermidades, porque somente Ele pode restabelecer a saúde espiritual na vida do ser humano. Sarar quer dizer, ficar livre daquele mal, livre da condenação eterna.

Não há bênção material maior do que a saúde, mas para isso é necessário que a pessoa valorize a saúde espiritual. Se assim o fizer, uma complementa a outra. A pessoa saudável espiritualmente é uma bênção onde quer que vá, além de construir uma sociedade melhor, mais justa, dentro da lei do Senhor. É muito raro uma pessoa que procede assim. O ser humano foi criado para a honra e glória de Deus, para viver feliz, mas o pecado mudou tudo, e acabou dominando. Quando falamos que Deus cura todas as enfermidades, estamos nos referindo à cura da alma, porque no mundo físico há muitas enfermidades, e a pessoa não está imune totalmente, embora Deus possa todas as coisas, ela enfrenta os problemas de saúde normais.

Uma pessoa pode ter muitas enfermidades na alma/espírito. Essas enfermidades são piores do que as físicas, porque vão minando a pessoa por dentro, até o ponto insuportável. Normalmente, a pessoa transmite aquilo que ela é no seu interior, por isso, que a pessoa deve ou tem por obrigação buscar alimento para a alma/espírito. Sendo ela criada por Deus a Sua imagem e semelhança, ela precisa se achegar a Ele para alimentar-se espiritualmente. Deus na Sua infinita misericórdia enviou Seu Filho Jesus Cristo para a alimentação e salvação de todo aquele que reconhecer que sozinho não consegue alimentação para a sua alma/espírito e não consegue também a salvação de sua alma imortal.

Durante a caminhada no deserto o povo de Israel experimentou muitos milagres, um deles é o da saúde e a cura das enfermidades. O Senhor sarou as águas amargas de Mara (Êx. 15.25) e saciou o povo. Aquelas águas amargas que faziam mal à saúde, representavam exatamente a vida comum que uma pessoa tinha. Deus ordenou a Moisés que colocasse uma palmeira que estava ali por perto dentro da água e a água ficou doce, boa para o consumo. Aquela palmeira representa o Senhor Jesus que se a pessoa colocá-lO em sua vida amarga, sem brilho, sem rumo, sem esperança, Ele a tornará doce, brilhante, valiosa, muito boa, e o mais importante válida para a vida eterna.

Atualmente, o povo continua a caminhada pelo deserto espiritual. Deus sara as águas espirituais e sacia o povo através do louvor, da oração, da Sua Palavra, da santificação. A caminhada continua firme e forte rumo ao paraíso celeste. Dificilmente, a pessoa crê em milagres, porque não há tempo nem interesse para observar as maravilhas que o Senhor nosso Deus fez e faz, mas acontecem diariamente na vida das pessoas. Quantas pessoas são curadas através de orações, conversões, leituras bíblicas. As curas não são contadas porque são espirituais, não são visíveis. Da mesma forma são as curas físicas ou mentais (Mt 11.28-30), quando uma pessoa é curada espiritualmente, normalmente, muitas vezes, acontece a cura física. O Senhor Jesus não prometeu um “mar de rosas” àqueles que se convertem a Ele, mas Ele prometeu estar com a pessoa todos os dias de sua vida (Mt 28.20). “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia n’Ele e o mais Ele fará” Sl. 37.5.

“… Converta-se ao Senhor (…) e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar” Is. 55.7b.

A tentação de Jesus

A tentação de Jesus

A tentação de Jesus. 1

Mt. 4.1-11.

“… Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto” Mt. 4.10b.

Em Mateus 4.1-11,  encontramos uma passagem  que nos leva a uma profunda meditação. Jesus foi tentado três vezes por Satanás, e nas três vezes, Jesus lhe respondeu com as Palavras do Livro Sagrado – a Bíblia. Se Jesus Cristo sendo o próprio Deus foi tentado, como não serão os seres humanos? Os seres humanos já possuem uma natureza frágil espiritualmente, e nascem com o pecado original, herdado dos primeiros pais. Esses seres frágeis necessitam de uma proteção espiritual muito grande. E essa proteção só pode vir do Senhor Deus, em Jesus Cristo.

O primeiro homem (Adão) desobedeceu a Deus, pecou contrariando as ordens do seu Criador. Recebeu o castigo, que é a morte física, orgânica. Porque o espírito não morre, vive eternamente, quer seja salvo, para  viver no reino da Luz, com Cristo,  quer seja perdido,  quando  viverá no reino de trevas. Os salvos, assim,  viverão no reino maravilhoso  da Luz juntamente com o Senhor Jesus e os demais salvos.

Jesus Cristo oferece a salvação de graça a quem quer ir com Ele depois desta vida. A vida aqui é muito breve, e passa voando, mas a eterna é para sempre. Jesus morreu na cruz do calvário, e derramou o Seu sangue. Ressuscitou ao terceiro dia. Subiu ao céu, onde foi preparar lugar (João 14.2) para todo aquele que O aceitar como seu único e suficiente Salvador pessoal, para todo o sempre.

Se por um lado Adão pecou, e perdeu o privilégio de morar no jardim que Deus havia preparado para que o ser humano o habitasse, por outro lado, Deus na Sua infinita misericórdia preparou a vinda do Seu Filho Amado Jesus Cristo para realizar o grande ministério que ofereceria, e oferece gratuitamente a salvação a todo aquele crê. O Senhor Jesus realiza uma mudança enorme no coração, e na vida de uma pessoa. A pessoa ganha mais confiança, mais tranquilidade, e a certeza de que no porvir estará com seu Senhor na glória do céu.

Nos versículos que lemos o Senhor Jesus foi tentado por Satanás, mas esses versículos continuam atuais. Quantas pessoas tentam o Senhor Jesus com pedidos esdrúxulos, fazendo promessas como: se o Senhor me fizer tal bênção, eu darei tal retribuição, ou se o Senhor me curar de tal doença eu retribuirei assim, ou se o Senhor conceder essa graça eu retribuirei assim (as mais variadas formas). Ou ainda pessoas que dão ordens ao Senhor Jesus, exigem isso ou aquilo, como se o Senhor fosse inferior a elas. Muitas pessoas assim ensinam, e levam outras a praticarem tal erro. Normalmente, as pessoas não param para pensar no resultado daquilo que estão praticando. Assim cometem os mais variados erros ao exigirem que Deus dê alguma bênção primeiro, para depois fazer ou pagar o prometido. Não é a mesma coisa de: “… Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”? Mt. 4.9. E o que o Senhor Jesus ordenou? Retira-te, Satanás, porque está escrito: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto” Mt. 4.10.

Só existem dois senhores: O Senhor Deus, em Jesus Cristo – Todo Poderoso,  Criador de tudo e de todos, e o senhor das trevas Satanás. Daí, a obrigação do ser humano, de raciocinar antes de praticar qualquer ação ao se achegar a Deus para pedir alguma coisa. Antes de qualquer ação, há necessidade de muita humildade, isto é, reconhecimento de que somos necessitados espiritualmente, e que não temos nada nem condições de oferecer alguma coisa espiritual ao Senhor Deus. Deus é Espírito, e importa que Seus adoradores O adorem em Espírito e Verdade (João 4.23).

Porque se a pessoa não estiver agradando a Deus, andando nos Seus Santos e retos Caminhos, fazendo o que reto aos Seus olhos, qualquer outra ação estranha está orientada e aplicada por Satanás. Não há deuses intermediários, não há condutor de pedidos de graças, de promessas, por mais que uma pessoa queira, nada muda em relação a parte espiritual. Ou a pessoa tem a paz de Deus em seu coração, ou tem a turbulência mundana em sua vida. “… Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto” Mt. 4.10b.

“Teu, Senhor, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu, Senhor, é o reino, e tu te exaltaste por chefe sobre todos” 1 Cr. 29.11.

“Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar” Hc. 2.14.

Graça e Paz!